Seguro de vida: Conseqüências da falta de indicação do(s) beneficiário(s), do não correto preenchimento do(s) nome(s) do(s) beneficiário(s), ou da substituição do(s) beneficiário(s), no seguro de vida

0

O seguro de vida tem sua origem em Londres por volta do ano de 1600, em suas diversas modalidades, e tal como definido pelo art 1471 do código civil de 1916, tendo por objeto garantir, mediante prêmio ajustado, o pagamento de certa soma, livremente fixada pelo segurado e aceita pelo segurador, em razão da morte do segurado, constitui espécie de gênero de seguro de pessoa, e agora está assim tratado, em melhor adequação do sistema.

O capital é livremente estipulado pelo proponente (art. 789 do cc), porque difere do seguro de coisa, em que pelo principio idenitário a indenização há de corresponder a um valor certo do dano sofrido pelo segurado. Em seguro de pessoa, esse princípio não é aplicável, e sim o previdenciário, porquanto o prejuízo e abstrato, a garantia é contra os riscos de morte, de perigo à sua integridade física, de quebra e comprometimento da saúde, e de acidentes dos mais variados, aos quais se acha sujeito o segurado, e, afinal, o valor da vida é inestimável. Por isso, resulta possível contratar mais de um seguro sobre o mesmo interesse, com o mesmo ou mais de um segurador.

Por mais absurda que possa nos parecer o acontecimento da não indicação de beneficiário, ou do não correto preenchimento do nome do beneficiário, são situações encontradas a miude no nosso dia a dia.

Na falta de indicação de beneficiário, ou ainda se por qualquer motivo não prevalecer à indicação de beneficiário feita, o capital segurado será pago por metade ao cônjuge não separado judicialmente o restante aos herdeiros do segurado, obedecida a ordem da vocação hereditária. Na falta do cônjuge e herdeiros, serão considerados beneficiários os que dentro de seis meses reclamarem o pagamento do seguro e provarem que a morte do segurado os privou de meios para proverem sua subsistência, fora desses casos será beneficiaria a união tudo em conformidade com o decreto-lei 5384 de 8 de abril de 1943 e art. 792 do CC.

Costumeiro e errôneo ainda, é a forma de se indicar os beneficiários em uma proposta de seguro de vida, como: 50% para fulano(a) de tal esposo(a) e 50% dividido em partes iguais para seus filhos.

No caso acima exposto, em caso de falecimento do segurado, o capital segurado será pago metade para sua esposo(a) e o restante dividido em partes iguais entre seus filhos, mesmo os filhos havidos fora do casamento. Se no caso em tela o segurado deseja que na sua falta o capital seja distribuído para os filhos do casal, deverá decliná-los um a um, ou, especificar que o restante do capital deverá ser dividido em partes iguais para os filhos do casal.

Fonte de inúmeros problemas é também a substituição do(s) beneficiário(s) pelo segurado, pois é lícita a substituição do(s) beneficiário(s) por ato entre vivos ou de ultima vontade, pois normalmente ao contratar um seguro de vida o segurado comunica a seus beneficiários que o contratou e que são a partir de então seus beneficiários, mas não os comunica quando faz a substituição desses mesmos beneficiários, o que com certeza por ocasião da falta do segurado e no recebimento do capital segurado trará discussões, prevalecendo sempre a ultima vontade do segurado, pois a lei permite a substituição do beneficiário do seguro de vida por ato unilateral de vontade do segurado, que a essa faculdade não renunciou ao clausular as condições do seguro, desde que este não tenha por origem declarada a garantia de determinada obrigação.

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Osmar da Silva Monteiro Jr.

 

Advogado em Cuiabá/MT.

 


 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais