A administração pública licitadora e o princípio da autotutela

0

No exercício do seu poder, a Administração Pública, legitimada pelo Princípio da Autotutela guarda para si a possibilidade de rever seus próprios atos. “Pela autotutela o controle se exerce sobre os próprios atos, com a possibilidade de anular os ilegais e revogar os inconvenientes ou inoportunos, independentemente de recurso ao judiciário.”1

O poder de autotutela da Administração Pública, encontra-se consagrado em duas súmulas do Supremo Tribunal Federal, as quais conferem à Administração Pública o poder de declarar nulos os seus próprios atos, quando da constatação de ilegalidade dos mesmos, ou então de revogá-los sob a égide dos critérios de oportunidade e conveniência do ato. 2

Assim, a legitimidade para praticar o autocontrole, é conferida à própria Administração Pública. Esta prática pode ser exercida ex officio, quando a autoridade competente verificar a ilegalidade de qualquer ato praticado durante o certame ou por provocação.

O fato de anular seus próprios atos, constitui um poder interno conferido à Administração Pública para rever a legalidade de seus atos.

Não se exige formalidade especial e nem há prazo determinado para a anulação do ato, salvo, se houver norma legal que o fixe expressamente. O que se exige, é a demonstração do ato ilegal que ensejou a anulação do procedimento.

A nulidade do ato acarreta efeito ex tunc, vale dizer, retroage desvinculando as partes desde o momento da prática do ato ilegal. Como corolário, desconstitui os efeitos jurídicos produzidos, resguardando, no entanto, os direitos de terceiros de boa-fé.

Em matéria licitacional o art. 49 da lei 8.666/93, consagra o Princípio da Autotutela da Administração Pública licitadora sobre seus atos. Este artigo utiliza a expressão anular para afastar do ordenamento jurídico licitacional o ato ilegal. Por isso, mister uma breve menção do que seja a expressão anulação para o Direito Público e para o Direito Privado.

No Direito Privado, anulação refere-se a anulabilidade do ato e nulidade a ato nulo. Toma-se aqui para justificar esta distinção a lição de Marçal Justen Filho, para quem, “Aplicando a terminologia com rigor técnico, não se ‘anula’ o ato ‘nulo’, mas o ‘anulável’”. 3

No âmbito do Direito Administrativo, a expressão anulado não diverge do sentido da expressão nulidade, vez que, a expressão anular é utilizada em sentido genérico para designar o reconhecimento de um vício e de proclamá-lo. 4

Resta saber portanto, se na esfera administrativa é possível constatar a distinção entre ato nulo e ato anulável.

Sobre o tema, o brilhante jurista Celso Antônio Bandeira de Mello relata que “Para alguns, no Direito Administrativo todo ato ilegítimo é nulo. Para outros, a distinção entre nulos e anuláveis, usual no Direito Privado, aplica-se com as devidas adaptações, ao Direito Administrativo.” 5

Ao tratar deste assunto em pauta, na esfera da licitação, Marçal Justen Filho diz que a consequência produzida pela nulidade do ato é uma sanção. Assim, distingue três formas de vícios possivelmente presentes no procedimento licitatório, que vão se diferenciar entre si de acordo com o grau de sua prejudicialidade, o que implica no fato de que  a sanção aplicada ao ato ilegal, será proporcional à sua interferência no certame.

Depreende-se, portanto, que o ato distante do pensamento esculpido no preceito legal, carrega consigo uma pena mensurada e aplicada, na mesma medida em que interferiu na órbita jurídica do certame.

Com as considerações supracitadas, tem-se que, de acordo com o grau de gravidade da sanção atribuída ao ato ilegal, este poderá ser simplesmente irregular, anulável ou nulo.

O ato simplesmente irregular, é aquele que não atinge a regularidade da licitação, vez que não acarreta lesão a interesse público ou particular.

A anulabilidade, aplica-se àquele ato ilegal que fere interesse particular dos licitantes. Deve ser argüida pelo interessado, em tempo hábil, sob pena de preclusão, consoante o que dispõe o art. 41-§2ºda lei 8.666/93.

E por último, lesando diretamente interesse público, tem-se a nulidade, que ao ser constatada deverá ser pronunciada de ofício pela administração. Por ser vício insanável, o direito/dever de argüí-la não preclui.

A distinção aqui tecida sobre o destino do ato ilegal, orienta-se a determinar o grau de proteção necessário para garantir a tutela dos interesses públicos ou privado.

Por mais, depreende-se que, a Administração Pública licitadora impulsionada pelo dever do autocontrole, deve, ao analisar a ilegalidade do ato, pautar-se naqueles que ferem o interesse público.

Ainda no que concerne a legitimidade para anular os atos ilegais, passa-se neste momento, a relatar sobre a legitimidade do Poder Judiciário para apreciar a legalidade do ato.

O Poder Judiciário, assim como a Administração Pública, é parte legítima para julgar acerca da nulidade do ato. Só que diferentemente da Administração Pública, o Poder Judiciário imprescinde de provocação através dos meios processuais cabíveis.

Apesar do poder amplo que a Magna Carta confere ao Judiciário para apreciar os atos administrativos, sejam vinculados ou discricionários, o seu julgamento deve pautar-se tão somente em examinar a legalidade do ato ou analisar o grau de sua lesividade ao patrimônio público. Ao Judiciário não cabe decidir sobre os pronunciamentos privativos da Administração Pública.

Importa, portanto, ao Judiciário analisar tão somente se a Administração Pública licitadora agiu de acordo com a lei e se cumpriu concretamente a finalidade da licitação.

Concluindo o assunto referente à legitimidade para anular os atos ilegais, urge neste contexto, arrolar alguns comentários acerca da legitimidade para revogar a licitação.

Ainda que o procedimento licitatório preencha todos os mandamentos legais, a lei confere exclusivamente à administração licitadora, o poder de revogá-la.

A revogação consiste em retirar  do mundo jurídico os efeitos de ato juridicamente válido, perfeito e eficaz, por razões de oportunidade e conveniência. O efeito produzido pelo ato de revogar, é ex nunc, ou seja, começa a surtir a partir da decisão.

Quanto a competência para revogar, expressa-se aqui, a opinião do eminente Miguel Reale “só quem pratica o ato, ou quem tenha poderes, implícitos ou explícitos, para dele conhecer de ofício ou por via de recurso, tem a competência legal para revogá-lo por motivos de oportunidade ou conveniência, competência essa intransferível, a não ser por força de lei, e insuscetível de ser contrasteada em seu exercício por outra autoridade administrativa”. 6

Deste ensinamento, depreende-se portanto, que a competência para revogar o ato administrativo cabe tão somente a quem o praticou. Assim, a competência para analisar os critérios de oportunidade e conveniência do ato, fundamentos para uma possível revogação, é exclusiva da Administração Pública que praticou o ato, excluindo-se, portanto, da esfera do Poder Judiciário a competência para revogar os atos meramente administrativos.

Dando-se fechamento ao tema concernente ao Princípio da Autotutela, por tudo quanto até aqui expressado, tem-se que, a legitimidade para tutelar os direitos lesados, de per si, cabe  tão somente à Administração Pública licitadora.

NOTAS

1 DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. 6. ed. São Paulo: Atlas, 1996. p. 66.

2 Súmula 346 STF: “ A administração pode declarar a nulidade dos seus próprios atos”.

Súmula 473 STF: “ A administração pode anular os seus próprios atos, quando eivados de vícios que os tornem ilegais, porque deles não se originam direitos; ou revogá-los, por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos e ressalvada, em todos os casos, a apreciação judicial”.

3 JUSTEN FILHO, Marçal. Comentários à Lei de Licitações e Contratos Administrativos. 8. ed.  São Paulo: Dialética, 2001. p. 480.

4 Ibid., mesma página.

5 MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de Direito Administrativo. 11. ed. São Paulo: Malheiros, 1999. p. 330.

6 REALE, Miguel in: Direito Administrativo. 6. ed. São Paulo: Atlas, 1996. p. 206.

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Ilza Maria Barros Spiazzi

 

Bacharel em Direito/PR

 


 

Julgamento Caso Kiss: para Promotor aposentado não houve dolo no caso da boate Kiss
Clique Aqui e Saiba Mais!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais