O Velho Normal

0

Rodrigo T. Lamonato *

Enquanto cruzamos, ou talvez, nos afundamos na maior crise sanitária já vista em gerações, a nova coqueluche, ou “paleteria mexicana” da estação, é falar da chegada do “novo normal”. Especialistas, ou nem tanto, em economia, investimentos, recursos humanos, urbanismo e num rosário de áreas do conhecimento escrevem páginas e mais páginas, ou posts e mais posts, contando-nos sobre ele – o tal do novo normal. Mudanças de comportamento que certamente virão para ficar afetarão a todos e serão sentidas em todos os cantos. Faz sentido. Parece real. Mas, e no Direito, podemos falar no dito “novo normal!? Será que há algo “novo” ou quem dirá “normal”?

O ano é 2020, e vivemos num país onde a escravidão foi abolida contam-se já 132 primaveras. Abolida, ao menos, no papel. Nem por isso deixamos (ou deixávamos) de trombar periodicamente com notícias de que o extinto Ministério do Trabalho havia descoberto, em fiscalizações, trabalhadores vivendo em regimes análogos ao da escravidão. Trombávamos, no passado, pois o ministério em questão, que assim já não é mais chamado, e nem tem esse status, desde 2017, enfrentou cortes orçamentários e a verba para combate ao trabalho escravo minguou.1

No front da vida da população negra, são clamorosos os casos de discriminação, violência policial e até a prolação de sentença judicial que menciona a raça de um acusado nas razões de decidir sobre ele.2 Embora haja autores que sustentam vivermos numa democracia racial, essa utopia está longe de ser real.

Em meio à pandemia, fica-se sabendo da intenção de “passar uma boiada”3 e alterar uma miríade de regras ambientais, visando licenciamentos de projetos agrícolas e de mineração, enquanto a cobertura midiática não está “prestando atenção”. A intenção, explicou-se, seria racionalizar e simplificar um emaranhado de normas que afugentariam investimentos. Seria salutar, não estivesse o país emplacando recorde atrás de recorde em desmatamento e devastação de áreas de floresta.4 Esquecem, porém, que, desde 1988, consta em nossa Constituição que a Ordem Econômica lá regulada terá como um de seus princípios norteadores a defesa do meio ambiente.

A mesma Carta de 1988 afirmou, 32 anos atrás, que ninguém seria submetido a tortura ou tratamento desumano. Contudo, com a disseminação dos smartphones tornou-se fácil, e até comum, registrar flagrantes de violência policial em todos os cantos do país. O sadismo encrustado no seio do Estado, e financiado com dinheiro de tributos pagos por uma sociedade a que deveriam estes agentes defender, não apenas carece de combate, como transborda não disfarçada simpatia dos comandantes-em-chefe.5

Com direito ao voto desde 1932, passados 88 anos, ainda são escandalosos os números de violência contra a mulher e o feminicídio. Quando têm o direito de viver, elas são vítimas de toda a sorte de opressões, veladas ou nem tanto, com menores oportunidades de trabalho, ascensão profissional e recebendo salários, em média, inferiores aos dos homens.6 Os índices de mortes violentas contra mulheres, especialmente os praticados dentro de suas residências, assustam e mostram o quão distantes estamos de qualquer grau civilizatório mínimo. Mas nada é tão ruim que não possa piorar. Durante a pandemia que vivemos, aquela do dito “novo normal”, os casos de violência saltaram outros ultrajantes 22%.7

Parece cedo para falarmos em “novo” quando o “velho” ainda não se tornou presente. O cotidiano brasileiro é coalhado de direitos que funcionam apenas para alguns, e obrigações que, muitas vezes, e não por coincidência, atingem a todos menos uma casta intocável. O sistema jurídico como um todo, do Judiciário à Academia, do legislador ao advogado, pode não haver se atentado, mas por aqui, antes de falar em “novo”, talvez fosse o caso de primeiro buscarmos alcançar o “velho”, o “velho normal”. Ele nunca foi atingido. Do contrário, o arrivismo e termos da moda pode nos levar a abolir direitos, garantias e um tecido protetivo que jamais alcançou sequer a sombra do que se esperava. Por não haver se disseminado, o “velho normal”, de normal nada teve. Nunca esteve no cotidiano. Assim, para a maioria, o “novo” normal será ainda o velho. As novidades antigas, de quem já falava a música famosa.

 

* Rodrigo T. Lamonato é Advogado, Gerente Jurídico, Pós-Graduado em Direito do Trabalho pela PUC/SP, com extensão em Contratos pela FGV/SP e Compliance pelo INSPER.

 

1 ALESSI, Gil. Corte drástico de verba faz fiscalização do trabalho escravo despencar no Governo Temer. El País, 14 out. 2017. Política. Disponível https://brasil.elpais.com/brasil/2017/10/11/politica/1507733504_551583.html
2 PR: juíza alega em sentença que, ‘em razão da raça’, homem negro é criminoso. Isto É, 12 ago. 2020. Brasil. Disponível em https://istoe.com.br/pr-juiza-alega-em-sentenca-que-em-razao-da-raca-homem-negro-e-criminoso/
3 Ministro do Meio Ambiente defende passar ‘a boiada’ e ‘mudar’ regras enquanto atenção da mídia está voltada para a Covid-19. G1, 22 mai. 2020. Política. Disponível em https://g1.globo.com/politica/noticia/2020/05/22/ministro-do-meio-ambiente-defende-passar-a-boiada-e-mudar-regramento-e-simplificar-normas.ghtml
4 OLIVEIRA, Elida. Amazônia bate novo recorde nos alertas de desmatamento em junho; sinais de devastação atingem mais de 3 mil km² no semestre, aumento de 25%. G1, 10 jul. 2020. Natureza. Disponível em https://g1.globo.com/natureza/noticia/2020/07/10/amazonia-bate-novo-recorde-nos-alertas-de-desmatamento-em-junho-aumento-dos-ultimos-11-meses-foi-de-64percent-aponta-inpe.ghtml
5 FERREIRA, Victor Promotoria aponta 1,4 mil casos de tortura no estado de SP desde 2011. G1, 26 dez. 2017. São Paulo. Disponível em https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/promotoria-aponta-14-mil-casos-de-tortura-no-estado-de-sp-desde-2011.ghtml
6 DE OLIVEIRA, Nielmar. Pesquisa do IBGE mostra que mulher ganha menos em todas as ocupações. Agência Brasil 08 mar. 2020. Disponível em https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2019-03/pesquisa-do-ibge-mostra-que-mulher-ganha-menos-em-todas-ocupacoes
7 Número de casos de feminicídio no Brasil cresce 22% durante a pandemia. UNIVERSA/UOL, 01 jun. 2020. Disponível em https://www.uol.com.br/universa/noticias/redacao/2020/06/01/numero-de-casos-de-feminicidio-no-brasil-cresce-22-durante-a-pandemia.htm

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais