O que é apropriação indébita?

No âmbito do ordenamento jurídico brasileiro, o Código Penal contraria o ditado popular “achado não é roubado” e enquadra aquele (a) que assim age no crime de apropriação indébita.

Apropriação indébita é o mesmo que tomar para si algo que é de outra pessoa ou obter alguma vantagem (financeira ou não) sobre uma coisa pertencente a sujeito alheio.

Em ambas as situações, o crivo normativo firmado pelo Código Penal (CP) no Brasil, indica que cada uma das práticas configura um delito. E, nesse caso, a apropriação indébita insere-se no rol “dos crimes contra o patrimônio”.

Do artigo 168 ao 170, o CP descreve as espécies de apropriação indébita da seguinte forma:

 

  • Apropriação indébita simples (artigo 168) – Apropriar-se de coisa alheia móvel, de que tem a posse ou a detenção […]”.

Para esse crime, a pena prevista é a de “reclusão, de um a quatro anos, e multa”. Contudo, o parágrafo 1°, incisos I, II e III, aponta que ela poderá sofrer aumento “[…] de um terço […]”, nas ocasiões qualificadas (consideradas como agravamento) em que “[…] o agente recebeu a coisa: […] em depósito necessário; […] na qualidade de tutor, curador, síndico, liquidatário, inventariante, testamenteiro ou depositário judicial; e […] em razão de ofício, emprego ou profissão.

 

  • Apropriação indébita previdenciária (artigo 168-A) – “Deixar de repassar à previdência social as contribuições recolhidas dos contribuintes, no prazo e forma legal ou convencional […]”[1].

                     A sanção que se impõe, aqui, é a aplicação de “multa” e mais o cumprimento de prisão em regime de “reclusão” por “dois a cinco anos”. Há de ressaltar que essa penalidade se aplica, conforme o parágrafo 1°, a “[…] quem deixar de: […] recolher, no prazo legal, contribuição ou outra importância destinada à previdência social que tenha sido descontada de pagamento efetuado a segurados, a terceiros ou arrecadada do público; […] recolher contribuições devidas à previdência social que tenham integrado despesas contábeis ou custos relativos à venda de produtos ou à prestação de serviços; e […] pagar benefício devido a segurado, quando as respectivas cotas ou valores já tiverem sido reembolsados à empresa pela previdência social”.

 

  • Apropriação de coisa havida por erro, caso fortuito ou força da natureza (artigo 169) – este artigo traz três espécies de apropriação indébita. A pena mencionada para todas elas é a de “[…] detenção, de um mês a um ano, ou multa”.

                     O crime referido no caput deste dispositivo legal é o de, apropriar-se alguém de coisa alheia vinda ao seu poder por erro, caso fortuito ou força da natureza […]”. Exemplo: incorre neste delito, por exemplo, quem encontra um celular ao andar pela rua (ou mesmo em meio a uma corrida de carro solicitada aplicativo móvel) e não devolve à pessoa que detém a propriedade do aparelho.

 

O parágrafo único, inciso I, destaca o crime de “apropriação de tesouro”. Ele ocorre quando “[…] quem acha tesouro em prédio alheio […] se apropria, no todo ou em parte, da quota a que tem direito o proprietário do prédio”. O inciso II, do mesmo parágrafo, fala sobre a “apropriação de coisa achada”, a qual se materializa no ato daquele que “[…] acha coisa alheia perdida e dela se apropria, total ou parcialmente, […]” e acaba por não “[…] restituí-la ao dono ou legítimo possuidor ou de entregá-la à autoridade competente, dentro no prazo de quinze dias”.

 

Aos cinco tipos penais relacionados à apropriação indébita, o CP afirma que cabe a observância do que vem contido no artigo 155, parágrafo 2°:

 

Art. 155 – Subtrair, para si ou para outrem, coisa alheia móvel:

 

  • 2º – Se o criminoso é primário, e é de pequeno valor a coisa furtada, o juiz pode substituir a pena de reclusão pela de detenção, diminuí-la de um a dois terços, ou aplicar somente a pena de multa.

 

Em relação ao disposto no artigo supracitado, incide ainda, o atendimento favorável às circunstâncias judiciais elencadas no artigo 59, caput, do CP: “culpabilidade, […] antecedentes, […] conduta social, […] personalidade do agente, […] motivos, circunstâncias e consequências do crime, bem como […]” o “[…] comportamento da vítima”.

Captura de tela 2022 05 16 135925

  Fonte da imagem: Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios

Existe diferença entre apropriação indébita e furto?

Apesar de ambos os crimes envolverem, em seu foco de ação, uma coisa que seja de outra pessoa, eles se diferem em diversos aspectos.

Conforme explanado anteriormente neste artigo, a apropriação indébita pressupõe que o indivíduo que comete o delito (o agente ativo) tem a posse da coisa. Já no furto, quem praticou o ato não detém a posse da rés. Ou seja, houve a subtração de algo sem a anuência da pessoa que tem a evidente propriedade da coisa (o sujeito passivo da ação).

Lembrando: o furto será “qualificado” no caso de, no momento do crime, o agente empregar “[…] destruição ou rompimento de obstáculo à subtração da coisa; […] abuso de confiança, ou mediante fraude, escalada ou destreza; […] emprego de chave falsa e […] mediante concurso de duas ou mais pessoas”, tal como preceitua, respectivamente, o artigo 155, parágrafo 4°, incisos I ao IV, do CP.

 

Entendimento jurisprudencial sobre apropriação indébita e suas espécies

Ementa 1: APELAÇÃO CRIMINAL. APROPRIAÇÃO INDÉBITA. PRESCRIÇÃO OPERADA. EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE. RECURSO PREJUDICADO. OBSERVA-SE QUE ENTRE A DATA DO FATO 10/10/2008 E DO RECEBIMENTO DO DENÚNCIA – 20/03/2015 (EVENTO 3 – PROCJUDIC2 – FL. 03). TRANSCORREU LAPSO TEMPORAL DE MAIS DE 04 (QUATRO) ANOS E NÃO HÁ RECURSO DO MINISTÉRIO PÚBLICO, O QUE SIGNIFICA QUE A PENA NÃO PODE SER AUMENTADA. CONSIDERANDO QUE O RÉU FOI CONDENADO A PENA DE 01 (UM) ANO DE RECLUSÃO E QUE O PRAZO PRESCRICIONAL SE REGULA PELA PENA APLICADA NA SENTENÇA CONDENATÓRIA, A TEOR DO ARTIGO 109, INCISO V, DO CÓDIGO PENAL, PRESCREVE EM QUATRO ANOS, TRANSCORRIDO ESTE LAPSO ENTRE A DATA DO FATO E DO RECEBIMENTO DA DENÚNCIA, CONFORME A LEI N.º 12.234/2010 E O ARTIGO 117, INCISO I, DO CÓDIGO PENAL. CONSTATA-SE, PORTANTO, QUE SE OPEROU A EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE PELA PRESCRIÇÃO. ASSIM, É DE SER DECLARADA EXTINTA A PUNIBILIDADE DO ACUSADO, PELA PRESCRIÇÃO DA PRETENSÃO PUNITIVA DO ESTADO, COM BASE NO ARTIGO 109, INCISO V E ARTIGO 117, INCISO I, TODOS DO CÓDIGO PENAL, RESTANDO PREJUDICADA A ANÁLISE DO MÉRITO DA APELAÇÃO. DECLARADA EXTINTA A PUNIBILIDADE PELA PRESCRIÇÃO DA PRETENSÃO PUNITIVA DO ESTADO. (Apelação Criminal, Nº 50003268420148210045, Quinta Câmara Criminal, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Volnei dos Santos Coelho, Julgado em: 31-03-2022)

(grifo nosso)

 

Na ementa acima, observa-se um importante aspecto relacionado ao crime de apropriação indébita: a prescrição. A possibilidade de punir o agente ativo poderá prescrever (e, portanto, abortar a punibilidade) caso se, antes da sentença transitar em julgado, incidir um dos prazos existentes no artigo 109, incisos I ao VI, do CP: “[…] vinte anos, se o máximo da pena é superior a doze; […] dezesseis anos, se o máximo da pena é superior a oito anos e não excede a doze; […] doze anos, se o máximo da pena é superior a quatro anos e não excede a oito; […] oito anos, se o máximo da pena é superior a dois anos e não excede a quatro; […] quatro anos, se o máximo da pena é igual a um ano ou, sendo superior, não excede a dois; e […] 3 (três) anos, se o máximo da pena é inferior a 1 (um) ano”.

 

EMENTA 2: PENAL E PROCESSO PENAL. APROPRIAÇÃO INDÉBITA PREVIDENCIÁRIA. ART. 168-A, § 1°, INCISO I, DO CP. SONEGAÇÃO DE CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA. ART. 337-A, INCISO I, DO CP. SONEGAÇÃO FISCAL. ART. 1°, INCISO I, DA LEI N° 8.137/90. PRELIMINAR. INEXISTÊNCIA DE JUSTA CAUSA. AFASTADA. MATERIALIDADE, AUTORIA E DOLO COMPROVADOS. INDEPENDÊNCIA DE INSTÂNCIAS. CAUSA SUPRALEGAL DE EXCLUSÃO DE CULPABILIDADE. DIFICULDADES FINANCEIRAS. INOCORRÊNCIA.

 

[…]

 

  1. O delito previsto no art. 168-A, § 1°, inciso I, do CP é omissivo próprio, perfazendo-se a conduta delituosa tão somente com a inércia da pessoa legalmente encarregada de repassar à previdência social as contribuições recolhidas dos contribuintes, no prazo e forma legal, ao passo que os delitos previstos no art. 337-A, inciso I, do CP e no art. 1°, inciso I, da Lei n° 8.137/90 são materiais, tendo como pressuposto a prática de ato fraudulento contra a fiscalização tributária, restando consumados a partir da constituição definitiva do crédito tributário.
  2. Tratando-se de delitos perpetrados em âmbito empresarial, a autoria recai sobre o agente efetivamente responsável pela administração dos negócios, aquele que detém o poder de decisão sobre a prática das condutas criminosas. 4. Em relação aos delitos dos arts. 168-A, § 1°, inciso I, e 337-A, inciso I, ambos do CP, bem como ao do art. 1°, inciso I, da Lei n° 8.37/90, o dolo é genérico, prescindindo-se de finalidade específica, caracterizando-se os delitos, respectivamente, pela mera intenção de deixar de repassar os valores à previdência social e de suprimir ou reduzir os tributos devidos.
  3. Conquanto os delitos dos artigos 168-A e 337-A do CP e 1° da Lei n° 8.137/90 relacionem-se, imediata ou mediatamente, à ordem tributária, eventuais alegações de caráter intrinsecamente cível-tributário, tais como compensações ou transações, não são objeto da jurisdição criminal, que, com fulcro no princípio da independência de instâncias, ocupa-se tão somente dos aspectos penais e processuais penais relativos à conduta ilícita imputada ao agente.
  4. A causa supralegal de exclusão da culpabilidade (inexigibilidade de conduta diversa) relativa às dificuldades financeiras aplica-se ao crime de apropriação indébita previdenciária, previsto no art. 168-A do CP, exigindo-se, para tanto, que a defesa, nos termos do art. 156 do CPP, comprove a existência de situação invencível que tenha impossibilitado, transitoriamente, o recolhimento à Previdência Social das contribuições descontadas dos empregados.
  5. A excludente de culpabilidade decorrente de dificuldades financeiras não se aplica na hipótese dos delitos dos artigos 337-A do CP e 1° da Lei n° 8.137/90, uma vez que as referidas práticas delituosas possuem caráter eminentemente fraudulento, revestindo-se de maior reprovabilidade. Tais condutas não guardam correlação com a existência de situação invencível que tenha impossibilitado a ação do agente.
  6. Apelação desprovida. (TRF4, ACR 5045398-86.2017.4.04.7000, SÉTIMA TURMA, Relatora SALISE MONTEIRO SANCHOTENE, juntado aos autos em 15/02/2022)

(grifo nosso)

 

As causas supralegais de exclusão da culpabilidade são aquelas que “não” está “positivada” na legislação penal vigente. Na ementa em tela, a aplicação da “inexigibilidade de conduta diversa” – condicionada à comprovação da impossibilidade do pagamento – enaltece uma abertura maior para a construção do processo de ampla defesa da parte ré. Por isso, há de se ter a demonstração cabal de todos os elementos que atestem a imputação do crime carece de procedência (e, por óbvio, de culpa do agente). Para os estudiosos da área do Direito, Danilo César Basílio de Souza e Altair Resende de Alvarenga, “[…] negar a existência de uma causa supralegal é atentar contra o anseio de justiça, visto que a ausência desta dirimente acarreta condenações injustas […] em casos que não geram reprovação social”.

 

Deseja saber mais sobre apropriação indébita e suas espécies?

Visite o site do Âmbito Jurídico e fique por dentro do tema.

 

[1] Em se tratando de questões relacionadas ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), no que se refira a “[…] crimes conexos de competência federal e estadual […]”, a competência para “o processo e [o] julgamento” será da “Justiça Federal”, segundo a Súmula 122 do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Quer ficar atualizado das principais notícias da semana? Clique aqui para receber atualizações no seu e-mail!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

LEITURAS RECOMENDADAS

SiqueiraCastro anuncia nova sócia para a área ambiental

Quer ficar atualizado das principais notícias da semana? Clique aqui para receber atualizações no seu e-mail! São Paulo 27, junho de 2022  A SiqueiraCastro acaba de reforçar sua área Ambiental com a chegada da advogada Annelise Abi-Ramia Ferreras (42), que passa a

Nova lei traz importantes mudanças nas transações tributárias

Quer passar na prova da OAB? Clique aqui para baixar gratuitamente as provas dos últimos 12 anos! Especialista do Cescon Barrieu alerta para pontos como a transação passar a ser aplicada aos créditos tributários sob a administração da Secretaria Especial