Breves notas sobre os advogados públicos aposentados e a (dis)paridade vencimental

0

Resumo: Este artigo visa demonstrar a imoralidade a ilegalidade e a inconstitucionalidade do contido no art.31 3 incisos I e II do Projeto de Lei de n 4254/2015.

Fora enviado ao Congresso Nacional o Projeto de Lei de nº 4254/2015, com a seguinte ementa:

“Altera a remuneração de servidores públicos, estabelece opção por novas regras de incorporação de gratificação de desempenho às aposentadorias e pensões, altera os requisitos de acesso a cargos públicos, reestrutura cargos e carreiras, dispõe sobre honorários advocatícios de sucumbência das causas em que forem parte a União, suas autarquias e fundações, e dá outras providências".

A questão que interessa neste artigo é a atinente aos "honorários sucumbenciais em prol dos Advogados Públicos", como reza o referido projeto:

“Art. 30. Os honorários advocatícios de sucumbência incluem: I – o total do produto dos honorários de sucumbência recebidos nas ações judiciais em que forem parte a União, as autarquias e as fundações públicas federais; II – até setenta e cinco por cento do produto do encargo legal acrescido aos débitos inscritos na Dívida Ativa da União, previsto no art. 1o do Decreto-Lei no 1.025, de 21 de outubro de 1969; e III – o total do produto do encargo legal acrescido aos créditos das autarquias e das fundações públicas federais inscritos na Dívida Ativa da União, nos termos do § 1o do art. 37-A da Lei no 10.522, de 19 de julho de 2002. Parágrafo único. O recolhimento dos valores mencionados no caput será realizado por meio dos documentos de arrecadação oficiais”.

Ocorre que, ao arrepio do ordenamento jurídico pátrio, o (mal)dito projeto legislativo em foco aventa:

“Art. 31. O valor dos honorários devidos será calculado segundo o tempo de efetivo exercício no cargo e obtido pelo rateio nas seguintes proporções: (…) § 3 o Não entrarão no rateio dos honorários: I – aposentados; II – pensionistas…” (ausentes reticências no original).

Principia-se por assercionar que, alusivamente à verba sucumbencial dos causídicos públicos, o citado projeto de lei deve ater-se ao novel e futuro Código de Processo Civil, onde restara registrado que:

Art. 85.  A sentença condenará o vencido a pagar honorários ao advogado do vencedor (…)

§ 19.  Os advogados públicos perceberão honorários de sucumbência, nos termos da lei”.

Observando-se a literalidade da Lei n. 13.105/2015, em seu art. 85, §19, o vocábulo que afirma a percepção dos honorários sucumbenciais crava-se em “advogados públicos”. Jamais fazendo qualquer distinção quanto a estarem eles em atividade ou aposentados. Nem poderia fazê-lo, sob pena de inenarrável discriminação, ofensiva direta ao princípio da isonomia, art. 5º, caput, da Carta Política.

Agora vem o famigerado Projeto Legislativo em testilha proceder um equívoco hermenêutico manifesto, qual seja, distinguindo o que a futura lei adjetiva civil não apôs qualquer dessemelhança, deixando entrever que, se aprovado, ter-se-ia solar antinomia[1].

Porém, ainda que tal intento fosse viável no plano infraconstitucional, não o é perante a Carta da República, porque:

a) Feriria o princípio da dignidade da pessoa humana (art. 1º, III da CF). Quando o advogado público se aposenta, grosso modo, é o momento que mais necessita de dinheiro para custear sua saúde – direito social fixado no art. 6º da Lei das Leis – e que não pode ser menoscabado, sob pena de se instaurar o retrocesso social [2].

É inolvidável, outrossim, que o advogado público aposentado de hoje, antes disso, fora um bastião em atividade.Assim como, o causídico público de hoje será um aposentado amanhã. Dar cobro a lógica do esquizofrênico projeto legislativo, no tanto que alija os aposentados, é abeirar-se de uma lógica mais perversa do que a de Maquiavel[3].

b) Malgastaria a paridade de vencimentos entre os advogados públicos ativos e aposentados, que obtiveram a jubilação antes do gizado no art. 6º, parágrafo único da Emenda Constitucional 41/2003, ou frente as regras de transição da Emenda Constitucional 47/2005. E prossegue a Emenda Constitucional 41/2003:

“Art. 7º Observado o disposto no art. 37, XI, da Constituição Federal, os proventos de aposentadoria dos servidores públicos titulares de cargo efetivo e as pensões dos seus dependentes pagos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios, incluídas suas autarquias e fundações, em fruição na data de publicação desta Emenda, bem como os proventos de aposentadoria dos servidores e as pensões dos dependentes abrangidos pelo art. 3º desta Emenda, serão revistos na mesma proporção e na mesma data, sempre que se modificar a remuneração dos servidores em atividade, sendo também estendidos aos aposentados e pensionistas quaisquer benefícios ou vantagens posteriormente concedidos aos servidores em atividade, inclusive quando decorrentes da transformação ou reclassificação do cargo ou função em que se deu a aposentadoria ou que serviu de referência para a concessão da pensão, na forma da lei”.

A propósito cumpre trazer à baila este judicioso excerto:

“… Quanto à situação dos servidores que ingressaram no serviço público antes da EC 41/2003, mas que se aposentaram após a sua edição, é preciso observar a incidência das regras de transição estabelecidas pela EC 47/2005. Esta Emenda complementou a reforma previdenciária com efeitos retroativos à data de vigência da EC 41/2003 (art. 6º da EC 47/2005).

Nesses casos, duas situações ensejam o direito à paridade e à integralidade de vencimentos: [i] servidores que ingressaram, de modo geral, antes da EC 41/2003, e [ii] servidores que ingressaram antes da EC 20/1998.

Na primeira hipótese, o art. 2º da EC 47/2005, ao estabelecer que se aplica ‘aos proventos de aposentadorias dos servidores públicos que se aposentarem na forma do caput do art. 6º da EC n. 41, de 2003, o disposto no art. 7º da mesma Emenda’, garantiu a integralidade e a paridade aos servidores que ingressaram no serviço público até a publicação da EC 41/2003, desde que observados, cumulativamente, os seguintes requisitos: [i] sessenta anos de idade, se homem, e cinquenta e cinco anos de idade, se mulher, [ii] trinta e cinco anos de contribuição, se homem, e trinta anos de contribuição, se mulher, [iii] vinte anos de efetivo exercício no serviço público, e [iv] dez anos de carreira e cinco anos de efetivo exercício no cargo em que se der a aposentadoria.(…)

Assim, bem examinada a questão, entendo que o recurso extraordinário merece parcial provimento, uma vez que o arresto recorrido não observou as regras inseridas pela EC 47/2005. É que aqueles que ingressaram no serviço público antes da publicação das Emendas Constitucionais 20/1998 e 41/2003 e se aposentaram após a EC 41/2003 possuem o direito à paridade e à integralidade remuneratória, observados os requisitos estabelecidos nos arts. 2º e 3º da EC 47/2005 e respeitado o direito de opção pelo regime transitório ou pelo novo regime…” (Voto condutor da Relatora Ministra Carmen Lúcia, in http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:BTsXXG42Ix8J:www.stf.jus.br/portal/processo/verProcessoTexto.asp%3Fid%3D2768818%26tipoApp%3DRTF+&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br, acessado em 18/02/2016).

c. Vilipendiaria, então, o cânone do direito adquirido dos advogados           públicos aposentados à verba sucumbencial, desde que albergados        pela paridade vencimental, dando-se de ombros ao art. 5º, XXXVI da      Lei Mater. Isto porque, o malsinado Projeto de Lei em seu artigo 31,        §3º, I e II simplesmente risca o direito dos jubilados às cifras                     sucumbenciais, desimportando-se com as regras constitucionais.

d) Honorários sucumbenciais tem caráter alimentar, como reconhecido pelo Supremo Tribunal Federal e Superior Tribunal de Justiça[4], e agasalhado pelo porvindouro Código de Processo Civil, art. 85, o que acarreta as seguintes consequências jurídicas:

d.1) Eles serão devidos pelos contribuintes vencidos frente ao ente estatal e, com isso, não são tidos como verbas públicas, tanto assim o é que será gerido porum “Conselho Curador dos Honorários Advocatícios” (vide art. 33 do Projeto em análise);

d.2) Não sendo de propriedade da Administração Pública, inviabilizada restará qualquer forma de transação por esta quanto ao tema, isto é, não há como o advogado público aposentado ser excluído quanto à percepção de tal verba, sob pena de incidência do famoso brocardo non domino[5];

d.3) Sendo insuscetível de transação, pelo ente administrativo, a matéria afeta aos honorários sucumbenciais dos advogados públicos, quaisquer barreiras opostas, em nível de percentual, detrimentosa aos aposentados carece de amparo legal e constitucional.

Derradeiramente, a única via moral e jurídico-constitucional sustentável, por óbvio, é apresentação de um expediente supressivo quanto aos incisos I e II, §3º, do art. 31, do Projeto de Lei de nº 4254/2015, tollitur quaestio[6].

Notas:
[1]A antinomia é a presença de duas normas conflitantes, válidas e emanadas de autoridade competente, sem que se possa dizer qual delas merecerá aplicação em determinado caso concreto (lacunas de colisão) (FlátivoTartucein http://flaviotartuce.jusbrasil.com.br/artigos/121820125/o-que-e-antinomia-juridicaacessado em 18/02/2016);
[2] “… A ideia da proibição do retrocesso legal está diretamente ligada ao pensamento do  constitucionalismo dirigente (CANOTILHO) que estabelece as tarefas de ação futura  ao Estado e à sociedade com  a finalidade de dar maior alcance aos direitos sociais e diminuir as desigualdades. Em razão disso tanto a legislação como as decisões judiciais não podem abandonar os avanços que se deram ao longo desses anos de aplicação do direito constitucional com a finalidade de concretizar os direitos fundamentais…” – (Renata Cezar, Direitos Sociais frente ao Princípio da Proibição do Retrocesso Social, in http://www.direitonet.com.br/artigos/exibir/6963/Direitos-sociais-frente-ao-Principio-da-Proibicao-do-Retrocesso-Social, acessado em 18/02/2016).
[3] “… Ora, saber "De que modo os príncipes devem manter a fé da palavra dada" ou "Se os príncipes devem ser fiéis aos seus juramentos" parece uma questão inseparável daquela do que é "próprio do homem". E essa dupla questão, que aparenta ser apenas uma, é tratada de uma maneira interessante. Pode-se ver passar aí não somente o lobo, mas também animais um pouco mais complexos…” ( Jacques Derrida, Sob a lógica deMaquiavel, inhttp://www.diplomatique.org.br/acervo.php?id=2621, acessado na data de 18 de fevereiro de 16);
[4]RE nº 566.621/SC.; Esp 1297419 / SP, respectivamente;
[5] Diz-se da transferência de bens móveis ou imóveis, por quem não é seu legítimo dono. (inhttp://www.dicionariodelatim.com.br/a-non-domino/, acessado na data de 18/02/2016);
[6]Nada mais existe a ser debatido (in http://www.jusbrasil.com.br/topicos/291298/tollitur-quaestio, acessado na data de 18/02/2016);

Informações Sobre o Autor

Emerson Odilon Sandim

Professor, Procurador Federal Aposentado, Membro do Instituto Brasileiro de Advocacia Pública, Escritor, Conferencista e Parecerista.


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais