“Marca sem registro não tem dono!”, afirma presidente de empresa especializada em marcas e patentes

0

As marcas que não possuem registro oficial junto ao Instituto da Propriedade Industrial – INPI correm o risco de serem apropriadas por terceiros, conforme aponta o presidente do Grupo Marpa – Marcas, Patentes, Inovações e Gestão Tributária, Valdomiro Soares.

É muito comum que os empresários, quando pensam criar o seu próprio negócio, não pensem exatamente em todos os processos necessários para isso acontecer. Um exemplo é a garantia da proteção da marca, pois é somente com ele que a empresa poderá ser totalmente consolidada no mercado. Sem o registro junto ao Instituto da Propriedade Industrial – INPI essas marcas podem ser concedidas a terceiros e trazer perdas irreparáveis.

Segundo o presidente do Grupo Marpa – Marcas, Patentes, Inovações e Gestão Tributária, Valdomiro Soares, uma marca só pertence ao empresário que a usa se o mesmo obtém o registro junto ao órgão competente. “Uma marca sem o devido registro fica totalmente vulnerável podendo ser requisitada por outro. O registro da marca vai muito além de trazer a segurança para o patrimônio empresarial, já que a mesma devidamente registrada agrega valor aos serviços e produtos comercializados. Muitos empreendedores já notaram este fato, com isso a procura pelo registro de marcas aumentou consideravelmente nos últimos anos”, analisa.

Uma marca sem o registro oficializado ou tendo a nomenclatura requisitada por outro pode ter onerações judiciais altas. Soares também destaca a importância do registro para consolidar a marca no mercado. “A marca é muito importante para o negócio, pois é através dela que se cria vínculos profundos e conecta-se de forma mais assertiva com o público. Com isso, fideliza e facilita as decisões de uso e compra dos produtos e serviços oferecidos pela mesma”, conclui.

Dentre os problemas enfrentados por uma marca sem registro estão: impossibilidade de crescimento, problemas na justiça, perda de competitividade, confusão na decisão de compra do público e a utilização da marca por terceiros.

Julgamento Caso Kiss: para Promotor aposentado não houve dolo no caso da boate Kiss
Clique Aqui e Saiba Mais!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais