Decreto Paulista Que Majora Custo Das Licenças Ambientais é Duramente Questionado na Justiça

0

O Estado de São Paulo, por meio do Decreto Estadual nº 64.512/2019, modificou a Lei Estadual nº 997/76, sendo que, principalmente, foram alteradas as formas de cálculo da taxa de renovação e expedição das licenças ambientais; as quais estão sendo julgadas ilegais e inconstitucionais pelo Tribunal de Justiça de São Paulo.

As modificações estão ligadas à composição da base de cálculo e a sistemática de apuração, que trouxeram “novo conceito de área integral de fonte de poluição”, que abrange não apenas a área com potencial poluidor, mas também a área construída do empreendimento e atividade ao ar livre, e isto por metro quadrado.

Ou seja, mesmo que a área que não tenha qualquer potencial de dano ambiental passou a ser indevidamente considerada para fins de cálculo e composição da base tributável.

Inclusive, a Lei estadual nº 997/1976, conforme atualizada, define os conceitos de “fontes de poluição” e não leva em consideração as atividades desempenhadas ao ar livre. Nesse sentido, o TJ/SP entende que “há manifesta crise de legalidade” pela alteração da lei por meio decreto (1001005-80.2020.8.26.0053).

Assim, entendemos que a majoração da taxa é ilegal e deve ser questionada judicialmente, inclusive com pedidos liminares, sendo que há precedentes sólidos, recorrentes e favoráveis aos interesses das empresas.

 

Artigo escrito pelo Luiz Roberto Braga da Silva, sócio da área tributária do escritório Pazzoto, Pisciotta & Belo Sociedade de Advogados.

 

Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais