Cuidados com marcas no ambiente de negócios pós-pandemia

0

Por Mariana Hamar Valverde Godoy, sócia do Moreau Valverde Advogados

De que forma cada um de nós e as empresas vão estar pós-pandemia do COVID-19 nem é tão difícil de definir: resilientes, mas sobressaltados com a capacidade das autoridades públicas interferirem em nossas vidas. Com o status de sobreviventes, todos voltaremos atenção para reorganização de agendas profissionais e sobretudo de avaliação concreta dos danos sofridos neste período, ainda de duração indefinida.

Uma primeira recomendação é redobrar o cuidado com as marcas. Em ambientes de suposta terra arrasada, aparecem aqueles que tentam se apropriar do patrimônio de outros. Na confusão, o propósito é ganhar em cima da capacidade de quem investiu, por anos, na construção de valor e reputação de marcas.

Junto à vigilância, precisaremos nos valer da jurisprudência para por ordem nestas possíveis disputas.

Um caso recentemente julgado pelo STJ exemplifica como esses cuidados são importantes.

Conforme noticiado em mídia oficial, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou a tese de que, sendo a marca o termo central do nome da empresa acusada de violação, o prazo de prescrição deveria ser contado da data do registro deste último na Junta Comercial. Isso significa que a pretensão de abstenção de uso de marca para comercialização de bens tem prazo prescricional deflagrado a partir da data em que a violação foi conhecida.

Muito comum a confusão entre os conceitos de nome comercial e marca e a proteção atinente a cada um deles, são constantes as disputas envolvendo empresas onde uma detêm a marca e outra o nome comercial. A confusão dos conceitos atinge também a interpretação relativa ao prazo prescricional para discussão.

“Os regramentos de nome empresarial e marca não se confundem”, afirmou o ministro Marco Aurélio Bellizze, relator do recurso julgado: enquanto a marca identifica o produto ou serviço, o nome identifica o ente social.

A proteção do nome comercial advém do registro da Junta Comercial Estadual e abrange a utilização Estadual, enquanto o registro da marca requer concessão pelo Instituto Nacional de Propriedade Intelectual – INPI e abrange o território Nacional.

Com a decisão, informa a mídia do STJ, a turma negou provimento ao recurso de duas empresas de um mesmo grupo econômico de Minas Gerais, condenadas a não utilizar em seus produtos a marca registrada anteriormente por outra empresa do mesmo ramo no Rio Grande do Sul.

O caso é relevante porque a parte derrotada insistiu, por anos, em se valer do registro de seus atos constitutivos na Junta Comercial local, para justificar a utilização da marca registrada por terceiros, que, de fato, não lhe pertencia.

Nossas cortes estão – em seus escanos cada vez mais digitais – cada vez cheios de casos envolvendo disputas por uso indevido de marca registrada e até desvio de clientela, levando as empresas a ter de investir não só no registro como também na proteção acirrada de suas marcas.

Mariana Hamar Valverde Godoy

Leia o acórdão

REsp1719131

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais