A Quebra do Sigilo da Fonte Configura Fato Típico e a Prova Dela Decorrente é Ilícita

0

*Paulo Braga

O sigilo da fonte é algo tão importante em nossa democracia que mereceu assento constitucional como cláusula pétrea, vide o teor do inciso XIV, do artigo 5º, da Carta Magna:

“XIV – é assegurado a todos o acesso à informação e resguardado o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional.”

Por estar inserido no título que trata dos direitos e garantias individuais revela-se verdadeiramente como um dos pilares do Estado Democrático de Direito.

Dessa feita, o sigilo da fonte é um mecanismo que garante a liberdade de imprensa, o que é algo primordial em uma democracia.

Não obstante, esse instituto jurídico constitucional gera efeitos que transcendem os profissionais que trabalham com notícia, albergando em especial aqueles que constituem a fonte dos dados do que é veiculado, costumeiramente conhecidos como informantes.

No ponto, de boa medida relembrar o escólio de Freitas Nobre[i]:

“A garantia ao segredo profissional visa assegurar a confiança necessária a todos os que exercem profissões com o a do jornalista, não apenas para que se mantenha a fonte da informação, mas para que se preserve o informante de represálias injustas.

(…)

No caso do jornalista, mais particularmente, este segredo é exigência social, porque ele possibilita a informação, mesmo contra o interesse dos poderosos do dia, pois que o informante não pode ficar à mercê da pressão ou da coação dos que se julgam atingidos pela notícia.”

É de se observar a precisão cirúrgica do Autor quando ressalta a impossibilidade de se deixar a fonte a descoberto, exsurgindo indubitável que a manutenção do sigilo não configura direito potestativo do Profissional da imprensa.

Ao contrário, se por um lado o Jornalista tem o direito de manter em sigilo sua fonte, por outro, isso também se revela como um de seus mais caros deveres.

Cumpre não se perder de vista que o Informante transfere dados que viram notícias confiando que será preservado, decorrendo daí fidúcia que não pode ser inadvertidamente rompida.

Observe-se que na relação entre o Jornalista e seu Informante/Fonte esse último presta informações na certeza de que o Profissional o manterá no anonimato.

Logo o sigilo profissional do Jornalista, gera à sua Fonte, a garantia de que pode falar com ele em confidência sem se arriscar a ter a sua identidade revelada.

A higidez de tal simbiose é salutar para nossa democracia.

Caso o Jornalista descure da obrigação e desnude seu informante incorrerá no fato típico elencado no artigo 154, do Código Penal,.

“Violação do segredo profissional

Art. 154 – Revelar alguém, sem justa causa, segredo, de que tem ciência em razão de função, ministério, ofício ou profissão, e cuja revelação possa produzir dano a outrem:

Pena – detenção, de três meses a um ano, ou multa de um conto a dez contos de réis.”

Tal entendimento encontra respaldo em aresto da lavra do Ministro Néfi Cordeiro, em voto proferido quando integrava o Tribunal Regional Federal da 4ª Região[ii].

Embora muito se fale do direito do jornalista de não revelar sua fonte,  plausível dissocia-lo do correlato dever, pois a relação se estriba na mais estrita confiança, o que é induvidoso.

Em assim sendo, qualquer prova oriunda da quebra do sigilo da fonte é ilegal, eis que sua gênese está umbilicalmente adstrita a um ato criminoso, e, por tal razão, para nada serve no âmbito do processo penal, devendo ser extraída dos autos e não ser considerada ao tempo da sentença, a teor do que dispõe o artigo 157, caput e parágrafo primeiro, do Código de Processo Penal, que encampa a teoria dos frutos da árvore proibida.

 

[i] NOBRE, Freitas, Comentários à Lei de Imprensa, Saraiva, p. 380/381.

[ii] TRF-4 – COR: 5353 SC 2008.72.00.005353-8, Relator: NÉFI CORDEIRO, Data de Julgamento: 03/11/2009, SÉTIMA TURMA, Data de Publicação: D.E. 11/11/2009

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais