Representatividade feminina cresce em área de M&A da advocacia

Você gostaria de escrever e publicar no Âmbito Jurídico? Clique aqui para se cadastrar.

As áreas de Direito societário e de fusões e aquisições ou M&A (Merger & Acquisitions) dos escritórios de advocacia são consideradas algumas das mais complexas e estratégicas, e a presença feminina vem ganhando constante representatividade nas equipes das bancas de especialistas e em cargos de liderança, em um ambiente no qual a participação masculina sempre prevaleceu.

Este movimento é observado no Martinelli Advogados, um dos maiores escritórios de advocacia do País, que tem a advogada Cintia Meyer, sócia-gestora da filial no Paraná e uma das profissionais mais admiradas pelo ranking Análise Advocacia Mulher de 2021, como líder da área de M&A.

Atuando por mais de 15 anos neste segmento, ela possui experiência e vivência na área e vem observado, não só dentro dos escritórios, mas também na representação das organizações clientes, um aumento gradativo de mulheres atuando nas questões societárias e de fusões de aquisições.

“No dia a dia, acabamos nos relacionando mais com homens do que com mulheres, contudo, a participação feminina está em franco crescimento, em favor da equidade de gênero e de uma transformação sociocultural que vem consolidando esta presença nas equipes dos escritórios e das empresas em fusão ou aquisição”, afirma Cintia Meyer.

Na opinião da advogada, neste cenário, há um empenho das mulheres em externarem a sua competência e qualificação profissional, bem como a de exercerem suas habilidades comportamentais, consideradas essenciais para o desenvolvimento e crescimento na carreira. No Martinelli, mais de 60% da equipe é formada por mulheres, muitas em posição de liderança, como Cintia e a CEO do escritório, Juliana Martinelli.

“Atualmente, a questão da qualidade de vida também no trabalho é fundamental, e acredito que a utilização das habilidades comportamentais está enraizada mais nas mulheres, que normalmente demonstram mais empatia, tolerância e flexibilidade, entre outras soft skills que melhoram os ambientes de trabalho e os desempenhos das pessoas”, observa ela, destacando que estes aspectos socioemocionais são muito valorizados no Martinelli.

Considerando a necessidade de que a equidade de gênero se enraíze nos ambientes profissionais, Cintia acredita que o equilíbrio entre homens e mulheres nas equipes acaba sendo a melhor combinação, pois traz os melhores resultados em termos operacionais, de satisfação do cliente, de retenção de talentos e em diversos outros indicadores.

 

Captura de tela 2022 03 08 163148Sobre o Martinelli Advogados

O Martinelli Advogados é um escritório full-solution voltado à advocacia empresarial, que também atua com forte viés em Consultoria Tributária, Finanças e Desbancarização, além de Compliance. Fundado em 1997 em Joinville, Santa Catarina, o escritório evoluiu, em apenas 20 anos, de uma pequena sala para a lista de um dos escritórios mais admirados do Brasil. Hoje conta com mais de 800 profissionais atuando com unidades nas principais cidades brasileiras, incluindo Florianópolis, Joinville, Criciúma e Chapecó (SC); São Paulo e Campinas (SP); Curitiba, Maringá, Cascavel (PR); Porto Alegre, Caxias do Sul e Passo Fundo (RS); Rio de Janeiro (RJ); Belo Horizonte (MG), além Brasília (DF).

Você gostaria de escrever e publicar no Âmbito Jurídico? Clique aqui para se cadastrar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

LEITURAS RECOMENDADAS

Dicas para fazer uma boa gestão de contratos

Você gostaria de escrever e publicar no Âmbito Jurídico? Clique aqui para se cadastrar. A gestão de contratos é o processo de gerenciamento que envolve a execução e a análise de contratos, a fim de maximizar o desempenho operacional e

Background check pode diminuir golpes do PIX

Banco Central estuda responsabilizar instituições financeiras e medida reforça necessidade da checagem de antecedentes Você gostaria de escrever e publicar no Âmbito Jurídico? Clique aqui para se cadastrar. Na terça-feira (31/05), o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, declarou