Ampliado prazo para redução de jornada e suspensão de contrato trabalhista

O Diário Oficial da União de ontem trouxe o decreto 10.422/2, prorrogando os prazos para celebrar os acordos de redução proporcional de jornada e de salário, de suspensão temporária do contrato e para efetuar o pagamento dos benefícios emergenciais previstos na Lei 14.020/20.

Desse modo, o prazo para celebrar acordo de redução proporcional da jornada de trabalho e de salário foi estendido em 30 dias e, os acordos de suspensão temporária do contrato, em 60 dias, ambos completando o total de 120 dias.

O texto determina ainda que tanto a concessão e o pagamento do benefício emergencial de proteção ao emprego e à renda quanto do benefício emergencial mensal, observadas as prorrogações de prazo previstas acima, ficam condicionados às disponibilidades orçamentárias.

Para discutir os desafios, dúvidas e esclarecimentos sobre o tema, a fonte está à disposição para auxiliá-lo(a) em sua matéria.

Fabiano Zavanella, é Doutorando em Direito pela USP e Mestre em Direito pela PUC/SP, com MBA em Direito Empresarial pela FGV/SP. Sócio do Rocha, Calderon e Advogados Associados e Diretor Executivo do Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas em Ciências Políticas e Jurídicas (IPOJUR) é também Professor nos Cursos de Pós-graduação e Extensão em Direito Empresarial do IBMEC, da Escola Paulista de Direito (EPD) e do Complexo Damásio Educacional em São Paulo, entre outros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

LEITURAS RECOMENDADAS

Cassinos no Brasil: da origem aos dias atuais

Quer passar na prova da OAB? Clique aqui para baixar gratuitamente as provas dos últimos 12 anos! Os cassinos no Brasil já foram sinônimo de luxo, poder e diversão. O até hoje famoso hotel Copacabana Palace foi, originalmente, um cassino.

Compliance para startups cresce, mas exige cuidados

Quer passar na prova da OAB? Clique aqui para baixar gratuitamente as provas dos últimos 12 anos! Especialista aponta caminhos para um desenvolvimento sólido A quem acredite que as práticas de Compliance devem ser atribuídas exclusivamente às grandes corporações e