Seção Penal nega habeas corpus a policial acusado de matar jovem

Julgamentos ocorreram nesta segunda-feira, 18, por meio de videoconferência

 A Seção de Direito Penal do Tribunal de Justiça do Pará (TJPA), à unanimidade de votos, negou habeas corpus ao policial militar Marivaldo Quaresma Jorge, acusado de matar embriagado a tiros o jovem Helder Morais Santos, no município de Abaetetuba. O julgamento do feito ocorreu em sessão transmitida por videoconferência nesta segunda-feira, 18, presidida pelo desembargador José Roberto Pinheiro Maia Bezerra Júnior.

 A defesa do réu sustentou que não houve fundamentação da decisão que decretou a segregação cautelar do réu, assim como entendia que a liberdade do mesmo não ofenderia a garantia da ordem pública, conveniência da instrução criminal, nem prejudicaria a aplicação da lei penal. Além disso, pediu a substituição da prisão preventiva por outras medidas cautelares. 

Porém, a relatora do processo, desembargadora Rosi Maria Gomes de Farias, denegou a ordem e foi acompanhada por todos desembargadores e desembargadoras presentes à sessão. Segundo ela, nesse processo, a aplicação de medidas cautelares em vez da prisão preventiva não é suficiente. “O decreto se mostra devidamente fundamentado e os requisitos elencados do Artigo 312 do Código de Processo Penal, sendo a custódia justificada na necessidade da garantia da ordem pública. O paciente é policial militar que visivelmente embriagado, em tese, efetuou dois disparos de arma de fogo contra duas pessoas”, justificou a magistrada, destacando que “o crime em tese praticado o foi com crueldade e extrema violência”.  

 O caso– Marivaldo Quaresma Jorge foi preso em flagrante em 21 de fevereiro deste ano, tendo sido homologada pelo juízo da Vara Criminal de Abaetetuba e decretada a prisão preventiva na mesma data. De acordo com os autos, o réu, aparentemente embriagado, atirou contra a vítima Helder Morais Santos. Além disso, o réu chegou a apontar a arma para um amigo da vítima, quando, em seguida, foi detido por populares, conforme consta em processo.

Antes do crime, a vítima e o réu bebiam próximo de um posto de combustíveis, localizado na Avenida Dom Pedro II, em Abaetetuba. Após desferir os tiros, pessoas que estavam no local partiram para cima e espancaram o militar, que ficou desacordado. Marivaldo e Helder foram encaminhados a uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Abaetetuba, onde foi constatada a morte da vítima do disparo. Familiares e amigos de Helder ainda tentaram invadir o local, na tentativa de linchar o policial. Uma guarnição do 31º Batalhão de Polícia Militar foi deslocada à unidade hospitalar para conter o tumulto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

LEITURAS RECOMENDADAS

Cassinos no Brasil: da origem aos dias atuais

Quer passar na prova da OAB? Clique aqui para baixar gratuitamente as provas dos últimos 12 anos! Os cassinos no Brasil já foram sinônimo de luxo, poder e diversão. O até hoje famoso hotel Copacabana Palace foi, originalmente, um cassino.

Compliance para startups cresce, mas exige cuidados

Quer passar na prova da OAB? Clique aqui para baixar gratuitamente as provas dos últimos 12 anos! Especialista aponta caminhos para um desenvolvimento sólido A quem acredite que as práticas de Compliance devem ser atribuídas exclusivamente às grandes corporações e