Vale a pena investir nas empresas UBER e NETFLIX?

0

Andar de UBER ou assistir um filme pela NETFLIX?

Hoje em dia é difícil encontrar uma pessoa que nunca tenha ouvido falar desses serviços, mas dez anos atrás quem era a UBER e a NETFLIX? E como chegaram ao patamar em que se encontram atualmente?

As duas empresas nasceram nos EUA, a UBER em 2009 e a NETFLIX em 1997, cada uma com uma proposta diferente, mas ambas com ideias que com o passar dos anos, dominaram os smartphones de tal forma que hoje fazem parte do dia a dia dos consumidores.

Mas esse sucesso e reconhecimento mundial não quer dizer, necessariamente, que ganham rios de dinheiro e que não apresentam riscos para seus investidores.

A UBER, apesar de presente em 63 países e estar avaliada em aproximadamente US$ 120 bilhões, tem operado no vermelho, apresentando um lucro negativo de quase US$ 2 bilhões ao ano.

Esse resultado é devido ao modelo de negócio mantido desde a sua concepção, que é similar ao serviço de táxi e outros aplicativos de transporte privado, sem qualquer inovação.

Além disso, a UBER ainda enfrenta forte resistência de aceitação em alguns países, principalmente na Ásia, Oceania e América do Sul, pois se manteve inerte ao marketing negativo, que praticamente marginalizou o serviço antes mesmo de sua implantação.

Já a NETFLIX, pioneira no serviço de streaming, mudou o modelo de negócio para se manter no mercado, apostando no lançamento de filmes e séries com seu próprio selo, aumentando ainda mais sua margem de lucratividade, sem contar que possui mais de 160 milhões de assinantes e está presente em mais de 190 países.

Suas ações hoje praticamente dominam a bolsa e seu valor de mercado aumentou praticamente 50% (cinquenta por cento) nos últimos cinco anos.

Para se ter uma ideia, com base no fechamento mais recente, o valor de mercado da Netflix é de US$ 160 bilhões contra US$ 155 bilhões da Disney. E olha que oportunidades para a DISNEY não faltaram, principalmente pelos lançamentos dos filmes da MARVEL STUDIOS, que juntos lucravam mais de US$ 22 bilhões mundialmente.

Então, se você está pensando em investir em um desses serviços, dúvidas não restam, correto?

Nenhum investimento hoje é sinal de retorno garantido, principalmente nesse ramo de pontocom, que cada dia cresce mais.

A UBER, como já dito, não ofereceu nada de novo desde a sua concepção e hoje rivaliza com aplicativos semelhantes como a Cabify, a 99 e a Easy Taxi.

Já a NETFLIX pode perder a hegemonia nos próximos anos, já que grandes emissoras de TV, a GOOGLE, a APPLE e a própria AMAZON já estão investindo pesado no serviço de streaming, oferecendo, da mesma forma que a NETFLIX, filmes e séries próprios para atrair assinantes.

Se você está pensando em investir seu dinheiro, pense em investi-lo nas empresas que se reinventam e que mudam seu modelo de negócio quando o mercado dá sinais de esgotamento, pois, a cada dia que passa, as novas tecnologias tornam o serviço pontocom mais obsoleto.

 

Ezequiel do Carmo Munhoz

________________________________

Advogado em São Paulo; Especialista em Direito e Processo do Trabalho pela Universidade Presbiteriana Mackenzie; Especialista em Relações Sindicais e Trabalhistas pelo W.C.C.A. Wilson Cerqueira Consultores Associados; Especialista em Advocacia Empresarial pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais; Especializando em Compliance Digital pela Universidade Presbiteriana Mackenzie; ex-membro colaborador da Comissão Especial de Direito Trabalhista da OAB/SP; membro do Grupo Interempresarial de Jurídico Trabalhista e do Instituto Via Iuris; integrante da Comissão Jurídica do Sindicato das Santas Casas de Misericórdia e Hospitais Filantrópicos do Estado de São Paulo; coautor do livro “Advocacia Empresarial do Trabalho. Estudos em Homenagem do Dr. José Granadeiro Guimarães” (Editora Alameda, São Paulo: 2012).

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais