Produtor Rural Darcy Ferrarin entra com pedido de recuperação judicial

0

Produtor e empresários do Grupo DGF alegam dificuldades financeiras por conta da pandemia e recorrem à justiça para negociar dívidas

O produtor rural Darcy Getulio Ferrarin, em conjunto com a DGF Agropecuária e outras empresas e empresários do Grupo DGF, com sede em Sorriso Mato Grosso (MT), distribuíram seu pedido de recuperação judicial no dia 25 de maio, tendo sido o processo autuado com o nº 1002999-05.2020.8.11.0040.

O grupo, que produz algodão e soja, tem dívidas totais envolvidas na recuperação de R$ 120.899.557,23 e USD 49.252.725,67, sendo R$ 240 mil com credores trabalhistas, R$ 97,5 milhões de reais e USD 46,1 milhões de dólares com credores com garantia real, R$ 22,3 milhões de reais e USD 3,1milhões de dólares sem garantia e R$ 710 mil em créditos com micro e pequenas empresas.

Segundo José Luis Finocchio Junior, advogado do escritório Finocchio & Ustra Sociedade de Advogados, a quebra de safra no ciclo 2015/16 foi o início dos problemas financeiros do Grupo, que se agravaram com o aumento do custo financeiro decorrente da necessidade de reforço de caixa com recursos de terceiros, o que somado à queda do preço dos produtos comercializados e o aumento dos custos dos insumos relacionados à alta do dólar, culminaram em severos prejuízos.

De acordo com a companhia, a situação foi agravada pela crise econômica pela qual passa o país e a desvalorização do real, levando a um cenário de margens apertadas, especialmente se considerarmos as fragilidades decorrentes da queda do consumo de algodão em todo o mundo, que anuncia maiores dificuldades a partir do segundo semestre.

Levando em consideração a relevância do setor para o giro da economia, principalmente, em tempos de pandemia onde a única cadeia que funciona é a instituída no que é considerada necessidade básica, o processo de recuperação judicial do produtor rural é de suma importância, pois sua decisão tem impacto em todo o ecossistema. “Por isso, estamos extremamente otimistas e cientes de que a justiça acatará o pedido e com isso o produtor rural terá fôlego suficiente para cumprir com suas obrigações”, finaliza Finocchio.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais