A Colisão entre Direitos Fundamentais em Meio à Pandemia da Covid-19: Analisando Juridicamente a Legitimação das Restrições Impostas pelo Poder Público

0

Thiago Costa dos Santos, advogado, pós-graduado em Direito Penal e Processual Penal pela Universidade Estácio de Sá, pós-graduando em Direito Constitucional pelo Instituto Brasiliense de Direito Público – IDP.

Tidos como a base de todo Estado Democrático de Direito, os Direitos Fundamentais sempre foram um dos principais objetos de estudos jurídicos, políticos e sociais. Temas como liberdade, igualdade e justiça já eram ensinados pelo próprio Cristo há mais de 2000 anos. Atualmente positivados na Carta Magna, foram conquistados através de muita luta, principalmente nos séculos XVII e XVIII, quando defendeu-se que “certo número de direitos preexistem ao próprio Estado, por resultarem da própria natureza humana” (BRANCO, 2018).

Diante dessa brevíssima introdução histórica, percebe-se que os Direitos Fundamentais – aqueles considerados inerentes ao homem e que efetivam o Princípio da Dignidade da Pessoa Humana – possuem um papel central. Devem ser observados, respeitados, aplicados e efetivados pelos três Poderes da República. Ademais, tais direitos são cláusulas pétreas, isto é, não são passíveis de extinção ou redução, ainda que por Emendas Constitucionais.

Todavia, sabe-se que, embora fundamentais, tais direitos não são absolutos. Dessa forma, diante de determinadas circunstâncias, os Direitos Fundamentais podem ser mitigados sem violar a Constituição Federal. A própria Carta Magna traz, em seu texto, algumas hipóteses de limitações a tais direitos, a exemplo do inciso XLVII do artigo 5º que autoriza a pena de morte em caso de guerra declarada. Também é fácil perceber a frequente colisão entre alguns desses direitos, como é o caso do direito à liberdade de expressão, de um lado, e o direito à privacidade, de outro.

Outro grande exemplo prático é exatamente o momento em que o planeta vive. Diante de uma pandemia histórica, todas as nações têm trabalhado conjuntamente para que o coronavírus cause o menor dano possível à humanidade. E, para tanto, é imprescindível uma forte atuação estatal para alterar, provisoriamente, alguns comportamentos e a rotina de toda a população, tendo em vista que a principal forma de transmissão do vírus é através de aglomerações, onde há intenso contato físico entre as pessoas. Visa-se manter apenas os serviços públicos e atividades essenciais (DAUD, online).

Várias medidas tiveram que ser tomadas, tais como: fechamento de comércios, fechamento de fronteiras, fechamento de igrejas, impossibilidade de realização de eventos e até restrições ao lazer. Tais limitações são flagrantes hipóteses de mitigação de direitos fundamentais, tais como a livre iniciativa, liberdade de locomoção, liberdade religiosa, direito ao lazer, etc.

Mas o que legitima, então, tal mitigação? Trata-se do chamado juízo de ponderação. Isso implica que, havendo colisão entre dois ou mais direitos fundamentais, deve-se analisar o caso concreto, cabendo ao julgador realizar o sopesamento dos direitos fundamentais e determinar qual deverá prevalecer naquela situação (ALEXY, 2008; DWORKIN, 2002).

Deve-se levar em consideração, ainda, conforme os ensinamentos do saudoso professor alemão Georg Jellinek, que o Estado possui soberania interna, o que justifica uma gama de ações governamentais e permite o uso legítimo da força e restrições às liberdades, à tributação, à manifestações administrativas de poder, etc. (apud ALEXY, 2008).

Ante o exposto, demonstra-se que, diante da atual situação de pandemia, determinadas restrições e limitações impostas pelo Poder Público encontram legitimação diante da colisão entre o direito à vida, v.g., e outros direitos fundamentais. Conclui-se, com isso, que cabe à população se conscientizar e compreender que se trata de um episódio histórico na humanidade e que todas as medidas são transitórias e buscam um fim maior. Salienta-se, todavia, que qualquer abuso ilegítimo e injustificável por parte do Estado deve ser rigorosamente questionado pelas vias democráticas.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALEXY, Robert. Teoria dos Direitos Fundamentais. Tradução de Virgílio Afonso da Silva. São Paulo: Malheiros, 2008.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Texto constitucional promulgada em 5 de outubro de 1988.

DAUD, Felipe. O Direito no Combate ao Coronavírus. Disponível em: < https://www.jota.info/especiais/o-direito-no-combate-ao-coronavirus-03042020# sdfootnote2sym>. Acesso em: 11 abr. 2020.

DWORKIN, Ronald. Levando os Direitos à Sério. Tradução de Nelson Boeira. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

MENDES, Gilmar Ferreira. BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso de Direito Constitucional. 13 ed. ver. e atual. São Paulo: Saraiva, 2018.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais