Pequena história da contratualidade civil

Resumo: O artigo aborda didaticamente o percurso histórico peculiar do contrato, narrando interessantes momentos da historiografia das leis brasileiras, bem como, destacando a relevante evolução e função do contrato no direito privado vigente. E, ainda sobre a singularidade do contrato de adesão.

Palavras-chaves: Direito Civil, Direito Contratual, Contrato, Evolução. Contrato contemporâneo, Função social do contrato.

Abstract: The article discusses the historical course didactically peculiar contract narrating interesting moments in the history of Brazilian law, as well as highlighting the evolution and function of the relevant contract in private law in force. And about the uniqueness of the membership contract.

Keywords: Civil Law, Contract Law, Contract,. Evolution, Contract contemporar, Social function of the contract.

Sumário: 1. Introdução. 2. Historiografia brasileira do contrato e do direito civil. 3. O contrato de adesão e a teoria geral do contrato. 4. Conclusão

1.Introdução

Muitas foram as transformações pelas quais passou o direito, em particular, nesse milênio, destacamos especialmente o contrato que seguiu uma trilha própria, apesar da variedade tipológica indisfarçável, não faltou à doutrina certa uniformidade conceitual, se atentarmos para o fenômeno puramente abstrato ou meramente teórico.

Atuaram diversas forças convergentes sobre o contrato, com destaque para a força obrigatória e a influência de fatores determinantes das injunções sociais. É certo que outras forças igualmente compareceram, mas essas duas supracitadas ainda são as mais insistentes.

Em razão da maior influência de diversos fatores, no contrato pode vigorar a liberdade contratual, em seus vários sentidos: de opção subjetiva, ou seja, na escolha de com quem contratar; e a opção objetiva (que se refere à escolha material das prestações); a opção formal (a escolha tipológica das cláusulas); ou reversamente, a ausência dessa autonomia com a predominância da ordem pública, e maior imposição do Estado em qualquer das três opções, em caráter transitório ou permanente.

Ab initio, o contrato se baseou na influência estrutural da vontade humana, porém pôde, contudo, absorver de forma maior ou menor a influência das forças sociais ou naturais, sobre as quais não exerce o homem o seu poder e decisão pessoal (tais como as guerras, revoluções, terremotos, tsunamis, enchentes ou quaisquer fenômenos) sejam estes humanos ou físicos ou naturais.

É bom entendermos a acepção evolutiva do contrato que denota o desenvolvimento gradual e progressivo de uma ideia, de um sistema ou de uma arte (Laudelino Freire, 1957).

Assim há outros sentidos análogos, daí existirem a evolução etimológica, a linguística, a antropológica, e, enfim, a evolução social. Portanto, a evolução do contrato se traduz na transformação temporal e espacial, conforme explicou Joseph Zaksas.

Tendo em vista os diversos períodos históricos e as variadas civilizações com especial destaque à civilização romana e, ipso facto, ao “contrato romano” nos períodos: pré-clássico, clássico, no Baixo Império, o contrato medieval (feudal), o contrato na Alta Idade Média, o contrato do Código Napoleônico e o contrato na pendência deste, até enfim as suas mais recentes transformações vindo até a atualidade.

É relevante frisar que a evolução arrimada no atual Código Civil Brasileiro corresponde ao desenvolvimento sofrido por todo direito privado sob o influxo da repersonificação que consagrou a defesa da dignidade humana, da boa-fé objetiva e da função social de institutos típicos, tais como a propriedade, o contrato, a empresa, a família e a responsabilidade civil.

Ao focalizarmos o contrato no Direito Romano é indispensável apontar a noção de “obrigação” que sofreu enorme variação conceitual. No começo, não se cogitava de obrigação no sentido de relação individual. Nesses primórdios reinava intensa hostilidade dos grupos que permanecia mesmo entre os sobreviventes.

Mesmo quando se chegou a definiu a noção de um vínculo interpessoal, ainda se vivia em plena hostilidade, que se visava à punição pessoal para o descumprimento de qualquer compromisso. Fornece-nos um bom testemunho a Lei das XII Tábuas, quando estabeleceu o cumprimento da obrigação, assegurando como garantia, o próprio corpo do devedor.

Tertius nundinus partes secuntur si plus minusce secuerunt se fraude esto” que constava na Tábula III, que estabelecia um macabro concurso de credores mediante o qual se realizava a divisão do corpo do devedor insolvente, além do Tibre, para o pagamento aos credores com as partes em que o corpo era fracionado.

Um grande giro conceitual promoveu a Lex Poetelia Papiria (428 a.C.)[1] que substituiu a responsabilidade do devedor, que recaía sobre sua pessoa e sobre seu corpo, para incidir sobre os seus bens pecuniae creditae bona debitoris, non corpus obnoxium esse.

Numa sociedade de costumes mais rudimentares encontrava-se nas trocas individuais o nexum que representava o procedimento mais comum e natural de estabelecer as relações obrigacionais. Com o desenvolvimento econômico e social veio a surgir o contrato e, naturalmente o seu poder vinculativo, como expressão do mais puro individualismo.

O que as pessoas enunciavam oralmente tinha a possibilidade de criar direitos e já era assim consagrado na Lex XII Tabularum, em sua Tábula VI. O contrato nascido do ritual da palavra vinculava os contratantes, e uma vez celebrado, com observância dos requisitos, impunha-se obrigatoriamente aos contratantes.

A evolução da sociedade romana foi tornando a vida cada vez mais complexa, surgindo uma pluralidade negócios e a necessidade de dar maior materialidade aos contratos.

Então, como relatou Gaius, surgiram as quatro principais modalidades de contratos, a saber: contratos re  ( uma espécie de contrato real) que se perfaziam mediante a entrega de uma coisa; o contrato litteris ( que se completava pela inscrição no codex do credor); o contrato verbis (que se realizava mediante a troca das palavras sacramentais), dos quais o mais relevante era a stipulatio.[2]

Apenas mais tarde, veio surgir o contrato consensu, cujo nascimento foi lento e complexo. E, nem por isso, arrefeceu a afirmativa de Gaius que pontificava: “as obrigações ora nascem do contrato ora do delito”.

No Baixo Império romano ocorreu preciosa mutação no contrato, através do simbolismo que mais tarde bem caracterizou o direito germânico. O contrato obrigava mediante a simples proclamação verbal[3] que veio aprofundar na Idade Média.

Interessante observar que a boa-fé é oriunda da fides dos romanos que fora considerada como poder e como promessa, representava o respeito à palavra dada, o que posteriormente, nos levou a uma acepção ética. Fides era, o ponto inicial para haver confiança e se manifestava de diversas formas, como fides patroni (nas relações de patronato e clientela, esta tida como uma classe intermediária entre cidadãos inteiramente livres e os escravos) e afides populi romani (que atuava na esfera internacional para fundamentar o poder político do Império Romano e no plano das relações internas tratando com a legitimação de poder e da força política).

Portanto, a boa-fé se desenvolveu a partir do conceito de fides, que dava ampla margem ao julgador para decisão mediante o caso concreto. Alguns doutrinadores apontam a boa-fé como a ponte do direito romano que permitiu a passagem do formalismo para o consensualismo, posto que desaparecendo a certeza e a materialidade ritualística da forma, foi a boa-fé entre os contratantes que deu base à relação jurídica obrigacional. Durante a Idade Média, o direito civil sendo fortemente influenciado pelo direito canônico, conferiu à boa-fé forte carga ética que se equiparava à má-fé ao pecado.

A necessidade de segurança jurídica trouxe a exigência de serem observadas todas as formalidades exigidas pelo Direito Romano, e estas eram frequentemente atribuídas aos escribas, que reduziam por escrito todas as convenções das partes, consignando que todos os rituais haviam sido observados, embora em verdade não o tivessem sido. De tal forma que se generalizou a praxe que consagrou que a menção do fato valia pelo próprio fato. Portanto, passou-se a considerar que bastava a declaração de que as formalidades haviam sido cumpridas[4].

Não se abdicava do formalismo contratual, mas sua proclamada observância produzia seu efeito de cumprimento. Assim, teve começo a categoria dos contratos consensu que se formavam independentemente de todo elemento material.

Simultaneamente sob a égide do elemento religioso, foi introduzido o juramento servindo como boa técnica de atribuir maior validação às declarações dos contratantes; quem faltasse ao juramento procedia como se houvesse incorrido em mentira, e esta, era também tratada como peccatum. Portanto, sem abolir de todo a sacramentalidade dos rituais, ainda prevalecia o valor da palavra nas avenças.

Cada uma das etapas históricas do contrato forneceu positivas contribuições evolutivas. Quando se cogitava em vinculação do sujeito pela palavra oral, ou sua passagem para a forma escrita, ou o regresso à oralidade do compromisso, onde o direito se depreende do feitichismo da ritualidade do passado vindo se assentar em princípios, apesar de todas as contribuições germânicas, as influências cristãs e a participação visigótica.

Foi na construção lusa que localizamos a origem de nosso direito codificado mais propriamente, nosso Código Civil de 1916 que serviu de parâmetro até final do milênio. Remontando-se a origem do direito pátrio e o anseio pela codificação que veio por três reis portugueses que vincularam seus nomes aos majestosos monumentos legislativos. À frente D. Afonso V[5] que viveu no século XV com as Ordenações[6] por ele editadas, consagrando o direito primitivo do Reino de Portugal, e que subsistiram por dois séculos.

Superadas as Ordenações Afonsinas[7] pelo tempo e contexto histórico vieram as Ordenações Manuelinas que foram contemporâneas às grandes navegações e descobertas com a ampliação do reino lusitano pelos novos caminhos que rendeu o cognome de “Feliz” ao D. Manuel, também chamado de “o Venturoso”.

Com a marca dos dedos de Dom João I, o Mestre de Avis, sucedeu-lhe as Ordenações Filipinas que tiveram longeva vigência. Tendo sido editadas no período de ocupação por Dom Felipe IV de Espanha e transcenderam a restauração do império português. Só sendo revogadas em Portugal com o Código Civil de 1867, tendo subsistido no Brasil até o advento do Código Civil de 1916 lhe pusesse termo quando entrou em vigor em 01/01/1917.

2.Historiografia brasileira do contrato e do direito civil.

A Constituição de 1824, do Império brasileiro em seu art. 179, n.18 recomendou que se organizasse o quanto antes um Código Civil e um Criminal que atendessem às necessidades brasileiras e se sujeitassem ao estado da ciência jurídica. Coube ao governo imperial deliberar como medida liminar à codificação principalmente do Direito Civil que se achava em esparsa legislação, assistemática e desorganizada.

Na época fora nomeado o notável civilista Augusto Teixeira de Freitas[8] que aceitou o encargo em 1858, vindo a entregar a Consolidação das Leis Civis que representou notável trabalho e que inspirou os principais trabalhos legislativos no Brasil e na América Latina.

Recebida a Consolidação, entendeu o governo brasileiro de confiar a Teixeira de Freitas a elaboração de um código definitivo. Vindo a se dedicar e, em 1865, veio a divulgar uma parte do Esboço do Código Civil que fora considerado muito extenso, totalizando quase cinco mil artigos como apontou Comissão. O prévio parecer crítico da Comissão da época constrangeu o notável jurista, vindo a suspender a execução do contrato, e a rescindi-lo em razão da divergência suscitada e, enfim, não vem a terminar o Esboço. Freitas[9] então se manifestou queixoso de ingratidão da qual se considerava vítima.

Convidado Clóvis Beviláqua[10], seu projeto foi encaminhado ao Plenário da Câmara e, em 1902, é finalmente aprovado e, enviado ao Senado brasileiro[11]. Finalmente convertido em Lei (Lei 3.071, 01/01/1916) vindo a entrar em vigor no primeiro dia, do ano seguinte. Ficando vigente apesar de variadas e sucessivas modificações adjetas no restante do século.

É fato que o Código Civil Brasileiro de 1916 teve como séquito uma numerosa legislação extravagante que veio ao longo do tempo trazendo profícuas inovações, melhorias, adaptações e atualizações desde que a Lei 3.725/1919 veio a limitar as emendas redacionais ou por simples revisão gráfica.[12]

Tal qual ocorrera com o Código Civil Alemão (BGB de 1896) o nosso código civil de 1916 também se fez acompanhar da adjeta Lei de Introdução. E, diversamente do que fez o Código tedesco que a posicionou ao final do BGB, nosso legislador pátrio preferiu colocá-la antecedendo ao código propriamente dito.

A então Lei de Introdução, Decreto- Lei 4.657/1942 veio a fixar o princípio do prazo único ou simultâneo para a vigência da lei em todo território nacional, ao invés do regime de prazo sucessivo anteriormente em vigor. A referida Lei de Introdução mereceu nova redação dada pela Lei 12.376, de 2010 e passou a ser denominada de “Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro”. (Vide: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del4657compilado.htm).

Outra solução memorável foi para o conflito de leis no tempo e espaço[13], pois o art. 6º da referida Lei de Introdução substituiu a doutrina subjetiva de Gabba[14] pela tese objetiva de Roubier[15]. E, ainda dispõe que é competente a autoridade judiciária brasileira, quando o réu por domiciliado no Brasil, ou que aqui tiver que ser cumprida a obrigação (art.12).

Houve séria contribuição doutrinária e jurisprudencial em quase meio século que atuou convencendo sobre a necessidade de uma revisão em profundidade do Código Civil de 1916[16].

O governo então designou, nesse propósito, Comissão composta de civilistas notáveis, aos quais se atribuiu o encargo de elaborar o Código de Obrigações (Orosimbo Nonato, Philadelpho Azevedo, Hahnemann Guimaraes).

Pareceu aos três mestres ser mais urgente o problema da seara obrigacional[17] tendo em vista a atender às modificações operadas pelas leis posteriores, seguiu as modernas tendências do direito, mitigando os excessos típicos do individualismo positivista e incompatíveis com a ordem jurídica da época e reduzir a dualidade de princípios aplicáveis aos negócios civis e mercantis que devem reger todas as relações de ordem privada (consta na Exposição de Motivos que apresentou o Anteprojeto ao então Ministro da Justiça Francisco Campos).

A douta proliferação de leis nos últimos cinquenta anos referendada pela Comissão, e já em dez anos de vigência do Código Civil havia o cotejamento de reforma. Então, a ilustrada Comissão de 1941 mostrou que a unificação dos princípios[18] gerais sobre as obrigações e a disciplina dos contratos em espécie, apresenta, sobretudo, a vantagem de resolver o problema do direito mercantil que ficará desta forma, reduzido a um restrito número de preceitos reguladores da atividade profissional dos comerciantes. As matérias relativas às sociedades empresariais e ao transporte comportarão, ainda, codificações autônomas.

Fora publicada a Parte Geral do Anteprojeto em 19/02/1941, não lhe faltando, porém, observações e críticas sobre todas suas partes. Caio Mário opinou que a mais injusta das críticas fora dirigida ao propósito da unificação de Direito obrigacional.

Entre os variados analistas, Caio Mário rendeu justas homenagens a João Baptista Vilela que teve acesso aos arquivos do Ministério da Justiça, e pôde entender suas contribuições. Contudo, a ideia reformista subsistia e prosseguiu acesa no governo de João Goulart, recebendo especial apoio do então Ministro da Justiça, João Mangabeira.

Finalmente, Caio Mário da Silva Pereira e Orlando Gomes assumiram a nobre incumbência de elaborar o Anteprojeto do Código de Obrigações de 1965, tendo sido entregue o trabalho completo em 25/12/1963. E fora fiel a unificação do Direito das Obrigações conforme bem preconizou Teixeira de Freitas, precedendo a sua proposição à prolazione, divulgada há meio século antes.

Com razão pontificou Caio Mário que não havia razão científica para que se submetessem a regimes diferentes relações jurídicas de idêntica natureza, ou em razão unicamente do caráter subjetivo de seus integrantes.

Veio então o golpe de Estado de 1964 e, em seguida, instaurou-se o governo de Castelo Branco que nomeou Caio Mário da Silva Pereira para a Chefia do Gabinete, confiando-lhe os trabalhos da reforma dos Códigos (Civil, Penal, Processo Civil, Processo Penal, Trabalho e Processo do Trabalho).

E, permaneceu ainda vinculado ao seu Anteprojeto de 1963 e continuou como secretário da Comissão composta por Orozimbo Nonato, Orlando Gomes, Nehemias Gueiros, Sylvio Marcondes e Theóphilo Azeredo. Santos. Depois de numerosas reuniões efetuou finalmente a entrega do Presidente da República, com o relatório de Caio Mário, em 24/09/1965.

Conveniente expor a divisão do relatório que bem explicita o conteúdo do projeto: Visão geral; unificação do Direito Obrigacional; Visão analítica – negócio jurídico; contratos; declaração unilateral de vontade; responsabilidade civil; enriquecimento indevido, títulos de crédito, empresários e sociedades.

Paralelamente ao Anteprojeto de Código de Obrigações, promoveu-se a elaboração de um projeto de Código Civil, cuja redação foi confiada ao Professor Orlando Gomes que o entregou ao Ministro da Justiça. E, para revê-lo foi constituída Comissão, composta de Orozimbo Nonato, Orlando Gomes e Caio Mário da Silva Pereira. De posse de ambos os projetos, o presidente os enviou ao Congresso Nacional para discussão e votação.

Mas, ao invés de enfrentar as críticas que naturalmente haveriam de surgir, pois que ambos continham necessárias inovações que se defrontavam com ideias já assentadas, o governo recuou.

E o pretexto para a retirada do Projeto de Código Civil fora este ser divorcista. Assim perdeu o país a oportunidade de efetuar a reforma do Direito Civil estruturado sobre dois projetos de alto nível que consagravam os progressos da ciência, os mais modernos conceitos em vigor em países adiantados.

No governo de Arthur da Costa e Silva, não teve seu Ministro da Justiça[19] nenhuma sensibilidade com o trabalho já realizado e, entendeu por começar tudo novamente. Nomeando a Comissão em 1972, sob a coordenação de Miguel Reale, José Carlos Moreira Alves, Agostinho Alvim, Sylvio Marcondes, Ebert Viana Charmoun, Clóvis Couto e Silva e Torquato Castro.

Apesar de notável qualidade dos juristas componentes, pecava o anteprojeto por falta de unidade de pensamento, e de certa timidez na adoção de soluções mais modernas aliada à inadequação de proposições à realidade econômica e social do país.

Então ocorreram mais de 700 (setecentas) emendas, das quais as duzentas emendas de autoria de Caio Mário da Silva Pereira sendo reeditado em 1973 sem melhorias sensíveis.  Enviado ao Congresso em 1974[20] entrou em morosidade letárgica até 1983, quando por iniciativa do relator, recebeu aprovação relâmpago.

Recebido o projeto de código civil que tomou o número de 634-B, de 1975 logo recebeu numerosas emendas. As novidades que a legislação extravagante e a Carta de 1988 inseriram em nosso direito positivo são de tal extensão, e tal alcance que o projeto de Código Civil não tinha a menor chance de ser convertido em lei. Convocaram juristas, escolas de Direito, instituições de classe, num apelo para que retomasse a discussão[21].

O contrato está intimamente ligado à vida social, posto que todos contratem, seja pela mais singela manifestação de vontade que é geradora de direitos e obrigações elementares, seja na elaboração de documentos mais complexos.

Quem observou as figuras do contrato romano, verificou que sobrevivem no direito moderno e nos códigos atuais, apesar de influenciados por novas ideias. Assim o Código Civil brasileiro reproduziu a tipologia contratual romana. Como a execução do contrato de edição, da representação dramática e do seguro, a contratualística de 1916 é aproximadamente a mesma da codificação justiniana do século VI.

Subsiste a mesma técnica e predomina a concepção consensualista, com nítidos resquícios romanos, como por exemplo, a permanência da figura dos contratos reais na fase da formação das avenças, substituída pela ideia consensualista inicial, apesar da doutrina de traditio da coisa ser convertida em elemento fundamental de sua execução.

Concluímos que há, portanto, quatro fases nítidas na evolução do contrato: 1ª subsistência da ideia contratualista clássica; 2ª decadência ou declínio do contrato[22]; 3ª retomada de prestígio; 4ª surgimento de novas figuras contratuais.

No contrato que recebemos do passado romano e que sobreviveu no Código Civil de 1916 onde predominou o individualismo liberal, conforme enunciou o art. 1.134 do Código Napoleônico[23].

Como consequência, os juristas deduziam – quem diz contratual, diz justo[24]. O princípio do equilíbrio econômico do contrato demonstra claramente o seu caráter reformulador em relação à teoria contratual clássica na medida em que se encontra amparado em uma ideia de igualdade não apenas formal entre os contratantes, mas também, e principalmente, a igualdade substancial é levada em consideração.

Assim, analisando-se a igualdade das partes dentro do contexto social – e não absorvida desta realidade, como no caso da igualdade formal – pode-se verificar a existência, em determinadas situações, de desigualdades pungentes no poder negocial das partes, em face da qual “a disciplina contratual procura criar mecanismos do balanceamento das prestações”.

Desta forma, o princípio em comento representa uma busca de justiça contratual por outra forma que não pela simples liberdade de manifestação da vontade. Em verdade, a justiça pretendida pelo princípio do equilíbrio econômico do contrato, encontra-se embasada na ideia de paridade nas obrigações das partes.

Do seu lado, o contrato fundava-se na noção fundamental da liberdade de contratar e, alicerçava-se na convicção de que o contrato resultava do equilíbrio dos interesses econômicos. Desta forma, nenhuma força estranha poderia interferir na economia do contrato.

O século XIX consagrou-se com uma provecta conquista da liberdade individual. Ao elaborar o seu Código, satisfez-se somente com a sua finalidade de assegurar a igualdade jurídica dos contratantes. Porém, o século XX foi mais ambicioso e René Savatier apontou novos caminhos dentro da evolução do contrato, considerando como medida “na escala do homem, do indivíduo”.

Após os desequilíbrios gerados pelo contrato[25], este passa a ser visualizado por diferente ângulo. E na dicção de Savatier “coloca-se na escala da coletividade, na escala da humanidade inteira”. Sem dúvida, foi uma nova corrente de pensamento, que penetraria no Direito Civil, abrindo horizontes diferentes, e gerando conceitos diferenciados. Modificando profundamente todo o direito privado.

Foi o próprio Savatier que assinalou indisfarçável mutação na filosofia do contrato, “menos considerado como livre construção da vontade humana do que como uma contribuição das atividades humanas à arquitetura geral da economia de um país, arquitetura que o Estado atual entende agora dirigir diretamente”.

Novos parâmetros mensuram o valor do contrato: o primeiro foi a concentração dos princípios de ordem pública; o segundo é a potestatividade das prestações, ou a sua correlação. Desse paralelogramo de forças desenhado pelas forças do Estado e pela autonomia da vontade, de que a manifestação contratual é apenas resultante. Por consequência da economia social que se tornou cada dia mais acelerada e o seu reflexo na vida privada, se traduzindo no justificável dirigismo contratual como princípio informativo do direito contratual.

Tamanha interferência estatal na economia do contrato levou muitos juristas impregnados das concepções individualistas advindas do século anterior, a proclamarem o declínio do contrato[26], entendendo equivocadamente que os Códigos de puro direito privado se transformariam em Códigos de Direito Social.

Porém quem acompanha o curso do contrato, através da doutrina e de sua disciplina nos Códigos tem a impressão de que permanecera sem alterações, por longo tempo da civilização ocidental.

Louis Josserand procurou demonstrar que esse imobilismo é tão-somente aparente, profetizando que as transformações jurídicas e econômicas que sofreu forçosamente geraria a criação de novos contratos.

Gaston Morin[27] testemunhou o aumento quantitativo e qualitativo dos contratos no sentido de que “conteúdo quantitativo obrigatório dos contratos” enriqueceu-se e sua irradiação estendeu-se. Em resumo: aumentou em quantidade e em ampliou-se suas qualidades.

A participação do fator econômico e do jurídico obrigou necessariamente a aproximação dos contratos, a tal ponto que “aquele direito privado que fizera parte o contrato que era o instrumento por excelência da vida econômica, teria sido tragado pelo Direito Econômico, e não mais existe onde se implantou a nova economia, coordenada e dirigida pelo Estado”.

Consequentemente em face da unidade da ciência jurídica impõe que o fenômeno contratual não pode ser tomado como exclusivo de um ou de alguns segmentos do mesmo complexo jurídico.

Nas suas modalidades contratuais e não na sua essência, o contrato é subordinado ora à pertinência a um deles, ora a outro, com referência ao Direito Econômico, como província jurídica que vem conquistando autonomia (Ives Gandra da Silva Martins, Jacques Blanc e François Rigaud, A. Pedrome e Izabel Vaz e Veniamin).

Essa tipologia no Direito Contratual Brasileiro inclui os contratos bancários, a incorporação imobiliária, a alienação fiduciária em garantia, joint venture, leasing, factoring, know-how, engeneering e hedging. Muitos doutrinadores apontam que o ponto principal da contratualidade contemporânea decorre do esvaziamento axiológico do princípio da autonomia privada.

O que operou transformações profundas na teoria contratual principalmente pela gradativa deterioração da base voluntarista do contrato e ainda preso a uma visão formal da autonomia da vontade que pretendia explicar e esgotar todo o universo contratual.

3.O contrato de adesão e a teoria dos contratos

Um dos principais causadores da debilidade da teoria clássica dos contratos que era calcada exclusivamente na vontade dos contratantes foi o crescimento da contratação de adesão.

Em tempo, os contratos de adesão são aqueles em que um dos contratantes adere em bloco ao conjunto de cláusulas contratuais preestabelecido pelo consorte contratual. Em sua etiologia destaca-se o esfacelamento de um dos mais relevantes alicerces da liberdade contratual; o da definição do conteúdo do contrato.

O contrato de adesão[28] insere-se no macrossocial na chamada massificação social. Nesses contratos, não são discutidos individualmente, assim como o real centro decisório não está presente no momento nem no local da contratação.

Assim, a contratação atende a realidade mercadológica, visando estabelecer modelos contratuais abrangentes e capazes de abarcar um bom contingente de pessoas. Sendo o contrato um encontro de vontades onde o enlace promovido pelo vínculo obrigacional selando a cooperação dos contratantes e delimita a sua eficácia (relatividade dos efeitos do contrato).

Se encararmos o contrato de adesão como um ataque à autonomia da vontade, teríamos o abalo de toda teoria dos contratos entoando o que chamam alguns a “crise do contrato” propondo uma gradativa redução do poder de vontade de um dos contratantes, fato que reduz a legitimação do fenômeno contratual.

A perda do poder contratual e o arrependimento da vontade individual na formação e funcionamento da relação contratual fez com que a doutrina viesse diferenciar a autonomia da vontade de autonomia privada (enfatizando nesta última expressão a importância do ordenamento jurídico na delimitação do espaço privado) e, ainda assinalar o distanciamento do modelo contratual socioeconômico do modelo contratual jurídico.

Percebe-se que a tutela jurídica do contrato no molde meramente formal ocorre a participação volitiva dos contratantes que é mínima, o que atesta o esvaziamento axiológico do princípio da autonomia negocial, com o surgimento de um novo conceito jurídico: o de autodeterminação.

Brilhantemente explica Joaquim de Souza Ribeiro que autodeterminação é conceito de valor, representando o poder concreto de o sujeito decidir seus caminhos e, determinar sua situação jurídica, é o autorregular-se nas palavras de Pontes de Miranda.

É a autodeterminação que dá conteúdo e substância à autonomia privada, dando-lhe sentido material. Cogita-se na tutela material do contrato a fim de resgatar o poder decisório contratual dos pactuantes e, ainda manter o respeito aos valores da pessoa humana.

O emblemático contrato de adesão como realidade massificada tendo sua disciplina jurídica no art. 54 do CDC onde se procura proteger o lado mais fraco, o consumidor e de maneira a evitar o desequilíbrio contratual.

Nessa produção protetiva insere-se a proibição às cláusulas abusivas previstas no art. 51 do CDC, a vedação ao abuso do direito que pode acarretar o desequilíbrio[29] das prestações contratuais (lesão contratual).

A proteção restrita do consumo representa mera visão parcial da contratação de adesão, posto que a massificação contratual não se reduza às relações de consumo (apesar de ser grande campo de incidência).

Também relações empresariais e civis se servem de contratos massificados, fato que se comprova através de modelos contratuais formatados por grandes empresas e que verdadeiramente regem certos setores negociais (franchising e leasing).

Daí decorre a necessidade de se proteger os contratantes regidos pelo Código Civil. Desta forma, é curial observar os contornos da proteção do contratante aderente nas construções civis e empresariais.

Dois dispositivos legais resumem basicamente a proteção no contrato de adesão: o art. 423 do CC que dispõe interpretação favorável ao contratante aderente e em outra regra proibitiva de renúncia de direitos por parte deste (art. 424 do CC).

O equilíbrio negocial ou contratual é difícil de ser discutido e nos remete a ideia do o que é justo, o que é equilibrado. Ante o receio de quebrar a segurança jurídica, as soluções geralmente oscilam entre as opções de delegar ou ao legislador a determinação do conteúdo equilibrado do contrato (o exemplo é o tabelamento de juros) ou à livre deliberação volitiva das partes (cujo funcionamento reside, portanto, na autonomia privada dos contratantes).

A vontade das partes constitui a justificativa para o equilíbrio existente no contrato (portanto, o equilíbrio negocial é construído pelas partes). E a base teórica que sustenta que tal conexão é o voluntarismo jurídico que considera a vontade das partes como instrumento legitimador de todo universo contratual.

Porém, no contrato de adesão não pode ser basear exclusivamente na vontade das partes posto que não haja o exercício efetivo da autodeterminação judicial. De sorte, que é necessário impor limitações explícitas à liberdade negocial e prover normas abertas que permitam ao julgador, acesso a uma tábula valorativa constante no ordenamento jurídico pautado no equilíbrio contratual possível a partir dos dados concretos que lhe forem apresentados.

A verdade é que a dinâmica negocial bem como a conservação da racionalidade descompassada com o atual estágio da dogmática contemporânea (tendente a suplantar a exclusividade do modelo hermenêutico da subsunção) desaconselha a adoção do primeiro caminho como meio de concretização do equilíbrio contratual.

A adoção de tal solução para a construção de equilíbrio negocial passa pelo reconhecimento da vinculatividade de normas principiológicas.

É a aceitação das normas abertas que aponta para a abertura do sistema jurídico aos fatos sociais configurando-se como resposta do mundo jurídico à velocidade das transformações e exigências sociais. E com a teoria do contrato passou igualmente a dar maior espaço para os princípios como categorias dogmáticas como, por exemplo, a classificação dos contratos desta forma, desenvolve-se a tutela material dos contratos com base na carga axiológica presente e estatuída pelo vigente texto constitucional.

Pode-se efetivamente cogitar num modelo contratual constitucionalizado calcado nos princípios como o da igualdade substancial, sendo o ponto crucial para a construção do conceito de equilíbrio contratual.

Portanto, é a igualdade material o esteio lógico da justiça social. Amparada pela boa-fé objetiva e a função social[30] do contrato. Prezando que o contrato não deve servir de instrumento para que, sob a capa de mero equilíbrio formal, as prestações em favor de um contratante lhe acarretem um lucro exagerado em detrimento do outro contratante.

4.Conclusão.

É certo que o princípio da igualdade substancial redimensiona o vínculo contratual e também a legitimação da construção do equilíbrio negocial, que é erigido dos valores centrais do sistema jurídico, e não baseado apenas na vontade individual das partes.

É reconhecido que no contrato de adesão o poder negocial é meramente mitigado. Havendo uma simplificação no consentimento.

Mesmo assim ainda vigora o princípio da igualdade substancial concretiza a cláusula geral da solidariedade social que deve estar voltada à verticalização dos interesses do homem. Eis o porquê há maior dirigismo estatal na mecânica do contrato de adesão.

Concluímos que a justiça contratual deixa de ser concebida como inexorável decorrência imediata da autonomia da vontade das partes. E a tutela material dos contratos passa a ser guiada também pelos interesses sociais (aspecto extrínseco da função social do contrato) e, por outro lado, pela concretização de um modelo de contrato que proteja e realize interesses e valores individuais dos contratantes, pautado pela observância aos deveres e imposto pela boa-fé objetiva, igualdade e solidariedade (variante intrínseca da função social).

Assim a regulação da política social corretiva da lex mercatoria operando espécie de saneadora redistribuição equânime e justa das vantagens e perdas que se realizam no complexo sistema contratual vigente.

Imperioso que haja também o controle da força perversa do mercado. Enquanto que o CDC exemplificou mais de dezesseis hipóteses de cláusulas abusivas (estampadas em seu art. 51), além de colocar verdadeira cláusula geral de abusividade contratual (inciso IV do art. 51), a codificação civil vigente peca ao resumir em vedar a renúncia antecipada a direito decorrente da natureza do negócio (sendo apenas uma das hipóteses do CDC).

Desta forma, restaram excluídas diversas práticas contratuais abusivas e verificáveis na massificação contratual, cabendo ao intérprete à áfrica de elaborar a tutela efetiva do contrato perante o aderente.

Nesse sentido, propõe-se o salutar diálogo das fontes definido pela Cláudia Lima Marques, explorando a textura aberta do sistema para possível concretização dos valores nas cláusulas gerais de boa-fé objetiva (art. 422), função social do contrato (art. 421) e o abuso do direito (art. 187) refazendo o aporte indispensável para real construção da proteção ao aderente.

Defende Judith Martins-Costa que as cláusulas gerais permitem a exata abertura e mobilidade do sistema jurídico. O princípio da proporcionalidade não atua apenas nas relações entre os cidadãos e o Estado, mas igualmente nas relações havidas entre particulares.

E, sustenta Perlingieri “que a vigência do princípio da proporcionalidade, diretamente na relação contratual, não somente, portanto, em chave vertical, nas relações “Estado-cidadão-organização”, mas também nas relações entre cidadãos. Isto que se constitui o aspecto mais interessante”.

Como o ordenamento jurídico pátrio dá prevalência aos valores existenciais, não é razoável que a interpretação contratual e a intervenção estatal do contrato pendam para os valores patrimoniais, há o paradigma da essencialidade consistente na tutela maior sobre o contrato que envolva interesses e necessidades existenciais.

A realidade contemporânea do contrato prima por defender a pessoa humana que se situa na principiologia central de nosso sistema jurídico, efetivando maior proteção ao mais vulnerável, o contratante aderente.

A doutrina contratualística vigente está “antenada” com os preceitos de boa-fé e da função social[31] dos contratos que são capazes de informar relações contratuais mais equânimes justas e razoáveis, num país marcado por desigualdades materiais, regionais e concretas que não são atendidas por qualquer intenção legislativa.

Enfim, pode-se afirmar que todo direito em uma função social, posto que só exista para e pela sociedade. É essa a função que dá conteúdo ao direito, informando-o e dirigindo-lhe a interpretação.

Esse movimento de funcionalização dos institutos jurídicos alcança também o contrato, impondo-lhe a busca pelo equilíbrio entre os interesses individuais e sociais. E, nesse sentido vem à codificação civil vigente propor a função social do contrato como razão e limite da liberdade contratual.

O contrato é o elo que, de um lado, põe o valor do indivíduo como aquele que o cria, mas de outro lado, estabelece a sociedade como o lugar onde o contrato vai ser executado e onde vai receber uma razão de equilíbrio e medida.

Desta forma, terceiros poderão ser partes do contrato, comportando relativização dos princípios clássicos dos contratos, o controle das cláusulas abusivas e iníquas: o controle da conduta das partes contratantes; a ponderação de valores econômicos e a justiça dos contratos.

Entende-se, portanto, que a função social está diretamente relacionada com a realização do contrato constitucionalizado, com vistas à justiça social e que impõe que o exercício dos direitos individuais seja voltado para a realização de fins e valores estabelecidos pela Constituição da República brasileira para que encontre tutela jurídica.

Por sua vez, a boa-fé objetiva é direcionada à conservação ou promoção de saudável ambiente contratual, primando pela lisura contratual, o que serve para a consolidação de ambiente mercadológico socialmente justo.

Afinal, o desafio de compreender como aponta Fachin[32] o Direito Civil do terceiro milênio para estar próximo aos fatos e às circunstâncias, saber conviver com uma indispensável instabilidade que lhe dê entradas e saídas, dos fatos para o Direito e do Direito para os fatos.

Poucos conceitos evoluíram tanto como o conceito de contrato e tamanha evolução já tinha sido abordada pelo saudoso San Tiago Dantas, apontando as flexibilizações doutrinárias dos princípios e a imposição do interesse público, sem quebra do sistema. (DANTAS, [ Francisco Clementino de] San Tiago. Evolução contemporânea do direito contratual. São Paulo: Editora Revista Forense, Rio de Janeiro, v. 139, p. 5-13, jan./fev. 1952).

A evolução do contrato representa a “árvore genealógica” das modernas figuras contratuais (…).  O contrato romano entrou numa segunda fase onde o rigor exacerbado das formalidades e solenidades não lograram sobreviver, devido guerras púnicas.

Devido à beligerância de Roma, surgiu o jus gentium tornando-se comum os negócios entre viajantes e cidadãos. A Lei Poetelia, de 326 de a.C. transformou a antiga figura da sponsio[33] com firme carga formal em stipulatio (onde vigeria maior liberdade quanto às formalidades negociais).

A terceira fase do direito romano, o contrato conheceu o apogeu, onde atuou diretamente o pretor, auxiliado pelos jurisconsultos clássicos.

A quarta fase é a da cognitio extra ordinem em que a simples manifestações e convenções tornaram-se válidas e novas figuras contratuais (assim, já nessa época, se conheciam os contratos atípicos, ou seja, aqueles sem previsão legal específica).

O desuso das solenidades contratuais ocorreu após Constantino. O Direito Privado foi dominado pelas práticas forenses mais simples e rápidas. O que importava era conventio (considerada por Flávio Tartuce como o embrião da autonomia da vontade) e, nessa fase deixaram as formalidades de ser tão importantes.

O código de 1804 (Napoleônico) pode ser encarado como uma tentativa de rompimento com o Direito Romano, e pretendeu regular o contrato, tornando-o um instituto complexo e dotado de amplos mecanismos.

E, contemporaneamente é inexorável perceber que o contrato não é mais um instituto regulatório dos interesses dos contratantes, não se traduz apenas como “lei entre as partes”, onde as regras tradicionais se curvam de maneira a harmonizar os interesses individuais com os interesses da coletividade e do bem público.

A estrutura clássica do contrato pautada no pacta sunt servanda puro e simples passou por profundas transformações, permitindo a possibilidade de revisão das cláusulas e de seu conteúdo, submetendo-se ao rebus sic stantibus, enfim otimizando sua execução.

A contundente mudança estrutural do Direito contratual foi guiada pela mass consumption society, ou seja, pela sociedade de consumo, onde predominam o contrato de adesão e onde há o imenso desequilíbrio da equação contratual.

Portanto, novos paradigmas foram traçados desde a Constituição Brasileira de 1988 com endosso do Código Civil de 2002 e, ainda, do CDC, a Lei 8.078/1990 que traduzem o esforço de se manter o equilíbrio da base objetiva negocial do contrato e, permitir o fiel cumprimento de sua função social[34].

É nítida a socialização do contrato bem como o dirigismo contratual, principalmente diante das leis protetivas do consumidor, havendo consequente abrandamento dos princípios da força obrigatória das convenções (pacta sunt servanda).

E, tal socialização dos contratos tem seu embrião no art. 5º, da LICC e que ganho reforços constitucionais da proteção da dignidade da pessoa humana e solidariedade social, a isonomia ou igualdade lato sensu (que constroem a espinha dorsal da constitucionalização do Direito Civil e com efetivos reflexos em todo direito privado).

E, ainda, pelos princípios apontados por Miguel Reale, como a socialidade, eticidade e a operabilidade que propõe o prestigiado diálogo das fontes.

Lembrando-se que o princípio da função social do contrato é de ordem pública e deve ser encarado e interpretado em todas as fases contratuais e de acordo com o contexto social (denota a proteção dos direitos metaindividuais e difusos e ainda a função socioambiental dos contratos).

Assim imbuído o Direito Civil de maior concretude confirma a análise social do contrato pelos dispositivos arts. 50, 108, 157, 170, 187, 317, 406, 422, 423, 424, 478, 479 e 2.035 do Código Civil de 2002, e, ainda, o art. 608 do CC que prevê a responsabilidade de terceiro aliciados (que não é parte no negócio). Esse último dispositivo legal citado traz o salutar princípio da retroatividade motivada ou justificada da função social do contrato.

Flávio Tartuce bem como outros doutrinadores de peso repudia a ideia de crise dos contratos, acreditando-se num conceito emergente, num contrato contemporâneo que continua a ser a fecunda fonte dos direitos de crédito, sendo a força motriz da circulação de riquezas e oportunidades.

O direito obrigacional afinal existe e evolui no intuito de estabelecer e aperfeiçoar as diretrizes éticas- jurídicas para autorregulamentação dos particulares. Pois o Estado Democrático de Direito não coaduna com a miséria de uns ao lado do enriquecimento de outros, numa desproporcional gangorra das relações contratuais.

 

Referências
ALTAVILA, Jayme de. Origem dos Direito dos Povos. 5.ed.,São Paulo: Ed. Ícone, 1989.
BARBOSA, Rui. Réplica. Obras completas de Rui Barbosa: v.XXIX, 1902, tomo 2 e 3, Rio de Janeiro, Ministério da Educação e Cultura, 1949.
BEVILÁQUA, Clóvis. Código Civil dos Estados Unidos do Brasil: comentado por Clóvis Beviláqua. Ed. histórica. Editora Rio: Rio de Janeiro, 1979.
COELHO, Fábio Uchoa. Curso de Direito Civil. Volume III. Editoria Saraiva. Edição, 2005.
(DANTAS, [Francisco Clementino de]  San Tiago. Evolução contemporânea do direito contratual. São Paulo: Editora Revista Forense, Rio de Janeiro, v. 139, p. 5-13, jan./fev. 1952.
FACHIN, Luiz Edson. LIRA, Ricardo Pereira (coordenador) Elementos Críticos do Direito de Família. Rio de Janeiro: Renovar, 1999.
________________. O “aggiornamento” do direito civil brasileiro e a confiança negocial: Repensando Fundamentos do Direito Civil Brasileiro Contemporâneo. Rio de Janeiro: Renovar, 1998.
JUNIOR, Erouths Cortiano; MEIRELLES, Jussara Maria Virada Maria Leal de ; FACHIN. Luiz Edson; NALIN, Paulo. Apontamentos Críticos para o Direito Civil Brasileiro Contemporâneo – Anais do Projeto de Pesquisa Virada de Copérnico. Curitiba: Editora Juruá, 2007.
 JUNIOR, George Newton Cysne Frota; CHAVES, José Vander Tomaz. Boa-fé objetiva e o combate à lesão objetiva. Disponível em: http://www.fa7.edu.br/recursos/imagens/File/direito/ic2/vi_encontro/BOA-FE_OBJETIVA_NO_COMBATE_A_LESAO_CONTRATUAL.pdf Acesso em 15 mai. 2012.
GOMES, Luiz Roldão de Freitas. Ricardo Pereira Lira (coordenador) Contrato. Rio de Janeiro: Editora Renovar, 1999.
GOMES, Orlando. Obrigações 14ª. ed. Atualizador: Humberto Theodoro Junior. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2000.
LEITE, Gisele. A evolução doutrinária do contrato. Revista Jurídica da Presidência. Disponível: https://www4.planalto.gov.br/revistajuridica/vol-9-n-86-ago-2007-set-2007/menu-vertical/artigos/artigos.2011-01-25.2767760084   Acesso em 15.  maio. 2012;
LIMA, Henrique. O Instituto da Lesão no Código Civil. Investidura, 03 jan. 2009. Disponível em: http://www.investidura.com.br/biblioteca-juridica/artigos/direito-civil/2288-o-instituto-da-lesao-no-codigo-civil.html. Acesso em: 15 maio. 2012.
PEREIRA, Caio Mário da Silva. Direito Civil – Alguns Aspectos de sua Evolução. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2001. 
­­­­­­­___________________________. Instituições de Direito Civil. Vol. I , 20.ed., Atualizadora: Maria Celina Bodin de Moraes. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2004.
___________________________. Lesão nos contratos. Edição com referência à Constituição de 1988, ao Projeto do Código de Obrigações de 1965, ao Projeto do Código Civil de 1975 e ao Código de Defesa e Proteção do Consumidor. 6.ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2001.
PINHEIRO, Ralph Lopes História Resumida do Direito, 2.ed.,Rio de Janeiro: Ed. Rio, 1981.
SALGADO, Gisele Mascarelli. Discussões Legislativas do Código Civil de 1916: Uma revisão historiográfica. Revista Âmbito Jurídico. Disponível em: http://www.ambito- juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leituras&artigo_id10…  Acesso em 21.08.2012
SOUZA, Ribeiro Gabriela.  A Prisão Civil no Ordenamento Jurídico Brasileiro. Monografia apresentada no Curso de Direito da Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul. Disponível em: http://www.uems.br/portal/biblioteca/repositorio/2011-07-14_10-55-58.pdf  Acesso em 21.08.2012.
TARTUCE, Flávio. A função social do contrato. São Paulo: Editora Método, 2008.
WARAT, Luiz Alberto. Introdução Geral ao Direito. – Interpretação da Lei – Temas para uma reformulação. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 1994.
Zaksas, Joseph. Les Transformations du Contrat et leur. Imprenta: Paris, Recueil Sirey, 1939.
 
Notas:
[1] Por volta do ano de 428 a.c., surgiu a Lex Poetelia Papiria, que aboliu a manus injectio, isto é, foi determinada a proibição do encarceramento, a venda como escravo e a morte do devedor.
[2] Alguns afirmam que em razão da constante evolução do sistema romano, não havia apenas um só direito romano, mas sim, vários direitos romanos, sendo que o contrato dos primeiros tempos se apresentava com acepção bem diversa da que o caracteriza, particularmente nos períodos clássico e justinianeu. Em sua primeira acepção o termo contrato, no antigo Direito Romano. equivalia ao ato pelo qual o credor submetia o devedor ao seu poder, em virtude do inadimplemento de uma obrigação. Era o ato de contrair (daí, contrahere), no sentido de restringir, apertar, enlaçar o devedor a uma promessa. O contractus inicialmente não podia existir sem exteriorização de forma, e havia três categorias utilizadas: litteris (inscrição material no livro do credor), o re (que importa na efetiva entrega da coisa) e o verbis (que se valia com a troca de expressões orais estritamente obrigacionais). A razão do formalismo tinha razão religiosa e prática. Os contratos só seriam abençoados pelos deuses se seguissem os rituais adequados.
[3] Para o romano, era um contrato de pergunta e resposta, formal e estreito. Define um dicionário latino: “Stipulatio est contractus qui fit per interrogationem unius et alterius responsionem, ex quibus paritur obligatio.”  Stipulatio, em outra definição do Digesto, é um concebimento de palavras por que o interrogado responde que dará ou fará o que lhe perguntam: “verborum conceptio quibus is qui interrogatur daturum facturumve se quod interrogatus est responderit.”
[4] Observe que no Direito Romano o contrato era instrumento para criar obrigações e não para modificá-las ou extingui-las. Para essas operações utilizava-se dos pactos, pacta adiecta.  . Re et verbis pariter obligamur. [Digesta 44.7.52.3] significando: “Nós nos obrigamos tanto por ato como por palavras”.
[5] Foi o décimo-segundo rei de Portugal e cognominado de “O Africano” pelas conquistas no norte da África. Uns autores cogitam ser D. Afonso IV e, outros, D. Afonso V (Vide: PINHEIRO, Ralph Lopes in História Resumida do Direito, 2.ed.,Rio de Janeiro: Ed. Rio, 1981, e ainda, ALTAVILA, Jayme de. Origem dos Direito dos Povos. 5.ed.,São Paulo: Ed. Ícone, 1989.). Verificar ainda em:  http://www.iuslusitaniae.fcsh.unl.pt/verobra.php?id_obra=70.
[6] As Ordenações Afonsinas (ou Código Afonsino) representam a primeira coletânea de leis da era moderna e estabeleceu a aplicação do direito canônico e direito romano no Reino de Portugal.
[7] Decretada por Afonso IV as Ordenações possuía cinco livros que versavam sobre Direito Administrativo (Livro I), Direito Constitucional (Livro II), Processo Civil (Livro III), Direito Civil (Livro IV), e Direito e processo Criminal (Livro V); as Ordenações Manuelinas datam de 1521 e foram elaboradas no reinado de D. Manuel, mantendo a mesma sistematização das Ordenações Afonsinas; e, finalmente as Ordenações Filipinas, que apesar de sua vigência ter iniciado em 1603, no reinado de Filipe II, sua elaboração iniciou-se em 1583, sob a égide de Filipe I. Sua sistematização de assuntos é a mesma das Ordenações anteriores, onde encontramos cinco livros, subdivididos em títulos e parágrafos.
[8] Augusto Teixeira de Freitas (1816-1883) foi um dos mais relevantes jurisconsultos brasileiros e reconhecidamente foi o jurisconsulto do império. Até hoje sua obra é objeto de profundos estudos acadêmicos no Brasil e no mundo. Formado pela Faculdade de Direito de Olinda, a atual Faculdade de Direito do Recife, mas tendo estudado também em São Paulo, foi o responsável pela elaboração da Consolidação das Leis civis brasileiras em 1848, e autor da primeira tentativa de codificação brasileira através de seu “Esboço de Código Civil” feita por encomenda de D. Pedro II por meio do decreto de 11/01/1859. Influenciou decisivamente os processos de codificação no Paraguai, no Uruguai, no Chile, na Nicarágua e principalmente na Argentina onde serviu de modelo de Código Civil elaborado por Vélez Sarsfield.
[9] O governo imperial decepcionado com a produção de Teixeira de Freitas nomeia então Nabuco de Araújo para terminar, e então em 1872, assinou novo contrato que o obrigava a terminar em um prazo de cinco anos. E, apesar da grande dedicação exclusiva ao projeto, Nabuco não conseguiu terminar tempestivamente. Requerendo ao Ministro Gama Cerqueira prorrogação sem vencimentos, no entanto, Nabuco poderia retornar a advogar.
[10] A indicação de Clóvis Beviláqua causou na época estranheza nos meios jurídicos. Afinal quem era esse homem a quem se conferia tão alta missão? Era modesto, confinado na província e seu nome não gozava de projeção maior apesar das obras publicadas. Tudo que se sabia que era um jovem professor de Filosofia do Direito e Direito comparado da Faculdade de Direito de Pernambuco, e não foram poucas as restrições que se lhe opuseram. Maior repercussão, pela sua autoridade foram as críticas de Inglez de Sousa e Rui Barbosa. (In MENEZES E AVEDO. Clóvis Beviláqua. P. 244).
[11] O chamamento de Rui Barbosa para confeccionar o projeto do Código Civil brasileira parecia ser a mais provável das alternativas no âmbito da política externa, mas ele seria justamente a figura que os banqueiros, que forçavam a reestruturação do país e a diminuição do risco do não pagamento da dívida externa, viam como a mais inadequada, principalmente em face de sua política de encilhamento que era apontada como a responsável por uma das grandes crises econômicas brasileiras.
[12] O Código Civil Brasileiro adotou a teoria da agnição na subespécie da expedição, é por isso, que o contrato entre ausentes se forma quando o oblato expede sua aceitação (art. 434 CC). Quanto aos contratos eletrônicos, que se dá entre ausentes, o enunciado 173 do CJF/STJ que informar: “A formação dos contratos realizada por meio eletrônico se completa com a recepção da aceitação pelo proponente”.
[13] BEVILÁQUA, Clóvis. Código Civil dos Estados Unidos do Brasil: comentado por Clóvis Beviláqua. Ed histórica. Editora Rio: Rio de Janeiro, 1979, p. 99. “Direito adquirido é um bem jurídico, criado por um facto capaz de produzi-lo, segundo as prescripções da lei então vigente, e que, de acordo com os preceitos da mesma lei, entrou para o patrimônio do titular. (sic.)”.
[14] Vários autores se debruçaram sobre a questão do direito adquirido, mas aquele cujas ideias alcançaram maior repercussão foi Gabba, referência indispensável a todos os que tratam do tema. Segundo o autor, direito adquirido é aquele resultante de um fato idôneo a produzi-lo, em virtude da lei do tempo em que o ato veio a se realizar, assim como o momento de fazê-lo valer não se tenha apresentado antes da vigência de uma nova lei relativa ao mesmo, e que nos termos da lei sob cujo império aconteceu o fato de que se originou, passou a fazer parte imediatamente do patrimônio de quem o adquiriu. O conceito formulado por Gabba disseminou-se a ponto de ser generalizadamente aceito, inclusive na doutrina nacional. São exemplos os conceitos dados por dois grandes estudiosos da matéria, o Professor Clóvis Beviláqua e o Professor Rubens Limongi França, ambos consoantes com a lição antes referida.
[15] Em sua obra clássica (Le Droit Transitoire, 1960), ao tratar da aplicabilidade da lei, Roubier faz a seguinte distinção entre efeito imediato e efeito retroativo da lei: se a lei prever a possibilidade de atingir fatos ocorridos no passado, então ela será retroativa, mas se sua incidência for somente nos fatos futuros, será de efeito imediato. Apesar da simplicidade inicial que o raciocínio apresenta, Roubier, em seguida, faz uma distinção mais detalhada entre os fatos a serem atingidos pela lei nova, que pode ser assim exposta: facta praeteria: se a lei pretende se aplicar aos fatos realizados no passado, será retroativa;
[16] Há uma peculiaridade na historiografia do Código Civil brasileiro de 1916 que é a disputa linguística sobre a redação desse diploma legal, realizada entre Rui Barbosa e Clóvis Beviláqua e, continuada por seus simpatizantes. E, justamente esse aspecto da língua foi apontado como principal causador da demora de anos do procedimento legislativo, apesar do conturbado contexto econômico. Inicialmente, ainda no império escolheu-se o grande civilista Teixeira de Freitas que enfim já havia consolidado o direito civil.  Abrindo a marcha, ora solene, ora trágica, ora célere e, ora vagarosa sobre a elaboração do Código Civil que vivenciou cinco distintos movimentos tal qual uma ópera: o primeiro o “passionato” (Teixeira de Freitas); o segundo movimento “afetuoso” (Nabuco de Araújo); o terceiro movimento “com motu” (Felício dos Santos); o quarto movimento “com anima” (Coelho Rodrigues) e o último movimento “agitato com fuoco” (Clóvis- Rui). (BARBOSA, Rui. Réplica. In Obras completas de Rui Barbosa: v.XXIX, 1902, tomo 2 e 3, Rio de Janeiro, Ministério da Educação e Cultura, 1949.).
[17] Beviláqua fez um breve resumo de seus enunciados de seu projeto: (…) c- Se o homem socialmente considerado tem primazia sobre o homem como indivíduo, se os interesses altruístas preferem aos egoístas, se como reconhece Savigny, os bens são uma extensão do poder do indivíduo, um atributo de sua personalidade cabe à precedência por amor da sociologia e da lógica, aos institutos da família, círculo de organização social sobre os institutos econômicos, meios de assegurar a conservação e o desenvolvimento da vida social (…).
[18] Incidem sobre os contratos três princípios básicos: a) Autonomia da vontade: significando a liberdade das partes de contratar, de escolher o tipo e o objeto do contrato e de dispor o conteúdo contratual de acordo com os interesses a serem autorregulados; b) Supremacia da ordem pública: significando que a autonomia da vontade é relativa, sujeita à lei e aos princípios da moral e da ordem pública; c) Obrigatoriedade do contrato: significando que o contrato faz lei entre as partes. Pacta sunt servanda. Os contratos devem ser cumpridos.
[19] Luís Antônio da Gama e Silva (de 1913 -1979) foi um jurista brasileiro, professor catedrático da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo e reitor da Universidade de São Paulo por um curto período, afastando-se do cargo para se tornar ministro da Justiça durante o governo de Artur da Costa e Silva, em 1967.
[20] O referido projeto que culminou no Código Civil de 2002 literalmente ”empacou” e na expressão de Rodrigo Cunha Pereira, depois de apreciável interregno, em 1969, houve uma tentativa de impulsioná-lo novamente com a comissão formada por Miguel Reale e José Carlos Moreira Alves, entre outros ilustres juristas. Então, elaborou-se um novo anteprojeto que fora publicado em 18 de junho de 1974 e, apresentado na Câmara somente em 1975, e ainda sob uma tramitação remansosa, aportou no Senado brasileiro somente em 1984. Então foi o projeto metralhado com 260 emendas e em 1991 fora arquivado por engano.
[21] Passados mais quatro anos, em 1995, o projeto foi ressuscitado, tendo sido nomeado para relatoria-geral o senador Josaphat Marinho.
[22] Apoio integralmente o entendimento de que a crise ou declínio do contrato é mais aparente do que real, vide nesse sentido TARTUCE, Flávio, A função social do contrato. São Paulo: Editora Método, 2008.
[23] Princípio consagrado no Código Napoleônico (art. 1.134), de origem romana anterior à Lei das XII Tábuas, e repetido por outras legislações. É a consagração suprema da autonomia da vontade, do poder da autonomia privada na criação de relações jurídicas. É a lex privata. Mesmo as legislações que não se referem a este princípio expressamente, o fazem de forma implícita ao obrigar o devedor a cumprir a obrigação na forma pactuada, sob pena de responder por perdas e danos. Mas o mais importante a ser salientado nesta regra, não é o fato do Estado se limitar a regular as relações jurídicas entre os interessados: esta regra é muito mais profunda, pois representa uma renúncia do Estado a interferir na liberdade individual em matéria de conteúdo dos atos, que ficam na inteira escolha dos particulares. Pela regra exposta, o Estado reconhece um limite à sua interferência, embora ele possa depois fiscalizar os efeitos desses atos e disciplinar estes efeitos de acordo com os interesses coletivos. O dirigismo contratual tem tentado destruir aos poucos este princípio, mas a vida diária nos prova que os particulares continuam ignorando os princípios estatais em muitos campos, continuando a fazer contratos como se as limitações do Estado não existissem, principalmente quando elas são absurdas ou impostas de cima para baixo nos regimes ditatoriais.
[24] O princípio do equilíbrio econômico do contrato remete, portanto, a uma dada definição filosófica de justiça, sintetizada na ideia de “meio termo”. Definia Aristóteles: “O justo é, pois, uma espécie de termo proporcional”.
[25] A necessidade e o calor do impulso podem gerar contratos desarrazoados. A necessidade patrimonial pode influenciar diretamente alguém a realizar contrato mesmo sabendo da existência de manifesta desproporção entre a prestação e contraprestação, comprometendo a própria subsistência do contratante e de sua família. A lesão ressurge no Código Civil de 2002 erigindo-se como poderosa ferramenta para coibir abusos de direito, enriquecimentos indevidos, que corrobora que a lesão colabora efetivamente com a realização da justiça. Assim a lesão decorre de ato praticado em situação de desigualdade volitiva para contratar, mesmo sem comprovação de dolo de aproveitamento na sua realização, e por isso, é objetiva. Assim consta no art. 157 do Código Civil. Portanto, caracteriza-se a lesão quando uma pessoa numa condição de inferioridade decorrente de premente necessidade ou de inexperiência, pactua contrato bilateral e oneroso, onde sua prestação é evidentemente desproporcional ao valor da contraprestação pactuada.
[26] Alguns juristas proclamaram a crise do contrato que foi mais falaciosa do que real. De fato, seu conteúdo, força e formas alteraram-se, destoando da noção clássica do contrato, que se tornou por conta de intenso dirigismo estatal.
[27] Preciosa observação de Gaston Morin já apontava para a desagregação da teoria contratual do Código Napoleônico, e fez tal advertência ainda em 1937, apontando a eminente revolta do Direito e dos fatos contra os Códigos.  Em, 1889 Saleilles já pregava o abrandamento do princípio superior de respeito absoluto da liberdade das convenções.
[28] Vide a jurisprudência Apelação 9188675472007826, 9188675-47.2007.8.26.0000 Relator Min. Silvia Rocha, Julgamento: 08.02.2012, 29ª Câmara de Direito Privado. Publicado em 10.02.2012. Contrato de divulgação de anúncio publicitário. Divergência quanto ao preço ajustado – contrato de adesão – contradição – Quando houver no contrato de adesão cláusulas ambíguas ou contraditórias, dever-se-á adotar a interpretação mais favorável ao aderente.  Recurso não provido. Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/filedown/dev6/files/JUS2/TJSP/IT/APL_9188675472007826_SP_1329127476497.pdf
[29] São três requisitos de aplicabilidade da lesão: a) a lesão tenha ocorrido num contrato comutativo (grifo meu). Melhor é dizer que esse Instituto aplica-se aos contratos bilaterais, onerosos e, a princípio, comutativos, pois há corrente que sustenta sua aplicação também aos contratos aleatórios; b) desproporcionalidade (grifo meu) e, o elemento objetivo do Instituto da Lesão. Não é qualquer desproporção que tipificará o vício da lesão e caberá ao Juiz determinar se é o caso, ou não, de invalidar o contrato. Trata-se de uma cláusula geral, onde o julgador apurará o valor justo por meio de dados e elementos trazidos pelas partes; c) necessidade contratual ou a inexperiência da parte lesada (grifo meu). Essa premente necessidade deve ser entendida como a de contratar, e não como sinônimo de pobreza. Caio Mário defendeu ainda que a necessidade se configura na impossibilidade de evitar o contrato, independentemente da condição financeira do lesado. A inexperiência se relaciona com a falta de habilidade para aquele negócio. O presente instituto é amparado na modalidade objetiva, pois não se preocupa em punir a atitude maliciosa do favorecido, mas em proteger o lesado.
[30] Segundo Caio Mário da Silva Pereira: “A função social do contrato é um princípio moderno que vem a se agregar aos princípios clássicos do contrato, que são os da autonomia da vontade, da força obrigatória, da intangibilidade do seu conteúdo e da relatividade de seus efeitos.” (2007, v.III, p. 14)
A inclusão de princípios como a função social do contrato, a boa-fé objetiva e o retorno do instituto da lesão, afastado pelo Código de Beviláqua, apontam um novo cenário das relações entre particulares. Reflete a prevalência dos valores coletivos sobre os individuais.  Sair da ótica individualista, voltando-se para uma visão solidarista, que ampara o elo mais fraco prejudicado quando sua vontade for maculada por algum vício é o novo paradigma do Direito Contratual.
[31] A inclusão de princípios como a função social do contrato, a boa-fé objetiva e o retorno do instituto da lesão, afastado pelo Código de Beviláqua, apontam um novo cenário das relações entre particulares. Reflete a prevalência dos valores coletivos sobre os individuais.  Sair da ótica individualista, voltando-se para uma visão solidarista, que ampara o elo mais fraco prejudicado quando sua vontade for maculada por algum vício é o novo paradigma do Direito Contratual.
[32] FACHIN, Luiz Edson. O “aggiornamento” do direito civil brasileiro e a confiança negocial. In: Repensando Fundamentos do Direito Civil Brasileiro Contemporâneo. Rio de Janeiro: Renovar, 1998. p. 115-149.
[33] A genuína estipulação romana é asponsio, colóquio ritual e solene, conjugação do verbo spondere e só ele: centum mihi dari spondes? – spondeo. A sponsio era uma obligatio verbis, utroque loquente, numa pergunta e resposta, diversa da stipulatio gentia pela exclusividade verbal do seu direito quirício. Mas tal exclusividade tem origem numa reserva religiosa e não de soberba nacional.
[34] Segundo Caio Mário da Silva Pereira: “A função social do contrato é um princípio moderno que vem a se agregar aos princípios clássicos do contrato, que são os da autonomia da vontade, da força obrigatória, da intangibilidade do seu conteúdo e da relatividade de seus efeitos. (2007, v.III, p. 14)


Informações Sobre o Autor

Gisele Leite

Professora universitária, Mestre em Direito, Mestre em Filosofia, pedagoga, advogada, conselheira do Instituto Nacional de Pesquisas Jurídicas.


Esse conteúdo ajudou você? Está precisando comprar um livro?  Clique AQUI e vá direto para Livraria do Âmbito Jurídico!

Transgênero: A busca por sua dignidade

Letícia Nunes Silva Alarcon – bacharel em direito, formada pela UNIALFA, Pós-graduanda em Direito Civil e Processo Civil pelo PROORDEM. E-mail: [email protected] Resumo: Falar...
MariaEduarda
27 min read

Os efeitos da cláusula resolutiva expressa nos contratos

Marcos Tadeu Gambera – Especialista em Direito Civil pela Faculdade de Direito de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo – USP. Especialista em...
MariaEduarda
17 min read

A Possibilidade da Prole Eventual Adotiva na Sucessão Testamentária

Autor: João José Ribeiro Morais. Acadêmico do Curso de Direito no Centro Universitário Santo Agostinho-UNIFSA. E-mail: [email protected] Autora: Mariana Ítala Alves Leal.  Acadêmica do...
MariaEduarda
17 min read

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *