Presidente do Instituto Paranaense de Direito Eleitoral comenta sobre adiamento das Eleições 2020

0

Ana Carolina de Camargo Clève, advogada, mestre em Ciência Política e professora de Direito Constitucional, é presidente do Instituto Paranaense de Direito Eleitoral (Iprade).

 
Na próxima semana, o Senado Federal deve votar, em dois turnos, uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) sobre a nova data das eleições municipais, medida aventada por força da pandemia de Covid-19. O presidente do Senado já se mostrou favorável a adiar a votação para novembro, sem prorrogação de mandatos.
Ana Carolina Clève, presidente do Instituto Paranaense de Direito Eleitoral (Iprade), considera que não se deve considerar a unificação das Eleições Municipais e Nacional. “Embora se admita que eventual adiamento das eleições municipais deva ser levado em consideração em razão das circunstâncias, desde logo, deixa-se claro que: se necessário for, o adiamento deve ocorrer pelo mínimo indispensável para que os novos eleitos tenham condições de tomar posse em Janeiro de 2021; e que  a unificação das eleições não deve ser uma alternativa. Tais premissas são praticamente consenso entre os estudiosos do Direito Eleitoral e do Direito Constitucional – tanto que a Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político (Abradep) e o Instituto Paranaense de Direito Eleitoral (Iprade) firmaram tese nesse sentido”, afirma.  “A prioridade é a saúde pública; mas, logo em seguida, deve estar a preservação da nossa possibilidade de escolher”, enfatiza.
A presidente do Iprade está à disposição para falar sobre o assunto.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais