A inserção do deficiente no mercado de trabalho

0

O combate à discriminação é uma prioridade institucional em todos os aspectos na relação do trabalho e esse combate, pelo Ministério Público do Trabalho, vem sendo uma verdadeira guerra sem quartel.

O Procurador-Geral do Trabalho Dr. Guilherme Mastrichi Basso determinou fosse o problema eleito prioritariamente, uma vez que a Lei nº 8.213/91 que determina a reserva de vagas para portadores de deficiência não vinha sendo cumprida em todo o País.

Apenas para reavivar a memória de alguns “esquecidos”, essa Lei fixa os seguintes percentuais de vagas que devem ser obrigatoriamente reservadas:

Para empresas que contem com até 200 empregados, 2%; de 201 a 500 empregados, 3%;    de 501 a 1.000 empregados, 4%; acima de 1.001 empregados em diante, 5% das vagas devem ser preenchidas por beneficiários reabilitados ou pessoas portadoras de deficiência, habilitadas.

O Ministério Público do Trabalho instituiu uma comissão nacional para estudo das questões referentes à inserção das pessoas portadoras de deficiência no mercado de trabalho, além de colaborar com sugestões para redação do Decreto 3.298. editado em 20/12/99 e que se tornou historicamente relevante, eis que regulamentando a reserva de vagas, trouxe consigo verdadeira mudança institucional na condição dos deficientes no Brasil.

Embora a reserva de cotas seja criticada por alguns poucos setores, seu cumprimento é extremamente relevante, já que a própria base do Direito do Trabalho é a busca do equilíbrio entre os polos, na relação capital/trabalho. Assim agindo, o Direito do Trabalho visa tratar de forma desigual os desiguais na justa medida da desigualdade, parafraseando o célebre jurista Ruy Barbosa.

A reserva de vagas para deficientes não é só uma preocupação nacional, mas de todos os povos civilizados. tanto assim que o Brasil assumiu compromisso internacional com a OIT, ao ratificar a Convenção 159, no sentido de adotar medidas positivas que visam a superação, por parte dos deficientes, de suas naturais dificuldades.

Erroneamente é o portador de deficiência entre nós tratado de forma assistencialista, ou seja, fica assistido por instituições não governamentais ou então recebendo pensão assistencial da Previdência, o que caracteriza um cunho excessivamente paternalista que acaba por tolher ou retirar mesmo, o inarredável direito de cidadania plena, como constituir família, exercitar suas vocações ou inibindo seu desejo – e mesmo necessidade – de entrar no mercado de trabalho.

O Ministério Público do Trabalho vem tentando quebrar essa distorcida imagem da proteção assistencialista e paternalista, promovendo a inserção do portador de deficiência nas empresas, em absoluta igualdade de condições com os demais.

Essa inserção extrapola o mero estudo sobre mercado de trabalho, tendo uma dimensão muito mais ampla, pois ela está intimamente ligada ao valor maior que a Lei garante a todos e que é o direito à cidadania, direito esse não apenas do deficiente, mas de todos nós, já que uma empresa, ao adaptar suas instalações para o portador de deficiência, não o está fazendo apenas para ele, mas para quem precisar usar essas instalações, seja uma senhora grávida, um idoso ou deficiente, qualquer que seja sua limitação.

O que hoje é consenso é a inexistência de limitações que não possam ser superadas com a concessão de instrumentos adequados, instrumentos esses que retiram o deficiente da condição de assistido, colocando-o na de cidadão produtivo e contribuinte inclusive da Seguridade Social,  útil à sociedade e ao país.

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Ricardo Tadeu Marques da Fonseca

 

Procurador da Fazenda Nacional

 


 

Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais