Justiça Federal cancela termo de arrolamento de Empresa de forma inédita

0

Em decisão inédita, a Marpa Gestão Tributária realizou a  conquista da retirada de um termo de arrolamento de bens e direitos de uma empresa de intermediação de negócios.

A 13ª Vara Federal de Porto Alegre/RS proferiu, recentemente, uma sentença definitiva a qual obriga a Receita Federal cancelar o termo de arrolamento fiscal de bens e direitos imputados a uma empresa de intermediação de negócios e seus sócios. A conquista se realizou através da Marpa Gestão Tributária.

Segundo o advogado tributarista e sócio diretor jurídico da Marpa Gestão Tributária, Dr. Eduardo Bitello. “A conquista foi mediante o débito da empresa não exceder a 30% do seu patrimônio conhecido, que é um requisito essencial para a Receita realizar arrolamento de bens da empresa”, afirma.

Dr. Eduardo complementa que “O arrolamento de bens e direitos se constitui em um ato administrativo realizado pela Receita Federal a fim de acompanhar o patrimônio do contribuinte para garantir o crédito tributário, a qual, depois de efetivado, impede a empresa de conseguir realizar operação mercantil no mercado, por isso é importante analisar o termo de forma minuciosa para apurar possíveis arbitrariedades.”, disse.

Em relação aos sócios, o Juiz Federal, Ricardo Nuske, entendeu que não há razoabilidade de que sejam mantidos os demais arrolamentos incidentes sobre os bens e direitos dos sócios e diretores e das demais empresas tidas como responsáveis, isso porque a IN nº 1.565/15 prevê que o arrolamento sobre bens e direitos dos responsáveis é medida que só tem aplicabilidade na hipótese do patrimônio do contribuinte não ser suficiente para satisfazer do crédito tributário.

Desta forma, o contribuinte e os sócios que tiveram arrolados seus bens pela Receita Federal devem revisar para verificar prováveis ilegalidades a fim de ingressar em juízo e pleitear o cancelamento do termo de arrolamento. Assim, conseguir realizar seus negócios empresariais normalmente, haja vista que embora o arrolamento não impeça a venda e negócios dos bens arrolados na teoria, mas na prática sim.

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais