A controvérsia entre o termo de ajustamento de conduta e os crimes ambientais

0

Ao tempo em que o direito penal possui um lugar irrenunciável na defesa do meio ambiente[i] igualmente há de se reconhecer que o poder de punir estatal há de receber limites bem como o sistema punitivo deve outorgar a mínima segurança jurídica aos jurisdicionados.

Muito comum que a práxis forense reserve aos advogados a seguinte questão: o pretenso autor de um crime ambiental, seja pessoa física ou jurídica, é chamado a se encontrar com as instâncias de repressão penal mesmo após ter firmado termo de ajustamento de conduta (TAC)[ii] com alguma das autoridades integrantes do Sisnama. No mais das vezes o chamamento criminal vem acompanhado de elevada surpresa[iii], eis que o suposto autor do fato acredita, o que é perfeitamente compreensível, ter sido o assunto encerrado justamente em razão dos termos do acordo firmado com a autoridade ambiental bem como por compreender que qualquer solução com o direito penal será, ainda que mínima, um duplo agir punitivo por parte do Estado.

A explicação das autoridades interessadas na desmesurada aplicação do direito penal se dá a partir da zona de conforto contida no artigo 225, §3º, da Constituição da República, e consequente afirmação de que a responsabilidade pela infração contra o meio ambiente sujeita o infrator, a um só tempo, às sanções administrativas e criminais sem prejuízo da reparação dos danos causados. É este, inclusive, o posicionamento adotado pelas Turmas especializadas em matéria penal no Superior Tribunal de Justiça, ou seja, de que “o termo de ajustamento de conduta com órgão ambiental não impede a instauração de ação penal.”[iv]

Trata-se de explicação, com o devido respeito, imediatista ao deixar de reconhecer que o ilícito é uma categoria jurídica, ou seja, não é noção privativa de nenhum dos ramos do Direito, podendo assumir várias modalidades, conforme o aspecto das ciências jurídicas que, no caso, seja abordado.[v]

Destarte, sendo a norma jurídica um imperativo – de caráter positivo ou negativo – “o ilícito é a conduta (ação ou omissão) que contravém o mandamento da norma, a qual estabelece a consequência jurídica, institucionalizada, organizada normativamente: a sanção. Assim, conforme se vê, apenas quando houver descumprimento do mandamento da norma jurídica, poder-se-á falar em ilícito e sua consequência (a sanção).”[vi]

Constatado que o “ilícito” é uma categoria jurídica, um conceito lógico-jurídico passível de estar presente dentro dos diversos ramos do Direito, é desautorizada a busca de “variações essenciais (ontológicas) nas suas mais diversas formas de manifestação.”[vii]

Felizmente, em detrimento das conclusões imediatistas existem orientações mais consentâneas à unicidade do ordenamento jurídico e adequadas às características subsidiária e fragmentária do direito penal na esteira do entendimento já exarado por Luiz Regis Prado[viii] no sentido de que “não cabe unicamente ao Direito Penal a tarefa de proteção de bens jurídicos, muito pelo contrário. Presidido pelos princípios da intervenção mínima, da fragmentariedade e da necessidade, deve a lei penal intervir em última instância e diante das mais graves agressões, quando realmente for necessária para a garantia de bens jurídicos essenciais.”

Do ponto de vista doutrinário em solo brasileiro sobressai o posicionamento de Helena Regina Lobo da Costa ao propor o desenvolvimento de uma política sancionadora integrada que, por meio de um liame entre o direito penal e o direito administrativo sancionador, certamente diminuirá as incoerências incidentes no ordenamento jurídico brasileiro[ix], obviamente com incidência não apenas na temática ambiental.

Já quanto à aplicação do direito é do TJMG que advém, desde a década passada, o entendimento de que não existe “justa causa para a instauração de ação penal contra o paciente, tendo em vista a celebração do termo de ajustamento de conduta antes do oferecimento da denúncia.”[x]

O posicionamento adotado pelo TJMG é verdadeira expressão do princípio da oportunidade da ação penal, pois, de acordo com Gilberto Passos de Freitas “a ação penal será ajuizada, considerando uma verificação discricionária da utilidade, sob o ponto de vista do interesse público”[xi].

Já em 2005 esta sistemática era propugnada pelo citado autor paulista ao afirmar:[xii]

“Em decorrência da composição dos danos, do acordo efetuado para a reparação do dano ambiental, não será ajuizada a ação penal, como indiscutível benefício para o meio ambiente.

Como assenta Luiz Flávio Gomes, um dos objetivos do princípio da oportunidade é ‘(…) permitir uma maior utilização da chamada ‘justiça pactuada ou consensuada’, em que o sujeito assume algumas responsabilidades jurídicas (reparação do dano em favor da vítima, p. ex.), que ocupam o lugar da ‘pena’, sem as desvantagens desta’”.

Embora expostos argumentos que, respeitosamente, fundamentariam a alteração do entendimento do STJ, o fato é que há elevada insegurança jurídica em torno do tema desde a edição da Lei 9.605/98. E a inexistência de posicionamento do STF contribui ainda mais para esta situação.

Há de se ter em mente que via de regra o compromissário acaba por reconhecer a prática dos fatos tomados por ilícitos, circunstância que facilitará em muito a tarefa ministerial de aviar a denúncia criminal ao restar facilmente identificada a pessoa física ou jurídica a figurar no polo passivo do caso penal.

Diante deste contexto, a eventual assinatura de um TAC deve ser permeada por elevada atenção e, sempre que possível, vir amparada por apoio jurídico multidisciplinar, incluindo-se aí a assessoria jurídico-criminal, para se evitar[xiii] punições estatais em duplicidade e, por assim dizer, injustas e, de outro lado, estabelecer desde o primeiro momento as responsabilidades e a extensão das medidas a serem cumpridas pelo particular.

 

 

AUTORES:

Maria Francisca Accioly é sócia do ACCIOLY LAUFER SOCIEDADE DE ADVOGADOS.  Mestre em Direito pela UFPR, Especialista em Direito Penal e Processo Penal pela PUC-SP. Membro da Associação Brasileira dos Advogados Criminalistas (ABACRIMI) e do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCRIM).

Daniel Laufer é sócio do ACCIOLY LAUFER SOCIEDADE DE ADVOGADOS. Doutor em Direito pela PUC-SP e Mestre em Direito pela PUCPR. Membro do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCRIM) e da Associação Internacional de Direito Penal (AIDP).

 

[i] SCHÜNEMANN, Bernd. Sobre la dogmática y la política criminal del Derecho Penal del medio ambiente. In: Temas actuales y permanentes del Derecho Penal después del milenio. Madrid: Tecnos, 2002. p. 222 e 223.

[ii] Conforme prevê o artigo 79-A da Lei 9.605/98.

[iii] Já em 2003 teria sido feito o alerta sobre as eventuais armadilhas da legislação ambiental em artigo publicado por Miguel Reale Jr. e Eduardo Reale Ferrari: https://www.migalhas.com.br/depeso/1725/empresas-devem-tomar-cuidado-com-as-armadilhas-na-area-ambiental

[iv] Informativo 625 do STJ que faz menção à Ação Penal 888/DF que, por sua vez, rememora os julgados AgRg no AREsp 984.920/BA e RHC 41.003/PI.

[v] ARAÚJO, Edmir Netto de. O ilícito administrativo e seu processo. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 1994, p. 23; no mesmo sentido MELLO, Rafael Munhoz de. Sanção Administrativa e Princípio da Legalidade. In: Devido Processo Legal na Administração Pública. Lucia Valle Figueiredo (coord.) São Paulo: Editora Max Limonad, 2001. p. 149.

[vi] VITA, Heraldo Garcia. A sanção no direito administrativo. São Paulo: Malheiros, 2003. p. 29.

[vii] FERREIRA, Daniel. Sanções Administrativas. São Paulo: Malheiros, 2001. p. 52. Some-se, ainda, as linhas deitadas por Heraldo Garcia VITA: “Ontologicamente, os ilícitos penal, administrativo e civil, são iguais: fazem parte de instituto jurídico determinado: os ilícitos jurídicos (…) O conceito de ilícito não decorre deste ou daquele ordenamento jurídico, não é conceito jurídico-positivo; aplica-se a todos, indistintamente do lugar e do tempo em que tiverem vigência.” Op. cit. p. 30.

[viii] PRADO, Luiz Regis. Direito penal do ambiente. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2005. p. 98-99.

[ix] COSTA, Helena Regina Lobo da Costa. Direito Administrativo Sancionados e Direito Penal: a necessidade de desenvolvimento de uma política sancionadora integrada. In: Direito Administrativo Sancionador. Luiz Mauricio Souza Blazeck e Laerte Marzagão Júnior (coord.) São Paulo: Quartier Latin, 2015. p. 107-118.

[x] TJMG – HC 1.0000.16.032457-0/000 – Rel. Exmo. Des. Paulo Cesar Dias – Publicado em 04/07/2016. Da mesma forma TJMG, HC 1.0000.12.058801-7/000, Relator Exmo. Des. Nelson Missias de Morais, Publicado em 09/07/2012; TJMG, HC 1.0000.10.071498-9/000, Relator Exmo. Des. Beatriz Pinheiro Caires, publicado em 25/02/2011; TJMG, HC n. 1.0000.09.494459-2/000, Rel. Des. Jane Silva – julgado em 25.06.2009 e TJMG, HC 1.0000.06.445201-4/000, Rel. Exmo. Des. Reynaldo Ximenes Cordeiro.

[xi] FREITAS, Gilberto Passos de. Ilícito penal ambiental e reparação do dano. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2005. p. 177.

[xii] FREITAS, Gilberto Passos de. Op. Cit. p. 182.

[xiii] Com a entrada em vigor do instituto do acordo de não persecução penal, conforme prevê o artigo 28-A do CPP, quiçá a composição integral (administrativa e criminal) se torne mais evidente e factível.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais