ESC pode salvar pequenos negócios ao oferecer crédito acessível em meio à pandemia

0

Empresas Simples de Crédito oferecem empréstimos com menores taxas para MEI, Micro e Pequenas empresas

Por Izabela Rücker Curi Bertoncello

As Empresas Simples de Crédito (ESC) podem ser uma alternativa acessível para os micro e pequenos negócios ao tentar minimizar os impactos da crise econômica causada pela pandemia do coronavírus e a paralisação das atividades. Além disso, apresentam-se como uma oportunidade para pessoas físicas diversificarem o investimento do seu capital e alcançarem maior rendimento ao oferecerem empréstimos para empresários em busca de crédito no mercado. É uma lógica de ganha-ganha neste momento.

Em franco crescimento, as ESC são constituídas por pessoas físicas que oferecem crédito a pessoas jurídicas, mais especificamente, microempreendedores individuais, micro e pequenas empresas. Até meados de março, o Sebrae contabilizava 613 empresas nesta modalidade no Brasil, sendo a maioria em São Paulo, epicentro da epidemia no país. A expectativa para 2020 é de que mais mil delas surjam no mercado.

Isso se deve ao fato de a abertura de uma ESC ter se mostrado rápida, fácil e não custosa, como costumava ser a constituição de empresas. Em poucos dias, é possível iniciar a operação e realizar empréstimos a terceiros (sem captação de recursos, porque esta é uma das exigências legais que caracterizam esse tipo empresarial).

Neste contexto, elas se apresentam como mais uma alternativa para busca de crédito por parte das micro e pequenas empresas. Com a paralisação das atividades, o Governo Federal adotou uma série de medidas para salvar os pequenos negócios, como deixar de exigir os depósitos compulsórios, permitindo aos bancos a concessão de empréstimos a juros menores, além da flexibilização das regras das LCA (Letras de Crédito do Agronegócio). No mesmo sentido, o BNDES anunciou a injeção imediata de capital na economia de R$ 55 bilhões, dos quais R$ 5 bi são destinados a linhas de crédito para micro, pequenas e médias empresas com carência de 24 meses e prazo total de pagamento de 60 meses.

A questão até aqui é que a taxa de juros poderá vir a ser muito menor do que a de costume, mas, tendo os bancos como intermediários dos empréstimos, poderão ser adicionados spreads e outras taxas, além dos juros oferecidos pelo BNDES. Com isso, somente a prática observada nos próximos dias dirá qual será o custo efetivo final dos novos empréstimos. E é aí que entram as ESC, na análise e oferta de custos finais menores, uma vez que elas não têm intermediários, seu custo operacional é menor, e daí por diante.

O fato é que, por enquanto, o Governo Federal focou-se em medidas direcionadas aos grandes bancos e ao BNDES e, tendo isso em vista, os empresários precisam de novas alternativas para sobreviver à crise que pode durar meses.

No Brasil, são cerca de 6,8 milhões de estabelecimentos que se enquadram como pequenos negócios e, destes, 99% são micro e pequenas empresas, de acordo com Sebrae, e que ainda enfrentam dificuldade na aquisição de crédito. Apesar dos esforços do poder público para manter a roda da economia girando, a sociedade também tem seu papel neste momento, principalmente, no estímulo à sustentabilidade da economia local.

IZABELA RÜCKER CURI BERTONCELLO é advogada empresarial, sócia-fundadora do escritório Rücker Curi, especialista em contratos e em negociação por Harvard.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais