O supremo Tribunal Federal, (STF) adiou o julgamento sobre a redução de ICMS e a isenção do IPI dos agrotóxicos e ainda não há uma nova data para retomada das votações

0

A discussão que gira em torno do tema envolve, de um lado, a União Federal e as empresas produtoras de defensivos agrícolas e grandes produtores rurais e, de outro, a Procuradoria Geral da República (PGR) as entidades dos setores de saúde pública e agricultura familiar, dando ensejo a duas vertentes diametralmente opostos acerca da constitucionalidade dos citados incentivos fiscais à produção e comercialização dos produtos agrotóxicos.

A corrente apoiada pelos produtores rurais, pela indústria dos defensivos agrícolas, e corroborada pela Advocacia-Geral da União (AGU), sustenta a constitucionalidade da isenção de IPI e redução da carga tributária do ICMS, sob o argumento de que, ao reduzir o preço ao consumidor final, a política fiscal favorece o acesso da população aos alimentos, bem como que a legislação que embasa a concessão de tais incentivos estão dentro da margem de discricionariedade conferida aos Poderes Legislativo e Executivo para a implementação de políticas fiscais e econômicas.

No mesmo sentido, sustenta-se que a manutenção da isenção de IPI e redução do ICMS sobre produtos agropecuários não implica qualquer tipo de fomento ao uso dos agrotóxicos na produção agrícola, uma vez que o uso de tais produtos é amplamente regulados e controlados pelos órgãos do Estado, aos quais cabe fiscalizar e coibir o emprego indiscriminado destes produtos além dos padrões fixados nas normas regulamentares.

Por outro lado, há a corrente defendida pelas entidades de economia familiar e pela Procuradoria-Geral da República (PGR), pautado em parecer da Procuradora-Geral Raquel Dodge, a qual defende a inconstitucionalidade da legislação que concede os incentivos de IPI e ICMS à produção de agrotóxicos, sob o argumento de que o benefício fiscal fomentaria suposto uso indiscriminado destas substâncias, provocando  e favorecendo o surgimento de problemas à saúde da população, o que faz pautada em diversas pesquisas científicas.

Para o advogado Leandro Lucon, especialista na área tributária e sócio do escritório Finocchio & Ustra, “seja como for, fato é que o Governo Federal tem à sua disposição na legislação regulatória diversas formas e medidas de controle à comercialização e uso indiscriminado dos defensivos agrícolas, de modo que, ainda que tais produtos possuam benefícios fiscais de redução da base do ICMS e a isenção do IPI, a exclusão de tais benefícios apenas implicaria o aumento do custo aos produtores agrícolas e do preço final dos alimentos à população, levando ao aumento dos índices de inflação”.

“Portanto, seja sob o aspecto jurídico ou pelo direito social ao mínimo existencial previsto na Constituição Federal, que garante o acesso da população à alimentação essencial, nos parece bastante razoável a manutenção dos referidos benefícios fiscais, desde que observados os parâmetros legais estabelecidos pelos Estados-membro e pela União Federal, uma vez que, ao final, a sua supressão apenas implicaria o aumento de preço dos produtos alimentícios de origem agropecuária, dificultando o acesso da população à alimentação básica, medida que não os parece razoável sobretudo face à existência de meios regulatórios aptos ao controle da comercialização e uso dos agrotóxicos ,” conclui Leandro.

Por fim, de acordo com o advogado, caso haja efetivo receio de que a manutenção do benefício leve ao aumento do uso de agrotóxicos caberia ao governo regular, de forma ainda mais restrita, o acesso a estes defensivos agrícola e intensificar a fiscalização pela via regulatória, sem que isso implique  a exclusão destes importantes benefícios fiscais.

 

 *Leandro Lucon, especialista na área tributária e sócio do escritório Finocchio & Ustra.

Julgamento Caso Kiss: para Promotor aposentado não houve dolo no caso da boate Kiss
Clique Aqui e Saiba Mais!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais