Licença Maternidade no Âmbito Administrativo

0

Resumo:Fazendo-se uma interpretação sistemática conforme a Constituição das normas aplicáveis ao caso devendo a melhor conclusão guardar obediência aos dispositivos constitucionais orientamos pelo cumprimento da Lei n 12.873 de 24 de outubro de 2013 que alterou a Lei n. 8.213/91 referente aos Planos de Benefícios da Previdência Social por entender que poderá ser concedida a licença-maternidade sem prejuízo do emprego e salário durante 120 cento e vinte.

Traçando linhas iniciais, a nossa Constituição Federal dispõe em seu art. 7º, XVIII, e no art. 39, § 3º, a previsão da licença-maternidade como sendo direito assegurado às servidoras públicas, com o intuito de proteção das próprias mulheres e de seus filhos, com prazo de 120 (cento e vinte) dias, a saber:

“Art. 7º. São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social:(…)

XVIII – licença à gestante, sem prejuízo do emprego e do salário, com a duração de cento e vinte dias.

Art. 39. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios instituirão conselho de política de administração e remuneração de pessoal, integrado por servidores designados pelos respectivos Poderes. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) (Vide ADIN nº 2.135-4)(…)

§ 3º Aplica-se aos servidores ocupantes de cargo público o disposto no art. 7º, IV, VII, VIII, IX, XII, XIII, XV, XVI, XVII, XVIII, XIX, XX, XXII e XXX, podendo a lei estabelecer requisitos diferenciados de admissão quando a natureza do cargo o exigir. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998).”

A princípio deve-se observar o que preconiza a Constituição Federal, em seu art. 227, § 6º, faz saber:

“Art. 227. É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. (Redação dada Pela Emenda Constitucional nº 65, de 2010)(…)

§ 6º – Os filhos, havidos ou não da relação do casamento, ou por adoção, terão os mesmos direitos e qualificações, proibidas quaisquer designações discriminatórias relativas à filiação.”

O dispositivo constitucional transcrito, em sintonia com o princípio da igualdade, consagrado no artigo 5º, caput, preconiza a igualdade de direitos entre os filhos havidos ou não da relação do casamento ou por adoção, proibindo qualquer distinção.

Nessa esteira, o artigo 20 do Estatuto da Criança e do Adolescente também dispõe:

“Art. 20. Os filhos, havidos ou não da relação do casamento, ou por adoção, terão os mesmos direitos e qualificações, proibidas quaisquer designações discriminatórias relativas à filiação.”

 À luz do princípio constitucional da igualdade, é inadmissível realizar qualquer distinção entre filhos naturais e os advindos da adoção, para fins de concessão da licença maternidade.

A propósito, transcrevo ementa de julgado do Tribunal Regional Federal da 5ª Região sobre a matéria, a saber:

“EMENTA: ADMINISTRATIVO. SERVIDORA PÚBLICA FEDERAL. MENOR DE UM ANO DE IDADE ADOTADA. LICENÇA-MATERNIDADE. CENTO E VINTE DIAS. TRATAMENTO ISONÔMICO. FILHO BIOLÓGICO E/OU ADOTIVO. LEIS 8.112/90 E 10.421/02. CONSTITUIÇÃO FEDERAL VIGENTE.

I – Da mesma forma que a mãe biológica que trabalha fora de casa precisa da licença-maternidade (de cento e vinte dias) para acompanhar mais de perto a evolução da criança nos seus primeiros meses de vida, criando os laços de afeto e amor fundamentais ao seu pleno desenvolvimento físico e psicológico, à mãe adotante com maior necessidade de adaptação à nova situação deve ser estendida tal garantia.

II – A vista da prevalência da Constituição sobre as normas ordinárias, e, ainda, em homenagem aos Princípios da Igualdade e da Isonomia, mantém-se a concessão de licença-maternidade com prazo de 120 (cento e vinte) dias à mãe adotante, funcionária pública federal em virtude da guarda de menor com pouco mais de dois meses de vida.

III – Remessa oficial e apelação improvidas.”(TRF-5, Apelação em Mandado de Segurança Nº 99092-PB, 4ª Turma, Relator: Desembargadora Federal Margarida Cantarelli, Data de Julgamento: 21/08/2007)”

Em caso semelhante, o Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe já decidiu pela extensão do prazo da licença maternidade à licença adotante, a exemplo dos seguintes julgados:

“Ementa: Agravo Regimental – Mandado de Segurança – Licença à Adotante – Ausência de Previsão Legal na Lei Orgânica da Defensoria Pública do Estado de Sergipe – Equiparação da Licença Maternidade à Licença Adotante – Extensão do Prazo de 120 dias – Aplicação dos Princípios Constitucionais da Igualdade e da Proteção ao Menor – Decisão Mantida – Recurso mantido pelos seus próprios fundamentos.” (TJ-SE, AGR 201200104267, Relator: DESA. MARIA APARECIDA SANTOS GAMA DA SILVA. Data de Julgamento: 04/04/2012, TRIBUNAL PLENO)”

Desta forma, a Carta Magna, em seu art. 7º, XVIII, da Constituição Federal (aplicável aos servidores públicos por força do disposto no art. 39, § 3º, da CF), estabelece licença à gestante, sem prejuízo do emprego e do salário, com a duração de 120 (cento e vinte) dias.

Entretanto, se houver a adesão da pessoa jurídica ao Programa Empresa Cidadã instituído pela Lei Federal nº 11.770/2008, destinada à prorrogação da licença-maternidade mediante concessão de incentivo fiscal, Lei esta que também alterou a Lei n.º 8.212, de 24 de julho de 1991, o prazo pode ser prorrogado por 60 (sessenta) dias, totalizando assim, 180 (cento e oitenta) dias, senão vejamos:

Art. 1°  É instituído o Programa Empresa Cidadã, destinado a prorrogar por 60 (sessenta) dias a duração da licença-maternidade prevista no inciso XVIII do caput do art. 7o da Constituição Federal.

§ 1°  A prorrogação será garantida à empregada da pessoa jurídica que aderir ao Programa, desde que a empregada a requeira até o final do primeiro mês após o parto, e concedida imediatamente após a fruição da licença-maternidade de que trata o inciso XVIII do caput do art. 7º da Constituição Federal. 

§ 2°  A prorrogação será garantida, na mesma proporção, também à empregada que adotar ou obtiver guarda judicial para fins de adoção de criança.

Art. 2º É a administração pública, direta, indireta e fundacional, autorizada a instituir programa que garanta prorrogação da licença-maternidade para suas servidoras, nos termos do que prevê o art. 1º desta Lei.”

Sendo assim, autoriza a Administração Pública, seja direta ou indireta a instituir programa similar, e, beneficiar suas servidoras com a prorrogação.

Proteção esta, garantida também no aspecto da previdência social, com previsão no artigo 201, inciso II, da Constituição Federal, faz saber:

“Art. 201. A previdência social será organizada sob a forma de regime geral, de caráter contributivo e de filiação obrigatória, observados critérios que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial, e atenderá, nos termos da lei, a:(…)

II – proteção à maternidade, especialmente à gestante;”

Desta forma, caberá ao Município o pagamento do salário-maternidade, assim como, a licença maternidade, que independente de caráter etário, será concedida na forma da legislação trabalhista, sendo assim 120 (cento e vinte) dias, conforme estabelecido no artigo 392 da CLT.

“Art. 392. A empregada gestante tem direito à licença-maternidade de 120 (cento e vinte) dias, sem prejuízo do emprego e do salário. (Redação dada pela Lei nº 10.421, 15.4.2002)”

A Lei 8.213/91 que dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social, teve seus artigos modificados pela Lei 12.873, de 24 de outubro de 2013, a qual entrou em vigor no dia 27 de janeiro de 2014. Desde então, pais que adotam uma criança têm direito à licença-maternidade e salário maternidade de 120 dias de auxílio pelo INSS e afastamento do trabalho. Até então, só a mãe poderia tirá-la, mas a norma esclarece que apenas um integrante do casal pode solicitar esta licença, faz saber:

“Art. 5º A Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, passa a vigorar com as seguintes alterações:(…)

Art. 71-A. Ao segurado ou segurada da Previdência Social que adotar ou obtiver guarda judicial para fins de adoção de criança é devido salário-maternidade pelo período de 120 (cento e vinte) dias.

§ 1º O salário-maternidade de que trata este artigo será pago diretamente pela Previdência Social.

§ 2º Ressalvado o pagamento do salário-maternidade à mãe biológica e o disposto no art. 71-B, não poderá ser concedido o benefício a mais de um segurado, decorrente do mesmo processo de adoção ou guarda, ainda que os cônjuges ou companheiros estejam submetidos a Regime Próprio de Previdência Social.

Art. 71-B. No caso de falecimento da segurada ou segurado que fizer jus ao recebimento do salário-maternidade, o benefício será pago, por todo o período ou pelo tempo restante a que teria direito, ao cônjuge ou companheiro sobrevivente que tenha a qualidade de segurado, exceto no caso do falecimento do filho ou de seu abandono, observadas as normas aplicáveis ao salário-maternidade.

§ 1º O pagamento do benefício de que trata o caput deverá ser requerido até o último dia do prazo previsto para o término do salário-maternidade originário.

§ 2º O benefício de que trata o caput será pago diretamente pela Previdência Social durante o período entre a data do óbito e o último dia do término do salário-maternidade originário e será calculado sobre:

I – a remuneração integral, para o empregado e trabalhador avulso;

II – o último salário-de-contribuição, para o empregado doméstico;

III – 1/12 (um doze avos) da soma dos 12 (doze) últimos salários de contribuição, apurados em um período não superior a 15 (quinze) meses, para o contribuinte individual, facultativo e desempregado; e

IV – o valor do salário mínimo, para o segurado especial.

§ 3º Aplica-se o disposto neste artigo ao segurado que adotar ou obtiver guarda judicial para fins de adoção.

Art. 71-C. A percepção do salário-maternidade, inclusive o previsto no art. 71-B, está condicionada ao afastamento do segurado do trabalho ou da atividade desempenhada, sob pena de suspensão do benefício."

Art. 6º A Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, passa a vigorar com as seguintes alterações:

Art. 392-A. À empregada que adotar ou obtiver guarda judicial para fins de adoção de criança será concedida licença-maternidade nos termos do art. 392.

§ 5º A adoção ou guarda judicial conjunta ensejará a concessão de licença-maternidade a apenas um dos adotantes ou guardiães empregado ou empregada.

Art. 392-B. Em caso de morte da genitora, é assegurado ao cônjuge ou companheiro empregado o gozo de licença por todo o período da licença-maternidade ou pelo tempo restante a que teria direito a mãe, exceto no caso de falecimento do filho ou de seu abandono.

Art. 392-C. Aplica-se, no que couber, o disposto no art. 392-A e 392-B ao empregado que adotar ou obtiver guarda judicial para fins de adoção.”

Desta forma, a lei garante licença e salário maternidade de 120 dias para o servidor ou servidora que adotar um filho, independente da idade da criança ou adolescente. A nova regra também equipara homem e mulher no direito ao benefício em caso de adoção. Por exemplo, se em um casal adotante, a mulher não é segurada da Previdência Social, mas o marido é, ele pode requerer o benefício e ter o direito a licença e salário maternidade reconhecido pela Previdência Social, sendo afastado do trabalho durante a licença para cuidar da criança. A mesma regra vale para casais adotantes do mesmo sexo.

Ante o exposto, fazendo-se uma interpretação sistemática, conforme a Constituição, das normas aplicáveis ao caso, devendo a melhor conclusão guardar obediência aos dispositivos constitucionais, orientamos pelo cumprimento da Lei nº 12.873 de 24 de outubro de 2013, que alterou a Lei n.º 8.213/91, referente aos Planos de Benefícios da Previdência Social, por entender que poderá ser concedida a licença-maternidade, sem prejuízo do emprego e salário, durante 120 (cento e vinte).


Informações Sobre o Autor

Filipe Lobo Alves

Advogado e consultor jurídico


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais