Documentário denuncia a violência obstétrica no Norte de Minas

0

Os relatos de dor, traumas e violações de direitos no parto de mulheres quilombolas, vazanteiras e pescadoras de Januária são mostrados em “Mulheres que geram: entre a dor e a violência no parto”. O documentário será lançado no dia 1º de julho, às 19h, nas redes sociais da Cáritas Minas Gerais.

Sentir dor é algo natural ao trazer uma vida ao mundo, no entanto é possível que este momento tão importante na vida das mulheres não seja marcado por traumas. Diferenciar a dor natural de uma violência faz parte de um processo de autoconhecimento e clareza de direitos. No município de Januária, no Norte de Minas Gerais, mulheres quilombolas, vazanteiras e pescadoras denunciam a violência obstétrica em relatos de dor, traumas e violações de direitos. É o que mostra o documentário “Mulheres que geram: entre a dor e a violência no parto”, que será lançado no dia 1º de julho, às 19h, no Facebook e Youtube da Cáritas Regional Minas Gerais.

Para o lançamento, será realizada uma conversa ao vivo sobre “Violência no parto e iniciativas para combater essa realidade”, com a participação da pescadora e quilombola do município de Januária, Maria das Dores Pereira da Silva; a enfermeira obstetra e doutora em Saúde da Mulher e da Criança, Sybille Vogt; e a médica ginecologista e obstetra pelo Hospital Sofia Feldman, em Belo Horizonte, Raíza Aguiar. A live será mediada pela educadora social do CRDH Norte, a psicóloga Luciana Canela.

No município, são inúmeros e conhecidos os casos de violência obstétrica, entretanto muitas mulheres desconhecem seus direitos nesses casos. É preciso ouvir, é preciso falar e denunciar as situações violentas a que mulheres são submetidas diariamente. Foi a partir desse processo, que o Centro de Referência em Direitos Humanos – CRDH Norte, reuniu no documentário uma série de relatos de mulheres e suas experiências com o parto.

O trabalho surgiu a partir da participação do CRDH Norte em uma reunião com comunidades quilombolas e pescadoras no município vizinho de Pedras de Maria da Cruz. Na pauta da reunião, estavam questões relacionadas à infraestrutura, como necessidade de melhoria da estrada e garantia de transporte escolar seguro. Porém, um assunto chamou à atenção da equipe: entre uma conversa e outra, muitos relatos de mulheres vítimas de violência durante o parto e de recém-nascidos que vieram a óbito sem que a família recebesse explicações plausíveis.

Desde então, o CRDH Norte se empenhou em realizar, junto às mulheres quilombolas e pescadoras da região de Januária e Pedras de Maria da Cruz, uma atividade que discutisse a humanização dos partos, o combate à violência obstétrica e os direitos das mulheres gestantes, parturientes e puérperas. “Mulheres que geram: entre a dor e a violência no parto” se soma a outras ações de enfrentamento à violência obstétrica buscando denunciar, conscientizar e discutir o tema. Para que histórias com as documentadas não se repitam.

CRDH Norte

O Centro de Referência em Direitos Humanos – CRDH Norte é um projeto executado pela Cáritas Brasileira Regional Minas Gerais em parceria com o Governo do Estado de Minas Gerais, através da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese), e conta com o apoio da Cáritas Arquidiocesana de Montes Claros.

O CRDH Norte atua na promoção e proteção dos direitos humanos, através da construção de estratégias que fortaleçam a participação social e combatam as violações de direitos. O serviço vem atuando no acompanhamento e monitoramento das demandas de grupos sociais diversificados, desde categorias étnico raciais, até movimentos sociais e coletivos organizados.

Serviço:

O que: Lançamento do documentário “Mulheres que geram: entre a dor e a violência no parto”

Quando: 01/07/2020 – às 19h

Onde: Facebook e YouTube @caritasmg

Mais informações: Felipe Amaral, agente de ação social do CRDH Norte – (38) 99187-7937

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais