Os reflexos operacionais de uma segurança de dados consolidada

0

Tão importante quanto aproveitar os benefícios de informações armazenadas para o cotidiano operacional, é garantir que as mesmas estejam em um ambiente digital seguro

Dados são objetos de valor. Felizmente, essa noção tem se disseminado com a urgência necessária pelo meio empresarial. Cada vez mais, gestores encontram no campo informacional uma oportunidade ótima para incentivar a produtividade operacional e conquistar novos ares de eficácia. No entanto, é indispensável ultrapassar o aspecto teórico e reconhecer que o ambiente digital do país exige uma abordagem ampla em termos de segurança e infraestrutura. De forma direta, isso afeta o planejamento estratégico de quem busca implementar soluções inovadoras.

Só é possível aproveitar os dados em sua totalidade, com resultados satisfatórios e uma mudança sentida na prática, se o processo não for comprometido por questões externas à empresa. O cenário de ataques cibernéticos e vazamentos criminosos do Brasil é reconhecidamente preocupante, e por parte dos detentores do poder de decisão, fica exposto o imediatismo de se procurar alternativas voltadas para a proteção das informações disponíveis.

Pensando nisso, preparei um artigo explorando os principais tópicos acerca do tema. Acompanhe!

 

Visão estratégica dos dados em tempos de crise

Hoje, é impossível realizar uma análise do quadro empresarial do país sem levar em consideração o impacto do coronavírus. Em decorrência disso, instabilidade e falta de certeza nos próximos meses são características comuns em diversos segmentos, o que é plenamente justificável. Mesmo assim, inércia não é uma opção aconselhável para qualquer gestor, seja lá o porte de sua organização. Quanto antes se partir para a elaboração de um planejamento estratégico conciso, menor será o estrago provocado pelo período atual.

Como insumos de utilidade ampla, os dados formalizam um dos poucos referenciais cuja credibilidade é preservada apesar do contexto caótico. A assertividade da máquina se mostra um trunfo qualificado para indicar diretrizes e sustentar o poder de decisão. O pressuposto principal repousa na ótica que líderes concedem às informações que integram suas empresas, logo, o espaço para aprimoramento técnico será propício e de acordo com a delicadeza do assunto.

 

TI bem estruturado é sinônimo de eficiência operacional

Em outras épocas, seria possível identificar pensamentos contrários à presença tecnológica e seu crescimento interno nas empresas. Resultados práticos foram os verdadeiros responsáveis por revolucionar essa mentalidade e, felizmente, a tendência é de que a transformação digital seja cada vez mais absorvida pelo setor empresarial brasileiro. Isso possibilitou a ampliação do debate para vertentes que não só carecem de maior atenção, como são primordiais para que a máquina ofereça os benefícios desejados.

Nesse quesito, a valorização de departamentos de TI e o incentivo à capacitação de profissionais, com destaque para a coesão estrutural de suas condições de trabalho não é uma necessidade secundária, pelo contrário, somente através de uma abordagem cirúrgica relacionada à área de Tecnologia da Informação se pode aspirar a obtenção de melhorias práticas no cotidiano operacional. Em analogia simples e direta, uma ponte não pode garantir o tráfego seguro de veículos caso seus pilares estejam fragilizados. A equação entre dados, soluções e profissionais é exatamente a mesma.

 

Porta de entrada para o Compliance e a estabilidade fiscal

Transparência, consentimento, privacidade, são alguns dos termos impostos à segurança da informação como um todo. Nos dias atuais, não se deve desconectar a ligação que esses conceitos compartilham entre si. Ao priorizar a sustentação de um ambiente digital seguro, o gestor abre portas bem-vindas para implementar em sua empresa uma cultura interna orientada ao Compliance Fiscal. Isto é, a adoção de uma série de políticas e medidas que contemplem as exigências da legislação vigente. Sempre atualizadas e de acordo com um cenário fiscal dinâmico e complexo.

Por fim, busco elucidar contribuições possíveis de se alcançar através da segurança de dados, deixando um pouco de lado a questão técnica que certamente afetará o processo. Não se trata de um capricho ou uma superficialidade dispensável, propícia para o adiamento ou até a refutação do empresariado. Deve-se sim ater-se à relevância do assunto, com cautela e uma preocupação genuína com a saúde fiscal e a integridade das informações que determinada empresa possui.

Qual é a sua opinião sobre a segurança dos dados e a realidade que enfrentamos hoje no Brasil? Participe do debate e faça essa reflexão!

 

*Everton Moreira é CEO da Avanter. Tecnologia aliada ao crescimento das companhias, a Avanter é mais que um parceiro tecnológico. Com sólidos conhecimentos e experiência em operações de missão crítica, a empresa participa tanto do lado da sustentação tecnológica quanto do planejamento estratégico de seus clientes, levando a tecnologia como ferramenta de evolução. Atua com quatro frentes: Infraestrutura, Telecom, E-commerce e Aplicativos, além disso mantém uma matriz em São Paulo e filial em Florianópolis, um dos polos tecnológicos do Brasil.

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais