PL 1.397/20, que suspende direitos de credores durante a Covid-19, será votado no Senado em breve

0

Para advogada Sheila Shimada, o projeto de lei merece ponderação, pois contém inseguranças jurídicas que permitem abusos dos inadimplentes durante prazo de suspensão de pagamentos

Projeto de Lei 1397/2020, que tramita em regime de urgência, foi aprovado na Câmara dos Deputados em 21 de maio e foi recebido pelo Senado em 25 de maio, o qual tem prazo de 30 dias para votá-lo. O PL prevê um prazo de 30 dias para a suspensão do exercício de direitos de credores que estão previstos em lei e determinados contratualmente, além de um prazo posterior de até 60 um “pedido de negociação coletiva” e alterações à Lei nº 11.101/05 (Lei de Falências e de Recuperação de Empresas – LFR).

Segundo a advogada Sheila Shimada, da Shimada Advocacia e Consultoria, apesar da grande necessidade de medidas para remediar ou prevenir a crise, o PL em questão merece ponderação, em função de uma possível insegurança jurídica que abusos em medidas como essa podem gerar.

O PL 1397 tenta criar mecanismos de negociação aos “agentes econômicos”, ou seja, pessoas jurídicas de direito privado, empresários individuais, produtores rurais e profissionais autônomos.  A medida visa criar prazos, a contar da vigência da lei, sem que devedores tenham a necessidade de apresentar justificativas para o não pagamento.  Durante esse período, os credores não poderão cobrar judicialmente os devedores que se tornaram inadimplentes após 20 de março de 2020 e não poderão executar eventuais garantias tenham sido dadas ou rescindir unilateralmente contratos – mesmo que existam aspectos legais ou contratuais para isso.

“Tal medida pode num primeiro momento parecer positiva para a economia, mas não analisa o lado dos credores, que ficarão sem justificativas para o não pagamento. É certo que alguns casos os devedores merecem esse adiamento, mas outros poderão simplesmente se aproveitar da flexibilidade da nova proposta”, opina Sheila Shimada. Para ela, a medida do não pagamento injustificado pode estimular que, ao invés de que devedores proponham acordos com a cooperação e a boa-fé esperadas, passem a adotar medidas eventualmente oportunistas, transitoriamente respaldadas em lei, gerando um efeito dominó de inadimplência.

Caso a lei seja promulgada, após o período de suspensão, os devedores poderão requerer no Judiciário a instauração do procedimento de jurisdição voluntária denominado “negociação preventiva”. Para que o pedido seja aceito, é necessário que seja comprovada a redução de no mínimo 30% (trinta por cento) do faturamento do devedor, em comparação ao trimestre correspondente ao ano de 2019 – comprovado por contador, sem que haja necessidade de perícia mais complexa determinada pelo juiz da causa.

Para a advogada Sheila Shimada, o PL 1.397/20 não aborda corretamente a proibição do abuso de direitos na adoção do procedimento voluntário, nem abre aos credores a oportunidade de exercer seu contraditório de maneira ampla. “Concede-se, mais uma vez palco, para o uso de medidas potencialmente protelatórias e abusivas por parte daqueles que já atravessavam uma situação de insolvência antes da pandemia, postergando a fadada quebra e trazendo, mais uma vez, insegurança jurídica, o que sempre deve ser evitado”, esclarece.

 

Impacto em Recuperação Judicial

Por outro lado, caso o resultado da negociação coletiva não tenha o resultado buscado pelo devedor, com o PL 1.397/2020, o devedor poderá recorrer aos processos de recuperação judicial com base na Lei de Falências e de Recuperação de Empresas – LFR, que concede um prazo de 180 dias, do qual deverá ser abatido o prazo de 60 dias já contados na negociação coletiva.

“Porém, embora o prazo da LFR seja improrrogável, tem sido estendido pelas cortes nacionais sempre que a empresa em recuperação consegue provar que, por motivos alheios à sua vontade, não conseguiu realizar assembleia geral de credores para deliberação do plano de recuperação judicial por ela ofertado. Espera-se que esse entendimento jurisprudencial não prevaleça com a PL em questão”, comenta Sheila Shimada.

A especialista observa também que o projeto de lei desconsidera que credores possam ter realizado negócios com a empresa já em recuperação judicial tenham tratamento prioritário. Por outro lado, conforme previsto no artigo 67 da LFR, há empresas que poderão ter seus créditos submetidos a um novo plano de recuperação em um processo, que, anteriormente, não era aplicável.

“O PL 1397/2020 trata-se, definitivamente, de mais um risco à segurança jurídica e pode comprometer a efetividade dos instrumentos legais capazes de prevenir e remediar a insolvência. O projeto de lei parece ter optado por colocar grande parte da responsabilidade da pandemia sobre os ombros dos credores”, conclui Sheila Shimada.

 

Sobre a Shimada Advocacia e Consultoria

SHIMADA ADVOCACIA E CONSULTORIA é um escritório de advocacia exclusivo e inovador, especialista em direito empresarial, com foco no direito societário. Com tecnologia e ferramentas jurídicas, contribuem para o crescimento sustentável de empresas, estruturaram a gestão de negócios, apoiam operações de fusões e aquisições de forma audaciosa e eficaz e oferecem uma estrutura tecnológica e humana diferenciada com grupos setoriais e desks internacionais formados por advogados considerados experts pelo mercado e pelas principais publicações nacionais e internacionais.

Mais informações: http://www.advocaciashimada.com.br/

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais