Garantindo a segurança dos dados sob uma visão estratégica do TI

0

Se consolidar setores tecnológicos e aproveitar suas contribuições práticas são objetivos cada vez mais comuns, é necessário implementar uma nova concepção estratégica sobre o papel do TI nesse cenário

A discussão em torno da transformação digital e suas consequências para a realidade operacional das organizações não para de ganhar novos e decisivos elementos. Seja pela construção de possibilidades inovadoras através de ferramentas assertivas, ou pelo contexto mutável e que atualmente, representa um momento de instabilidade e falta de certeza sobre os meses que virão. Entre os obstáculos de se adaptar à pandemia global de COVID-19, o modo como as empresas lidam com o fluxo e armazenamento de suas informações carece de uma atenção especial por parte de líderes e gestores, independentemente do segmento ou porte de negócio.

Na teoria, a resolução de uma cultura de dados orientada à Tecnologia da Informação mostra-se fundamental e extremamente frutífera, rendendo benefícios inquestionáveis, como a redução de custos e o aumento da produtividade. Antes de vislumbrar essas probabilidades que de fato, poderão ser concretizadas, é essencial encontrar métodos de se sustentar uma infraestrutura sólida, bem como profissionais capacitados para garantir a funcionalidade digital.

Segurança é palavra-chave nesse processo. Sem ela, é impossível sequer projetar resultados satisfatórios. Em tempos onde o número de ataques cibernéticos assusta e a privacidade e conformidade de informações pessoais são componentes que habitam o campo fiscal, renegar esse aspecto é flertar com um perigo desnecessário. Pensando nisso, preparei um artigo completo sobre o tema. Acompanhe!

 

Como você enxerga os dados?

Uma quantidade elevada de informações disseminadas, repassadas, depositadas em sistemas manuais e totalmente entregues a procedimentos duvidosos. Há um tempo atrás, talvez realidades como essa fossem aceitáveis, dada à mentalidade e a falta de suporte tecnológico. Tão importante quanto adotar soluções digitais, é transformar essa visão sobre um objeto que hoje é determinante para o andamento de qualquer empresa. Dados são aditivos de valor e possuem uma lista enriquecedora de utilidades e finalidades.

Se não atribuímos a devida importância à presença informacional, é pouco provável que liguemos para sua segurança, não é? Por isso, o primeiro passo é compreender a relevância de cada dado e como ele está sendo conduzido pelos métodos de trabalho selecionados. Dessa forma, podemos levantar possibilidades e identificar pontos de atenção que sirvam para simplificar e denotar assertividade às atividades.

 

Qual é o papel do TI?

Se antes, executivos enxergavam o departamento de TI como um setor descartável, de pouco impacto efetivo e até como um gasto desnecessário, o mercado fez questão de forçar uma remodelação desse pensamento, que já não corresponde ao mundo que vivemos. As pessoas, em termos gerais, estão interligadas por redes e mídias sociais, e dentro desse vasto universo da web, questionamentos sobre privacidade, transparência e conformidade quanto ao uso de dados tem redirecionado a maneira como as companhias se comportam, já que estão inseridas diretamente nesse contexto.

Não por acaso, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) foi formulada para contemplar e assegurar a integridade de informações pessoais obtidas pelas empresas. Apesar de postergada pelo Senado Federal, a expectativa é de que a lei entre em vigor a curto ou médio prazo. Se preparar para as normas previstas no texto referente à na nova legislação sem o protagonismo do TI pode ser um chamariz para problemas fiscais. Para se ter uma dimensão, multas e sanções milionárias são meios de punição encontrados na LGPD.

 

Tecnologia é ferramenta de evolução

Os efeitos práticos de uma equipe de TI fortificada e prestigiada refletem na empresa como um todo. Com plataformas digitais responsáveis pelo estoque e condução de informações, profissionais serão redirecionados para tarefas mais complexas e de cunho estratégico, deixando ações exaustivas para a máquina. Além disso, a chance de erros críticos e falhas propensas ao vazamento de dados será minimizada, diminuindo o risco de ameaças cibernéticas. Não se trata de substituir o material humano, mas de valorizá-lo com o pretexto indispensável de segurança informacional. É o simples ato de unir o que há de melhor dos dois mundos.

A forma como lidamos com departamentos de TI passa muito por essa desmistificação. Geralmente, empresas alheias ao fenômeno da transformação digital não possuem um parâmetro fiel sobre o tópico, caindo no senso comum de ideias retrógradas e pouco verossímeis. Felizmente, o entendimento sobre a segurança dos dados tem crescido no Brasil e no mundo, e é uma ótima porta de entrada para que a Tecnologia da Informação atinja seu real propósito; em prol única e exclusivamente do crescimento de todos, e claro, das empresas.

Sua empresa está preparada para garantir a segurança dos dados? Participe do debate e faça essa reflexão!

 

*Everton Moreira é CEO da Avanter. Tecnologia aliada ao crescimento das companhias, a Avanter é mais que um parceiro tecnológico. Com sólidos conhecimentos e experiência em operações de missão crítica, a empresa participa tanto do lado da sustentação tecnológica quanto do planejamento estratégico de seus clientes, levando a tecnologia como ferramenta de evolução. Atua com quatro frentes: Infraestrutura, Telecom, E-commerce e Aplicativos, além disso mantém uma matriz em São Paulo e filial em Florianópolis, um dos polos tecnológicos do Brasil.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais