Comunidade indígena de Rondônia cria criptomoeda para auxiliar povos em situação emergencial

0

Sem auxílio do governo e lutando contra o garimpo ilegal, pandemia da covid-19 e grileiros da região, os Suruí Paiter e os Cintas-Largas formam um grupo de cerca de 4 mil pessoas que lutam para ter renda fixa e condições mínimas de vida.

Como muitos dos povos indígenas na antiguidade, os Suruí Paiter e os Cintas-Largas  viviam de forma simples nos últimos anos. A pesca, plantação, artesanato e agricultura eram a fonte da sobrevivência dessas comunidades, constituídas por cerca de 4 mil pessoas, de acordo com a Funai. Nos últimos meses, no entanto, essa existência está seriamente ameaçada: os povos lutam diariamente contra a fome, a covid-19, o garimpo ilegal, o agronegócio e o desmatamento que assombra a região em que vivem.

Laço de união entre os dois povos – que são, historicamente, rivais – Elias Oyxabaten Surui é uma voz da comunidade que idealizou um projeto: a criação de uma criptomoeda que viabilizasse, de forma emergencial e contínua, a arrecadação de recursos para a região. “É uma ideia minha de união. A intenção é trabalhar com os dois povos e mostrar serviço para auxiliar as duas comunidades na região”, afirma.

Os recursos gerados pelo ativo digital serão destinados a construir e manter projetos nas regiões onde vivem os indígenas, nos estados de Rondônia e Mato Grosso. A moeda OYX está em fase final de criação e será lançada no dia 11 de novembro no evento online Blockchain Connect 2020, às 18h. A ideia é garantir uma renda mínima, segurança alimentar e integração das aldeias criando um efeito de união entre elas, criando uma estrutura que possibilite o desenvolvimento de outros projetos na região.

“Fomos abandonados à própria sorte pelo Governo Federal durante a pandemia do coronavírus”, conta Elias, que trabalha no Distrito Sanitário da Saúde Indígena e ajuda jovens na região com o desenvolvimento de projetos. “Além dos ataques nas terras indígenas, o governo vem atacando os direitos dos povos indígenas. Queremos mudar essa história: tudo o que buscamos é um auxílio básico, que viabilize a retomada de trabalhos, artesanato e cuidados básicos de saúde”, afirma.

A expectativa é que, com o sucesso da iniciativa, seja possível investir em mais plataformas, que permitam a venda de artesanato e criação de trabalhos para a população das tribos. Todo o restante do dinheiro será para investir em mantimentos básicos e na estrutura da região.

“Na nossa aldeia, ninguém é assalariado”, conta Elias. “Todos têm condições precárias de vida. Pelo governo, a gente não tem direito a nada. Pelo contrário: limitam os nossos povos e a nossa produção. Durante a pandemia, sofremos muito”.

Há décadas, os cintas-largas pedem maior atenção ao povo na região. Por diversas ocasiões, o garimpo ilegal ao leste de Rondônia foi tema de discussões junto ao Governo Federal, que nos últimos anos passou a ignorar as mortes provocadas pela situação. Além disso, conta Elias, houve uma aceleração na quantidade de queimadas na região, piorando e muito a qualidade de vida dos povos. “Queremos tentar dar autonomia aos indígenas para usufruir de todos os recursos naturais em suas terras”, conta.

“A blockchain é a nossa arma, hoje, e a OYX é o meio de fazer e vencer essa guerra sem derramamento de sangue”, diz Elias. “Os povos Cinta-Larga e Suruí não aceitarão ser subjugados pelas políticas deste governo”.

Para acompanhar o lançamento no dia 11 de novembro, às 18h, acesse: https://blockchainconnect.com.br/

O site oficial da OYX, em fase de construção, pode ser acessado aqui: https://oyxabaten.com/

Julgamento Caso Kiss: para Promotor aposentado não houve dolo no caso da boate Kiss
Clique Aqui e Saiba Mais!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais