FINANÇAS – Endividamento das empresas junto aos bancos deve aumentar

0

Só no segundo trimestre, elas devem aumentar em mais de 30% em razão dos efeitos econômicos da pandemia pela Covid-19. Mas existem R$ 1 trilhão de dívidas não-pagas aos bancos no Brasil que foram acumuladas ao longo dos últimos 15 anos. Em Goiânia, surge a primeira empresa do Centro-Oeste voltada ao mercado de aquisição de ativos estressados

Os cinco maiores bancos do País (Itaú; Bradesco; Santander; Banco do Brasil; Caixa Econômica Federal) reservaram mais de R$ 30 bilhões para cobrir potenciais perdas com devedores duvidosos no 1º trimestre de 2020. É o 2º maior valor já registrado num trimestre, segundo levantamento da Economática. O valor é R$ 10 bilhões maior do que igual período em 2019.

Esses montantes são registrados na chamada PDD (Provisão para Devedores Duvidosos) – uma espécie de “fundo” que os bancos deixam reservado para se proteger em caso de possíveis calotes de seus clientes. No 1ª trimestre, o Itaú Unibanco lidera como o banco com maior o provisionamento: R$ 10,8 bilhões. Em seguida aparecem Bradesco (R$ 7,3 bilhões), Banco do Brasil (R$ 6,6 bilhões), Santander (R$ 3,5 bilhões) e posteriormente Caixa Econômica Federal.

Devido a pandemia do COVID-19, o Banco Central estima queda de 5,12% do PIB brasileiro para o ano de 2020, conforme recente levantamento do Banco Central junto a economistas de várias instituições financeiras. Algumas destas possuem previsão mais alarmante, e estimam que a queda do PIB pode chegar a 8%.

“O provisionamento dos bancos no Brasil para Devedores Duvidosos deverá saltar para R$ 40 bilhões no 2º trimestre de 2020, uma vez que pequenas, médias e grandes empresas de todo o país estão entrando em colapso financeiro. A quantidade de pedidos de Recuperação Judicial no período de 12 meses entre julho/2020 a julho/2021 pode chegar a 5 mil empresas, o que continuará a impactar no provisionamento dos bancos” calcula Cidinaldo Boschini, especialista em Recuperação Judicial de empresas, sócio-diretor da Cronos Capital.

Atentos a essa movimentação de mercado, Cidinaldo Boschini e um grupo de sócios fundaram a primeira empresa de investimentos do Centro-Oeste especializada na negociação e compra de ativos estressados, créditos não performados (Non Performing Loan – NPL) junto a instituições financeiras privadas, a Cronos Capital.

O foco da Cronos Capital é a compra de créditos não performados (dívidas) de instituições financeira privadas, que tenham alguma garantia, de preferência de bem imóveis. “O nosso objetivo é gerar valor, tanto os bancos privados que receberão parte de um crédito tido como perdido, como para o devedor pessoa física ou pessoa jurídica que tem uma nova chance de renegociar seu débito e se reestruturar financeiramente, assim como pagar a Cronos Capital com um imóvel”, diz Cidinaldo.

Com apenas 12 meses de operações, a Cronos Capital já realizou negócios de mais de R$ 40 milhões e a previsão é quase que triplicar esse valor nos próximos 12 meses. “Esperamos chegar até o fim do ano de 2020 com carteira superior a R$ 100 milhões de ativos estressados. As operações são feitas com capital próprio”, revela Cidinaldo.

O tamanho do mercado de dívidas em aberto no Brasil – de pessoas físicas e empresas no Brasil – é estimada em cerca de R$ 600 bilhões, mas, se considerados os débitos acumulados nos últimos 15 anos, chega a quase R$ 1 trilhão, segundo dados do Banco Central.

 

*Time Multidisciplinar*

Com sede em Goiânia-GO, a empresa atua em todo Brasil e possui parceria com as maiores empresas deste mercado de NPL. Cidinaldo Boschini revela que apesar do grande potencial, ainda é pequeno no Brasil o número de empresas especializadas na compra de crédito não performado, especialmente com foco em ativos imobiliários. “Também compramos imóveis de pessoas físicas ou jurídicas que estejam com dificuldades financeiras e precisam de liquidez”.

A opção em trabalhar com a compra de dívidas que tenham imóveis como garantia se dá pela expertise acumulada pelos sócios da Cronos. Além de Cidinaldo Boschini, que é empreendedor serial e especialista em Recuperação Judicial de empresas, onde já renegociou mais de R$ 15 bilhões de dívidas ao longo dos últimos 15 anos; integram o corpo societário da empresa Pedro Toledo França que juntamente com Thiago Castro, fazem parte da 2º geração do grupo familiar Joule, onde possuem participação em projetos imobiliários como o Hospital Órion, shopping centers, incorporações e loteamentos e, por fim, Felipe Pinho, outro player experiente do setor imobiliário, conselheiro do Secovicred, 2º geração da Tropical Urbanismo, tendo seu grupo familiar desenvolvido diversos projetos imobiliários no Centro-Oeste, como o Hospital Órion, shoppings centers, incorporações e loteamentos.

“Investir nesse segmento de ativos estressados requer um conjunto complexo de habilidades e estratégias. Fazemos uma avaliação profunda de cada ativo, análise esta jurídica, mercadológica, econômica e financeira. Possuímos um entrosamento e confiança muito grande dentro da sociedade, uma vez que já possuíamos outros negócios desenvolvidos em conjunto, o que faz toda a diferença em nosso negócio”, conta Pedro França, um dos sócios da Cronos.

Cidinaldo Boschini
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais