Após pressão dos estados nordestinos, governo federal revoga transferência de verba do Bolsa Família para publicidade

0
Surtiu efeito a pressão dos Estados nordestinos sobre a União contra a transferência de recursos do Bolsa Família para publicidade institucional. Nesta terça-feira (9/6), quando o Supremo Tribunal Federal (STF) intimou a União a prestar esclarecimentos sobre o assunto, o Ministério da Economia revogou a Portaria 13.474, que transferia R$ 83.904.162,00, originalmente destinados ao Bolsa Família, para a comunicação institucional do governo federal.
A determinação do ministro do STF Marco Aurélio Melo, dando prazo de cinco dias para a União apresentar explicações, atendeu a pedido apresentado pelos procuradores-gerais dos Estados nordestinos na última sexta-feira (5/6), dentro da Ação Cível Ordinária (ACO) 3359, que questiona o corte dos benefícios do programa para a região Nordeste registrados desde janeiro e a falta de isonomia na concessão de novos benefícios. Em 23 de março, o ministro concedeu liminar suspendendo os cortes no programa enquanto durar a pandemia do coronavírus.
A revogação da portaria foi bem recebida no Fórum Permanente dos Procuradores-Gerais dos Estados do Nordeste, mas não encerra os esforços para que a União reequilibre o atendimento do programa na região. “A revogação da portaria por parte da União é uma grande conquista. Trata-se de inequívoco reconhecimento de que sua edição foi ilegal e afrontou a liminar anterior, proferida pelo ministro Marco Aurélio. A ação judicial, todavia, seguirá seu curso no Supremo até que haja o cumprimento integral da decisão, que corresponde à efetiva recomposição dos prejuízos causados aos beneficiários vulneráveis, em decorrência dos cortes do programa concentrados na Região Nordeste, justamente aquela mais necessitada, por razões históricas e estruturais”, afirma o procurador-geral do Estado de Pernambuco, Ernani Medicis.
Entre maio de 2019 e maio de 2020, 90.551 famílias foram cortadas do programa na região. A ACO 3359 é movida pelos procuradores-gerais dos Estados da Bahia, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Ceará, Rio Grande do Norte, Maranhão e Piauí. Na liminar de março, além de suspender o contingenciamento do programa, o ministro Marco Aurélio também determinou que a União disponibilize dados que justifiquem a concentração de cortes de benefícios no Nordeste e dispense aos inscritos nos Estados-autores tratamento isonômico em relação aos beneficiários dos demais entes da Federação. Esses dados nunca foram apresentados pelo governo federal.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais