Servidores garantem aumento concedido em período eleitoral, após Prefeito contratar comissionados

0

Vinte servidores de Cachoeira de Goiás, dentre eles um vereador, que também é servidor do município, garantiram, na justiça, um aumento que foi concedido no período eleitoral de 2016, e que tinha sido anulado em 2017, quando iniciou o mandato do novo prefeito.

Entenda o caso

O prefeito anterior de Cachoeira de Goiás (2013-2016) editou uma lei, no começo de 2014, reestruturando o plano de cargos e salários dos servidores municipais.

Contudo, apesar de já ter sido editada a lei em 2014, cada servidor só seria reenquadrado no novo plano de cargo e salário através da edição de um decreto individual.

Esse decreto só veio a ser editado em novembro de 2016, período conhecido como interstício proibitório, que é aquele período de 180 antes do término do mandato, no qual é vedado o aumento de despesas com pessoal, de acordo com a Lei de Responsabilidade Fiscal.

O atual prefeito de Cachoeira de Goiás alegou que suspendeu os enquadramentos dos servidores no novo plano de cargos e salários por conta que as despesas do Município estavam altas.

Contudo, a história não era bem essa!

De acordo com Sérgio Merola e Anadires Toledo Júnior, advogados dos servidores, o prefeito, após anular o reenquadramento dos servidores efetivos no novo plano de cargos e salário, criou dezenas de cargos comissionados. A alegação de dificuldades financeiras escondeu a necessidade de ter orçamento disponível para a contratação de comissionados. 

Os advogados também destacaram que antes de aprovar a Lei, o prefeito anterior havia feito todas as consultas sobre os impactos orçamentário que resultariam do novo plano de cargos e salários.

Estudos comprovaram que não seria ultrapassado o limite prudencial imposto pela Lei.

De acordo com a decisão da juíza Dra. Bianca Melo Cintra: “Ressalva-se que o Decreto de Enquadramento Funcional, apesar de ser editado em período vedado pela LRF, foi vinculado à Lei editada em momento pretérito, além de ser acompanhado de estimativa de impacto orçamentário-financeiro e da declaração do ordenador de despesa, nos termos do artigo 16 da Lei Complementar n. 101/2000, os quais demonstraram os impactos do dispêndio nas contas municipais e que a despesa assumida estava de acordo com a lei orçamentária anual, com o Plano Plurianual e com a lei de diretrizes orçamentárias.” 
“Diante de toda fundamentação acima exposta, conclui-se que o ato administrativo que suspendeu os decretos de enquadramento funcional, Decreto nº 9-C/2017, está maculado de vício de motivos, uma vez que editado em desvio de finalidade e com ausência de fundamentação (…).”

Sérgio Merola disse que, além de ter que reenquadrar os servidores, a Prefeitura de Cachoeira de Goiás terá que pagar todos os valores retroativos, desde o momento em que o novo prefeito editou o decreto que suspendeu os enquadramentos dos servidores no novo plano de cargos e salários.

Por fim, os advogados destacaram que pediram para que fosse aberta vistas ao Ministério Público para verificar se os atos do novo prefeito, ao contratar os comissionados e anular, por decreto, o plano de carreira dos servidores do município, se caracterizava como ato de improbidade administrativa.

Em resposta, o MP se manifestou no sentido de apurar os fatos e tomar as providências cabíveis.

Fonte: TJ-GO, Clique aqui para acessar a decisão

Goiânia, 23 de setembro de 2019.

_______________

SOBRE O ADVOGADO

Sérgio Antônio Merola Martins é sócio fundador da Sérgio Merola Advogados Associados. É especialista em demandas envolvendo a Administração Pública – concurseiros, servidores públicos, licitação, improbidade administrativa, compliance e direito anticorrupção. Produz conteúdo regularmente para o seu Blog – www.sergiomerola.com.br

Para maiores informações, entrar em contato com:  Ricardo Orsini (Gestor da Sergio Merola Advogados Associados) – [email protected] – (62) 9.8433-8002
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais