A teoria do direito do trabalho mínimo sob a ótica do Direito Espanhol

0

I-Prólogo

Antes de comentar minha crítica sobre a teoria do “Direito do Trabalho Mínimo”, e com a independência da postura que mantenha o respeito, comentário que me parece de grande interesse sua iniciativa de reconhecer opiniões de profissionais e estudiosos do Direito do trabalho distintos e distantes lugares através da internet. Deixo aqui minha mais sincera felicitação por seu trabalho e esforço.

II-Introdução

Segundo as peculiaridades de cada sociedade, sua estrutura econômica, sua história, sua cultura, etc.. nos temos que delinear qual o significado que o Direito do Trabalho tem em cada sociedade, em qualquer caso, e alheio as posturas doutrinárias, há uma questão básica e real: o trabalho e o salário que o remunera, é para milhões de pessoas em todo o mundo seu sustento, seu meio de vida, que permite fazer planos pessoais e familiares a longo prazo (ao menos é o desejável). È dizer, o trabalho, há que ser valorado em sua justa medida, como parte fundamental da realidade social e não considerado um fato produtivo, todavia traduzido em cifras.

Utilizando-se desta ótica, nos sentimos obrigados continuar dizendo que as condições de trabalho, o salário e quanto rodeia o trabalho devem gozar de garantias (leia-se direitos), cujo o “mínimo” está em função do nível de desenvolvimento do país em que nos encontramos.

III – Globalização na Espanha: O Modelo Europeu

Por alusão de outros companheiros em suas críticas a teoria, me remeto a Espanha, aonde a configuração do Direito do Trabalho vem condicionada e está em contínuo processo de mudanças devido aos seguintes aspectos:

a) Com pertinência a União Européia, que vem formando um ordenamento jurídico homogêneo nos países integrantes, que logicamente incidem e modificam o ordenamento interno para adpatá-lo a uma “normatividade comum” que facilite a mobilidade e o desenvolvimento econômico no território da UE. É o que podemos denominar de primeiro passo para a Globalização.

b) Cambio em que o papel do Estado, menos intervencionista porém mantendo um ativo poder legislativo para adequar o Direito do Trabalho a realidade social que trata de regular.

c) Aumento da concertação social, é dizer, uma forma de autoregulamentação consensuada pelo agentes sociais (Sindicatos e Associações empresariais) em um marco de diálogo.

No que concerne a situação na Espanha, por alusão e porque é muito possível que quando falamos de “Direito Mínimo”, estamos pensando em níveis de proteção social distintos, em muitos com diferenças abissais, dada a desigualdade existente entre países.

IV – Adaptação, Flexibilização e Desregulamentação.

É certo que o Direito do trabalho deve adaptar-se aos novos tempos, porém ele não só pode e deve fazer mediante a flexibilização e desregulamentação do trabalho, se não uma concepção muito mais ampla das relações laborais cujas as circunstâncias são difíceis de transportar de uma país para outro e por isso dificilmente  poderão ser generalizadas.

A economia submergida (o emprego informal) não só se deve a rigidez das normas laborais, senão que há que se analisar outras causas motivadoras, como são: alto custo das contribuições sociais, pressão fiscal, cultura empresarial, etcc…

Além do mais a transformação do conceito de flexibilização laboral tem sido direcionada no sentido de supressão paulatina e redução dos direitos laborais com o objetivo de favorecer o interesse do capital, o que finalmente desemboca em uma situação de injustiça social, posto que a autonomia do trabalhador na hora de contratar , é um pouco menos utópica. O que na realidade se produz é uma situação subordinação cujo o único “mínimo” são as leis laborais que protegem e os mecanismos estatais para garantir seu cumprimento.

V – Intercâmbios na Política econômica internacional

Na União Européia, Japão, etc.. podemos observar a consecução de  uma reestruturação econômica e social, aonde determinadas atividades (entenda-se setor agrário e indústria de escassa tecnologia) se transladam a países denominado “terceiro mundo” aonde os custos de mão de-obra são 100 vezes mais baixos que nos países em desenvolvimento. Para dedicarem-se a atividades intensas em tecnologia que requeiram pessoal altamente qualificado.

VI – Alternativas

Será que a única solução seria baixar salários e recortar os direitos dos trabalhadores para serem competitivos? Em nosso ponto de vista, a resposta há de ser necessariamente negativa, e mais, creio que assistimos simplesmente a um ciclo econômico aonde nos querem fazer ver que a bonanza econômica irá depender da capacidade dos trabalhadores para renunciar incrementos salariais mediante contínuos chamamentos de moderação salarial, que incidem negativamente no incremento da margem de benefícios.

VII – Despedida

Para concluir, digo ao amigo Paiva, que a teoria sugerida, segue em aberto e sem dúvida será objeto de numerosos debates em futuro imediato e cujo desenrolar se apresenta incerto.

Digo também que poderia resultar muito interessante abordar aspectos pontuais e concretos em matéria laboral para contrastar o tratamento que recebe em distinto países, quiçá isso ajude a compreender melhor o complexo e apaixonante mundo das relações laborais a que nos dedicamos.

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Luis Manuel Ortiz Tello

 

Membro do Ilustre Colégio Oficial de Graduados Sócias de Málaga (Espanha)

 


 

Julgamento Caso Kiss: para Promotor aposentado não houve dolo no caso da boate Kiss
Clique Aqui e Saiba Mais!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais