O Bug e o Direito

0

Trabalho apresentado no I Seminário Ibero-americano de
Direitos dos Consumidores

promovido por Âmbito Jurídico em 1998

Bug do ano 2000 (Y2K), um defeito que
atinge boa parte dos sistemas e equipamentos informatizados como os
computadores, elevadores, semáforos, telefones, aeronaves, trens, navios e
equipamentos médicos. O bug decorre da opção dos
fabricantes em restringir os campos de representação de datas com apenas dois
dígitos (1999 como 99 e 2000 como 00). Essa opção induz o produto a interpretar o ano 2000 como sendo “00”,  desencadeando uma
série de operações ilógicas e equivocadas, provocando a interrupção do sistema
e propagando uma série de prejuízos emergentes.

Estudos prevêem que 30 a 50% das empresas deverão
apresentar problemas em sistemas críticos, vitais para a atividade base da
organização, com prejuízos ao redor de U$ 20.000 a U$ 3,5 milhões
para cada negócio, apontando que 2% dos negócios poderão entrar em processo
falimentar. Edward Yardeni, economista chefe do Deutsche Bank, estima em 70% a
possibilidade de uma recessão mundial. Os custos globais, incluindo as
indenizações judiciais, estão avaliados entre U$ 1 a U$ 2 trilhões. O Brasil
deverá movimentar de U$ 15 a
U$ 20 bilhões.

Pela seriedade do problema o Banco
Central dos Estados Unidos pretende acrescentar U$ 50 bilhões no mercado
financeiro com vistas a suprir a demanda monetária apontada em pesquisas,
concluindo que 70 milhões de americanos, com medo dos efeitos do Bug, sacarão, nas vésperas do ano 2000, quantias em torno
de U$ 450. Tamanha é a gravidade do defeito que, no início de 1998, a Federação
Internacional dos Controladores de Vôo testou alguns sistemas de controle do
tráfego aéreo e concluiu que telas de radar entrarão em colapso, caso não
ocorra a devida adaptação. Diante dessa situação, 47%
dos americanos declararam que não pretendem voar no período crítico.

Como o problema envolve quantias
consideráveis (para cada dólar não gasto em adaptação haverá o desembolso de
cinco vezes mais em indenizações judiciais), com iminentes reflexos econômicos
e considerando que muitos prejuízos serão inevitáveis, a questão jurídica
emerge como a área fundamental à sobrevivência de qualquer pessoa. O problema
atinge a todos, sem distinção, até mesmo aquele que não possui relacionamento
direto com a informática.

As Leis brasileiras não exigem normas
específicas para a matéria, assegurando a efetiva  aplicação da
responsabilidade civil e penal, destacando-se a proteção exemplar disposta no
Código de Proteção e Defesa do Consumidor.

Como exemplo da materialização do
direito no caso concreto, teço alguns comentários à primeira ação ajuizada no
Brasil (existem 34 nos Estados Unidos) objetivando que uma grande empresa de
telecomunicações proceda a adaptação gratuita de uma
central de telefonia computadorizada com 288 ramais, adquirida em 1997, por um
grande clube brasileiro. Trata-se da aplicação da responsabilidade em relações
de consumo entre o destinatário final dos produtos e serviços e o respectivo
fornecedor, fabricante e prestador de serviços, regulada pela Lei nº 8078/90 (Código de Proteção e Defesa do Consumidor –
CDC).

Invoca-se os arts. 18
e 20, do CDC, os quais impõem aos fornecedores de produtos ou serviços a responsabilidade solidária pelos vícios que os tornem
impróprios ou inadequados ao consumo ou lhes diminuam o valor, podendo o
consumidor exigir a substituição das partes viciadas, inclusive porque o art.
23, do mesmo diploma legal, acrescenta que a ignorância do fornecedor sobre os
vícios de qualidade por inadequação dos produtos ou serviços não o exime de
responsabilidade.

Cientes e conscientes do defeito ou
vício oculto no equipamento fornecido, os responsáveis descumprem o disposto
nos arts. 8º, 10, § 1º e 31, do CDC, caso permaneçam
inertes e em silêncio quanto à divulgação dos problemas que venham a ser
encontrados nos equipamentos. Com tal conduta desprezam os comandos legais que
impõem o dever da obrigatoriedade da informação e até mesmo do “recall”. Preferem oferecer soluções para problemas
supervenientes, porém tecnicamente previsíveis, impondo, ilicitamente, como
condição, o pagamento de considerável quantia. E o fazem propositadamente, pois
sabem de antemão que aquilo que forneceram não atinge a finalidade e o objetivo
a que foi destinado, frustrando a expectativa do consumidor quanto a função precípua do produto.

Aplicável, pois, o art. 6º, VI, do CDC,
que garante a efetiva prevenção de danos patrimoniais e morais, justificando o
pedido de tutela liminar que objetiva o início imediato das providências de
adaptação do sistema pela proximidade do ano 2000 e complexidade do trabalho de
adequação. Isso porque, se frustrada a medida, o consumidor ficará exposto aos
riscos da falta de adaptação e impossibilitado de utilizar o equipamento,
muitas vezes fundamental à atividade exercida, o que implicará em danos de
ampla extensão, os quais, nos termos dos arts. 12 e
14, da Lei 8078/90, também serão de responsabilidade dos fabricantes de
produtos e fornecedores de serviços defeituosos.

O bug do
milênio é, sem dúvida, um problema grave, com consequências
abrangentes e que merece considerável atenção em todos os setores, em especial
o jurídico. O Brasil, na condição de sexto maior usuário de computadores no
mundo, não pode ficar inerte. A omissão traz a responsabilidade e os riscos decorrentes
da ação judicial, com a possibilidade, dado o vulto de certas condenações, do
processo falimentar.

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Renato Opice Blum

 

Advogado e Economista, sócio do Opice Blum Advogados Associados/SP
Professor de Direito na Florida Christian University, FGV, UNINOVE, PUC, Centro Técnico Aeroespacial e outras

 


 

Julgamento Caso Kiss: para Promotor aposentado não houve dolo no caso da boate Kiss
Clique Aqui e Saiba Mais!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais