Autuação de 5 mil empresas por irregularidades no Imposto de Renda

0

*Por Ana Campos

A Receita Federal do Brasil (RFB) autuou entre março e maio deste ano cerca de 5 mil empresas por irregularidades na entrega do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica referente ao ano-calendário 2014, ainda dentro do prazo prescricional. O montante que o governo federal conseguiu arrecadar com o crédito tributário, que inclui juros moratórios e multa de ofício de 75%, totalizou mais de R$ 1 bilhão.

As inconsistências foram apuradas pelo projeto Malha Fiscal Pessoa Jurídica e se se referem ao cruzamento das informações da Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF) com a Escrituração Contábil Fiscal (ECF).

O projeto Malha Fiscal teve início em 2015, com verificações do ano-calendário de 2012, visando combater a sonegação fiscal. Com ele, diferenças em valores declarados à Receita Federal pode levar a inclusão na malha fina. Desenvolvido pelo Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), é valido para os regimes de tributação com base no Lucro Real, Presumido ou Arbitrado.

O órgão também anunciou que a fiscalização do calendário 2015 está em andamento. Até junho, serão enviadas cartas para 14.000 empresas sobre irregularidades nos recolhimentos e declarações de IRPJ e CSLL. A estimativa é arrecadar cerca de R$ 1,5 bilhão. Estas empresas notificadas ainda têm um período para regularizar os pagamentos.

Caso a sua organização tenha cometido um erro no envio das informações ou pago um tributo menor, as multas podem ser de até 225%, aplicável a hipótese de não atendimento, no prazo marcado, de intimação para prestar esclarecimentos. Outra medida é a representação do Ministério Público Federal por sonegação fiscal (crime contra a ordem tributária – Lei no. 8.137/90).

Em relação ao calendário de 2014, a Unidade Federativa com o maior número de autuações é São Paulo. Nele, cerca de 1.532 empresas foram multadas com um montante superior a R$ 318 milhões. O segundo lugar é o Rio de Janeiro com 630 empresas e R$ 140 milhões a ser ressarcidos aos cofres públicos. É seguido por Minas Gerais (354 empresas, R$ 50 milhões), Bahia (289 empresas, R$ 63 milhões) e Pernambuco (196 empresas, R$ 46 milhões).

Automatização de processos na Receita Federal

A automatização de processos dentro do Fisco é referência mundial. A Receita Federal consegue cruzar todas informações disponíveis, sobre qualquer tributo ou contribuição, automatizando a detecção de infrações e conferindo maior agilidade ao processo de revisão de declarações apresentadas por contribuintes.

O órgão, segundo o portal Contábeis, está usando de técnicas avançadas e softwares baseados em inteligência artificial para analisar os arquivos digitais. A medida ainda acelera o andamento dos processos tributários a espera de julgamento em primeira instância. Cerca de 60% dos processos hoje em dia têm valor máximo de R$ 20.000. Para fiscalizar as PMEs, é feito o cruzamento das informações contábeis e fiscais é feito em tempo real por meio do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED).

Basta lembrar que o índice de assertividade da Receita Federal nas suas diligências já é superior a 90%. Isso faz com que o número de autuações tenha caído 9% em 2018, com uma arrecadação de R$ 187 bilhões. Mas os valores são 25% maior do que a previsão inicial de R$ 149 bilhões.

A ideia do órgão é que as autoridades fiscais fiquem de olho em médias e grandes empresas e em processos com valores acima de R$ 15 milhões. Em 2018, 9.000 empresas responderam por 60% da arrecadação federal e por 80% das autuações, embora representem 0,01% do total de contribuintes. Para este ano, a expectativa é recuperar R$ 164 bilhões. Até abril, cerca de 7.000 contribuintes com indícios de infração foram notificados, o que representa um montante de R$ 68 bilhões a serem recuperados.

Como solucionar esta questão?

A não conciliação entre ECF e DCTF não é, em princípio, uma matéria fundamentada em discussão jurídico-tributária sofisticada. É verdade que diversos aspectos relativos a DCTF foram objeto de discussão (retificação de DCTF após entrega de Per-DComp, natureza de crédito tributário confessado, quando declarado em DCTF), essencialmente por particularidades e alterações recentes na compensação tributária, mas os valores declarados em ECF devem “bater” com os dados de DCTF, particularmente o valor devido dos tributos.

Assim, é importante modernizar a contabilidade da sua empresa, adotando processos padronizados e usando a tecnologia como aliada. Criar uma política de compliance neste departamento é outra medida essencial. Por conta da complexidade, muitas empresas deixam de cumprir as suas obrigações simplesmente porque não entendem corretamente a legislação.

Outro expediente é automatizar processos fiscais e tributários, assim como já está fazendo o Fisco. Deixar de lado procedimentos manuais mitiga inconsistências no envio das informações como a digitação de valores incorretos, por exemplo. Há hoje no Brasil dezenas de softwares que realizam a conferência automática de SPED, por meio da auditoria das notas fiscais.

Adotar medidas preventivas resulta numa apresentação de contas fiscais e tributárias mais consistente. Este é o caminho para estar em conformidade junto ao Fisco, o que gera ganhos de performance, de tempo e protege o patrimônio da empresa.

*Ana Campos é Especialista em Aquisições e Reestruturações e sócia fundadora da empresa Grounds, empresa de consultoria inteligente especializada nas áreas contábil, tributária, trabalhista, previdenciária e financeira.

Sobre a Grounds

A Grounds é uma empresa de consultoria inteligente especializada nas áreas contábil, tributária, trabalhista, previdenciária e financeira. O core business da companhia abrange todas as áreas da empresa, se diferenciando assim dos serviços de advogados, por exemplo. No último ano de atuação, a Grounds solucionou mais de 40 projetos de due diligence, consultoria fiscal-financeira e assessoria permanente em vários segmentos de atuação: Investimentos e Private Equity, Energia e Infraestrutura, Serviços, Varejo e Indústria em geral. Saiba mais em: http://grounds.com.br/

 

Assessoria de imprensa Grounds:

IDEIACOMM

(11) 5111-8841

Juliana Garcia (MTB 63.694)

11 95070-8903

[email protected]

Ketheleen Oliveira

11 98318-1577

[email protected]

Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais