Deputado afirma que Reforma Tributária tem tudo para ser aprovada, mas não é a ideal

0

Embora o governo afirme que não haverá aumento de arrecadação, especialistas afirmam que muitos setores pagarão mais, sim. Além do aumento expressivo de custos contábeis e de gestão tributária para mais de 3 milhões de empresas.

A Proposta de Reforma Tributária do Governo que unifica os impostos federais PIS e COFINS na nova CBS (Contribuição sobre operações com Bens e Serviços) aumentará ainda mais a burocracia no momento de gerir os tributos, onerando as empresas que tenderão a embutir estes custos em seus produtos ou serviços ou a perderem margens e lucratividade, já afetada pela própria pandemia.

A avaliação foi feita pelo Deputado Federal Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PSL-SP) em Live intermediada pelo consultor tributarista e CEO da ROIT Consultoria e Contabilidade, Lucas Ribeiro.

Segundo o parlamentar, o projeto de lei tem grandes chances de ser aprovado rapidamente devido a força política que o envolve, mas está longe de ser a melhor proposta para o Brasil.

A PEC estabelece a CBS de forma não cumulativa para todas as empresas, exceto as do Simples Nacional, com alíquota de 12% de crédito nas aquisições e 12% de débitos nas saídas, sobre a receita bruta, em substituição ao PIS e a COFINS.

PRODUTOS E SERVIÇOS MAIS CAROS PARA O CONSUMIDOR

Para o Deputado Federal, o fato da CBS estabelecer uma dinâmica peculiar de créditos tributários nas entradas (aquisições) e de débitos nas saídas (vendas) encarecerá os preços de produtos e serviços para o consumidor final. Isso porque, na prática, o empresário terá que arcar com estes custos durante toda a cadeia produtiva e esperar que a Receita Federal devolva os créditos gerados neste processo.

Isso sem contar que a alíquota da CBS será de 12%, um aumento significativo da carga tributária para muitas empresas que antes tinham alíquotas totais de PIS e COFINS de 3,65%, em regime cumulativo, sem créditos.

Além disso, o empresário também gastará mais com honorários contábeis para gerir todos estes tributos e este custo adicional certamente será repassado para o consumidor ou consumirá a lucratividade de muitas empresas.

De acordo com um levantamento realizado pela ROIT, calcula-se que os empresários poderão gastar cerca de R$ 400 bilhões a mais, por ano, do que gastam atualmente com serviços de contabilidade e gestão tributária para se adequarem ao que pretende ser a nova realidade tributária brasileira, para poderem, obviamente, terem economias e viabilidade tributária no Lucro Real. E a conta é simples, são cerca de 3,4 milhões de empresas em Lucro Presumido, que passarão a gastar R$ 9 a R$ 10 mil reais a mais por mês, 13 parcelas ao ano, e assim temos cerca de R$ 400 bilhões de custos ao ano.

“Essas empresas em Lucro Presumido atualmente terão que controlar todas as entradas e saídas, coisa que não fazem atualmente, com todo o rigor necessário. Por isso, serão forçadas a contratar mais pessoas ou contabilidades especializadas para esta gestão. Além da carga tributária se inviabilizar no Lucro Presumido, reduzindo margens e lucratividade que justificarão um investimento maior em honorários, para reduzirem a carga tributária ou, ao menos, garantirem a mesma carga tributária atual, antes da reforma”, explicou Lucas Ribeiro.

Mas o cenário, ainda assim, não é dos melhores. Os profissionais e contabilidades não estão preparados para realizar este controle, podendo errar e causar prejuízos às empresas. “Para acompanhar a mudança, eles terão que investir em qualificação e automatização, outro gasto não previsto”, concluiu Ribeiro.

SIMPLES NACIONAL TENDE A FICAR MENOS VANTAJOSO COM A NOVA REFORMA

O evento online também debateu a situação do regime do Simples Nacional, que se tornará menos viável ao longo do tempo caso a CBS seja aprovada. Isso porque as empresas enquadradas neste regime, ao comercializarem seus produtos e serviços, só gerarão créditos de CBS sobre o valor efetivamente pago, bem inferior aos 12%. Por exemplo: Se uma empresa for comprar de outra empresa, em um cenário de preços iguais, ela certamente optará por empresas de outros regimes fora o Simples, que gerarão créditos na entrada para ela a 12%. Isso porque será preciso diminuir o efeito do crédito na saída. Sendo assim, a tendência é que o Simples seja naturalmente desincentivado.

PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL 07/2020

O parlamentar defendeu a desoneração completa da cadeia produtiva do Brasil, nos moldes do sistema tributário norte-americano. Para ele, isso tornaria o país mais eficiente, não só sob a ótica tributária, mas principalmente sobre o aspecto burocrático.

Seriam estabelecidas apenas três classes de impostos (sobre renda, consumo e propriedade), que poderiam ser cobrados, ao mesmo tempo, por União, Estados, Distrito Federal e Municípios, mas apenas dos consumidores finais, levando a zero a tributação existente entre empresas. “O objetivo principal é fortalecer a classe média brasileira, estimulando o consumo e atraindo assim investidores externos”, completou Bragança.

O Deputado Federal Luiz Philippe de Orleans e Bragança é autor da PEC 07/20, que está sob avaliação da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara. Uma PEC transformadora e revolucionária para o Brasil, segundo Lucas Ribeiro.

A Live “Transformação do PIS/COFINS em CBS”  está disponível em: https://youtu.be/TgE-skcH5QA

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais