Alguns aspectos da legitimidade normativa de um poder constituinte

0

Para compreender a complexidade de todo o tema atinente à formação das normas que fundamentam a organização de uma sociedade política, entendendo o poder constituinte, no sentido genérico da expressão, como o poder de criar as principais regras jurídicas de constituição de um Estado e de revisar o ordenamento constitucional, num determinado ambiente democraticamente evoluído, merece atenção, em primeiro lugar, a concepção de legitimidade.

Toda atividade normativa, que o titular do poder constituinte põe em prática, só adquire legitimidade se a mesma responder perfeitamente aos anseios do próprio povo que fez depositário da soberania de sua vontade aquele poder. É importante considerar que, qualquer produção normativa ou mudança da ordem jurídica fundamental, consiste uma atividade que sempre deve estar submetida e subordinada às exigências do bem comum, à vontade da sociedade que o poder constituinte representa e aos valores morais, éticos e culturais desta mesma multidão, porquanto consiste a manifestação originaria da soberania de todo um povo, expressão da vontade geral portanto.

Impende asseverar que a relevância de tais constatações, a respeito da legitimidade normativa do poder constituinte, alcança situações que, no mundo pós-moderno, refletem-se no descumprimento das leis, as quais se mantém em conflito com a realidade social e em desacordo com a vontade soberana do povo, quando não a atender, provocando a rejeição das relações jurídicas que sobrevêm impositivamente pela aplicação das normas postas, na verificação da eficácia da ordem constitucional e na crise do modelo de Estado.

Nesse sentido, são atualíssimas as assertivas que Aristóteles, séculos antes da era cristã, planteou, a propósito da unidade do Estado.

O Estado que assegura a total afinidade com os interesses comuns e a vontade do povo, segundo o pensamento aristotélico, sustentando sua legislação na amizade recíproca que mantém com a comunidade, seguramente garante sua persistência. E, a amizade, depende da participação.

Esta idéia significa que, quando as leis que as autoridades emitiram e colocaram em vigor encontram-se em total consonância com a vontade dos cidadãos, há amizade recíproca, isto é, afinidade entre as leis que expressam o interesse comum, as instituições que elas criam e a totalidade dos cidadãos, tomando-se conhecimento da vontade dos mesmos com a participação de todos em tudo, a unidade política ocorre espontaneamente.

A unidade de um Estado que assim procede e se desenvolve, tem, como resultado da identidade entre os interesses da população e as leis, o reconhecimento da igualdade entre todos. Por conseguinte, é a síntese das vontades de todos os cidadãos, iguais, que é obtida através da participação de todos nas tomadas de opinião em todas as instancias do poder, que fornece legitimidade ao poder de legislar ou não.

O contrário dessa situação descrita, consoante Aristóteles, reduz-se à inexistência da amizade, que é o reflexo da expressão do interesse comum a todos, e termina no conflito da lei e do direito, que foram produzidas sem afinidade com a vontade popular, e os cidadãos. Configuram, por fim, as normas que se encontram em desarmonia com o consenso da maioria da população, a violência, porquanto, apenas em virtude da lei, a população se vê obrigada à unidade política, haja vista a falta de amizade entre todos e aquele que os representa e legisla.

Daí resulta o motivo por que Aristóteles sempre advertiu aos homens que o perigo de modificar facilmente as leis está no enfraquecimento do próprio Estado: trocar as leis por outras novas, sem o respaldo na participação do povo e em sua vontade, estabelece a falta de amizade, a carência, por conseguinte, de unidade.

Assim, em todo Estado autenticamente democrático, a supremacia da vontade popular é conhecida por meio da participação de todos em todas as instâncias do poder. Tal participação, que está aliada aos fins e objetivos do Estado, pode ser feita individualmente ou através de organizações sociais e profissionais para conferir a todo sistema legal a legitimidade.

Em síntese, a legitimidade do sistema legal, está alicerçada na ampla e efetiva participação do povo no exercício do poder e na elaboração legislativa. É a participação que proporciona à população a oportunidade de manifestar livremente sua própria vontade, sem restrições, no resultado de cada pesquisa . Desse modo, resta dizer, é do extrato de cada pesquisa que se obtém um consenso geral sobre a configuração do próprio Estado e sobre o desenvolvimento de suas atividades.

E, desta explanação, cabe, ainda, inferir que a descoberta do interesse comum, síntese de uma grande diversidade de interesses, o próprio consenso, só é possível porque o Estado democrático reconhece que, na realidade, toda a sociedade é pluralista.

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Cristiane Rozicki

 

 


 

Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais