Candidato pardo consegue liminar para prosseguir nas cotas do concurso da PRF

0
JURÍDICO / DIREITO / CONCURSO PÚBLICO / COTAS EM CONCURSOS
Um candidato aprovado no concurso da Polícia Rodoviária Federal, nas vagas destinados a negros e pardos, conseguiu uma liminar para ser reintegrado às vagas de cotistas, após ter sido eliminado, duas vezes, na avaliação biopsicossocial, realizada pela banca CEBRASPE (antigo Cespe).
A banca examinadora entendeu que o candidato não teria os fenótipos de uma pessoa negra ou parda, e ainda disse que a coloração da pele e os cabelos não o qualificavam para as vagas de cotistas.
Na ação judicial, o advogado do candidato, Sérgio Merola, juntou dezenas de fotos do candidato, desde a infância, até as mais recentes, e ainda fez quadros comparativos, colocando as fotos do candidato ao lado de pessoas brancas, como Michel Teló, Xuxa e Gugu Liberato.
A estratégia, apesar de inusitada, chamou a atenção do magistrado, que concedeu a liminar em favor do candidato.
Assim fundamentou sua decisão, o juiz Charles Renaud Frazão de Morais, da 2ª Vara Federal de Brasília:
“(…) dois aspectos me chamam especial atenção. Primeiro, as fotos colacionadas aos autos sustentam de forma suficiente a alegação trazida na inicial e na autodeclaração para a participação no certame. De fato, salvo de outro critério adotado pela banca examinadora, mas que não foi revelado nestes autos, a exclusão do autor viola seu direito previsto no Edital, item 6.1.
E ainda:
(…) Da mesma forma, não há a mínima fundamentação do ato de exclusão do autor pela banca do CEBRASPE. E isso não pode ser tolerável em razão da garantia constitucional de moralidade e dever de fundamentação das decisões administrativas (CF/88. art. 93, X, e art. 50, da Lei 9784/99), e que alcança por óbvio o CEBRASPE, que mesmo sendo entidade privada, presta serviço de natureza e interesse de administração pública federal. O ato de exclusão do autor, diante do vício apontado na inicial, é írrito, portanto.”

Sérgio Merola destaca que candidatos cotistas estão enfrentando uma série de problemas nos certames para conseguir assegurar seus direitos, já que as bancas vêm eliminando-os irregularmente. 

Nesses casos, o advogado recomenda que o candidato busque o judiciário imediatamente, juntando o máximo de fotos possíveis, para que seja concedida uma decisão liminar e o candidato consiga participar do restante do certame.

Fonte: Processo 1023271-74.2019.4.01.3400.

Goiânia, 06 de setembro de 2019.

_______________

SOBRE O ADVOGADO

Sérgio Antônio Merola Martins é sócio fundador da Sérgio Merola Advogados Associados. É especialista em demandas envolvendo a Administração Pública – concurseiros, servidores públicos, licitação, improbidade administrativa, compliance e direito anticorrupção. Produz conteúdo regularmente para o seu Blog – www.sergiomerola.com.br

Para maiores informações, entrar em contato com:  Ricardo Orsini (Gestor da Sergio Merola Advogados Associados) – [email protected] – (62) 9.8433-8002

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais