Aspectos jurídicos da lavratura do termo circunstanciado de ocorrência pelo PRF: Análise da legalidade da lavratura do TCO à luz da decisão no processo 1461/2013-22

0

Resumo: Este artigo trata da lavratura de Termo Circunstanciado de Ocorrência pela Polícia Rodoviária Federal e as repercussões do Pedido de Providências 1461/2013-22 no Conselho Nacional do Ministério Público.

Palavras-chave: Termo Circunstanciado de Ocorrência, Polícia Rodoviária Federal, Pedido de Providências, Conselho Nacional do Ministério Público.

Abstract: This article deals with the issuance of Termo Circunstanciado de Ocorrência by the Federal Highway Police (Polícia Rodoviária Federal) and the repercussions of Measures Application nº. 1461 / 2013-22 in the National Council of the Public Ministry.

Keywords: Termo Circunstanciado de Ocorrência, Federal Highway Police, Arrangements Order, National Council of the Public Ministry.

Sumário: Introdução. 1. Termo Circunstanciado de Ocorrência e sua Lavratura pelo Policial Rodoviário Federal. 2. Pedido de Providências 1461/2013-22 no CNMP. Considerações Finais

Introdução

Este artigo abordará a lavratura de Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCO) pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), tratando da decisão do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) no pedido de providências nº. 1461/2013-22[1], que admitiu a viabilidade de convênios e termos de cooperação entre o Ministério Público e a PRF para que esta lavre TCOs e analisando aspectos jurídicos deste documento.

1. Termo Circunstanciado de Ocorrência e sua Lavratura pelo Policial Rodoviário Federal

A Constituição Federal de 1988 (CF88) trouxe para o ordenamento jurídico nacional, em seu artigo 98, inciso I, o instituto da infração penal de menor potencial ofensivo (IMPO), que engloba delitos considerados “leves” pela lei que tratar da matéria e que deve(ria)m possuir procedimento simplificado, dentre outras medidas. A Lei 9.099/95 regulamentou a matéria tratando dos Juizados Especiais Criminais em seu Capítulo III e, em seu artigo 61, delimitou as IMPO como as “contravenções penais e crimes com pena máxima igual ou inferior a 2 anos, independente da cominação de multa”.

O artigo 69 da lei, que trata da fase preliminar (pré-processual) das infrações de menor potencial ofensivo, coloca que “a autoridade policial que tomar conhecimento lavrará termo circunstanciado”, apontando que tal documento será encaminhado ao Juizado imediatamente, indicando autor do fato e vítima, além de eventuais requisições de exames periciais necessários para elucidação do fato. Merece destaque ainda que o termo circunstanciado afasta a prisão em flagrante e a exigência de fiança, o que significa dizer que o autor do fato, após a lavratura do ato, será liberado, exigindo-se apenas que seja firmado um termo de ciência da data da audiência preliminar no Juizado (artigo 71).

Toda a celeuma sobre a competência para a confeccionar o TCO girou em torno da definição da amplitude da expressão “autoridade policial” na referida lei. Historicamente, a legislação brasileira sempre teve a expressão “autoridade policial” como o delegado de polícia, como se percebe ao analisar o Código de Processo Penal (CPP), que preceitua que a polícia judiciária será exercida pelas autoridades policiais (artigo 4º) e a CF88, que coloca que a polícia civil (que exerce a função de polícia judiciária, ressalvada a competência da União) é dirigida por delegado de polícia de carreira.

Por outro lado, a Doutrina e a Jurisprudência, ao se debruçar sobre a matéria, avançaram no sentido de compreender que, pelo menos no caso da Lei dos Juizados Especiais, que é regida pelos princípios da informalidade, economia processual e celeridade, dentre outros, a expressão autoridade policial compreende o agente dos Órgãos de Segurança Pública que atua no policiamento ostensivo ou investigativo[2], dentre eles o Policial Rodoviário Federal. Na esteira deste entendimento, diversos Tribunais de Justiça dos Estados da Federação elaboraram Provimentos e Instruções abraçando o entendimento de que autoridade policial não se restringe a figura do delegado de polícia[3].

Observa-se ainda que a Comissão Nacional de Interpretação da Lei 9.099/95, coordenada pela Escola Nacional da Magistratura, o Colégio Permanente dos Presidentes dos Tribunais de Justiça do Brasil, em 1995, e o Colégio dos Desembargadores Corregedores de Justiça do Brasil em seu XVII Encontro Nacional admitiram a possibilidade que “autoridade policial, na melhor interpretação do artigo 69 da Lei 9.099/95, é também o policial de rua”[4], evidenciando que a lavratura de tal documento não é atribuição exclusiva da polícia judiciária.

Especificamente sobre a lavratura de Termos Circunstanciados pela Polícia Rodoviária Federal, este órgão passou a celebrar Termos de Cooperação com os Ministérios Públicos Estaduais para definir critérios para elaboração de tal documento. Em Santa Catarina, por exemplo, o Ministério Público Estadual e a Polícia Rodoviária Federal firmaram Termo de Cooperação, em 29 de outubro de 2009, para que os PRFs continuem a lavrar Termos Circunstanciados de Ocorrência e Boletim de Ocorrência Circunstanciados (BOC)[5] quando da ocorrência de IMPOs nas rodovias federais[6].

Ainda sobre os Termos de Cooperação e sua legalidade, a Advocacia Geral da União (AGU), no bojo de Ação Civil Pública impetrada pelo Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do Estado de Goiás, defendeu a possibilidade de lavratura pela PRF de TCO e BOC e a legalidade de Termo de Cooperação celebrado entre a Superintendência da Polícia Rodoviária Federal e o Ministério Público do Estado de Goiás. A 9ª Vara da Seção Judiciária de Goiás terminou por entender pela legalidade do Termo de Cooperação e julgou improcedente a ADI[7].

De fato, o que ocorre no cenário jurídico nacional é que as Superintendências Regionais da Polícia Rodoviária Federal vêm realizando acordos de cooperação com os Ministérios Públicos Estaduais (MPEs). Com a finalidade de impedir que qualquer Ministério Público Estadual lavrasse tais acordos, a Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) protocolou Pedido de Providências perante o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), órgão que compete o controle da atuação administrativa do Ministério Público (artigo 130-A, §2º da CF88).

2. Pedido de Providências 1461/2013-22 no CNMP

O Conselho Nacional do Ministério, como órgão que realiza o controle da atuação administrativa, ou seja, atuação não relacionada com a atividade fim, do Ministério Público, tem o poder de definir diretrizes e normas regulamentares sobre questões relacionadas com o Ministério Público e é o órgão adequado para receber reclamações contra membros ou órgãos deste ente (artigo 130-A, §5º da CF88). Deste modo, a ADPF ingressou com procedimento administrativo perante o CNMP para que este declarasse a ilegalidade de os MPEs celebrarem acordos de cooperação.

Durante a 17ª Seção Ordinária do CNMP, ocorrida em 1º de setembro de 2014, o Plenário do Conselho julgou improcedente tal pedido, entendendo que tais Acordos de Cooperação são válidos[8]. O voto-vista do Conselheiro Fábio George, que foi acompanhado pelo relator Luiz Moreira, apontou que a lavratura do TCO não se confunde com o desenvolvimento de atividades típicas de investigação criminal, sendo restrita apenas à “realização de mero ato administrativo de anotação de um fato visualizado por servidor público”, havendo apenas a indicação de testemunhas, não existindo a possibilidade de indiciamento de eventuais responsáveis.

A análise do pedido de providências ainda levou em conta a atribuição da PRF de lavrar termos circunstanciados em seu Regimento Interno (artigo 1º, inciso VII da Portaria 1.375/2007) e o fato de que permitir que as Polícias Rodoviária Federal, Militar, Rodoviária Estadual, Legislativa e Ambiental de “confeccionarem realizarem ato administrativo que atestem fatos que são potencialmente infrações de menor lesividade enfraqueceria a atuação estatal de pacificação social”. Deste modo, pode-se inferir que, para o CNMP, o TCO e o BOC possuem natureza jurídica de um Boletim de Ocorrência (BO) mais robusto, considerando que apenas regista fatos e os encaminha para o Titular da Ação Penal definir o que fazer, assim como parte da Doutrina[9].

Considerações Finais                                                   

Percebe-se que a lavratura de Termos Circunstanciados de Ocorrência por Policias Rodoviários Federais passou pela evolução de um árduo e longo processo desde 1995 e que culminou na análise da legalidade, pelo Conselho Nacional do Ministério Público, dos Termos de Cooperação entre os Ministérios Públicos Estaduais e as Superintendências de Polícia Rodoviária Federal. O entendimento doutrinário e jurisprudencial sobre a matéria levou em conta o anacronismo da posição de restringir à constatação de fatos aparentemente criminoso ao delegado de polícia, os princípios reitores da Lei 9.099 e as vantagens de se possibilitar que o agente que se depara com a atividade criminosa possa documentar tal atividade e encaminhar ao Titular da Ação Penal para que este defina como proceder perante o Poder Judiciário.

Por outro lado, destaca-se que a elaboração de TCOs por parte da Polícia Rodoviária Federal ainda deve avançar, notadamente no sentido de aceitar a natureza jurídica de tal documento e sua real importância, considerando que o TCO auxilia em muito a Sociedade e o Sistema de Persecução Criminal ao desafogar instâncias e agilizar a prestação do serviço de Segurança Pública por parte dos órgãos responsáveis pela repressão de delitos.

Por fim, destaca-se que a confecção de TCOs pelas Polícias Preventivas se alinham com os ideais de Ciclo Completo na repressão de infrações penais, que colocam, resumidamente, que “a polícia que se deparar com o um fato delituoso deverá processar totalmente a ocorrência”[10], entregando-a diretamente ao Poder Judiciário e ao Titular da Ação Penal.

 

Referência
FERGITZ, Andréia Cristina. Policial Militar: autoridade competente para lavratura do termo circunstanciado. Disponível em: http://www.pm.sc.gov.br/artigos/2193.html.
 
Notas:
[1] Até o dia 25/07/2015 não foi encontrada o inteiro teor da decisão no Pedido de Providências, servindo de base para este artigo notícia postada no site do Conselho Nacional do Ministério Público em: http://www.cnmp.gov.br/portal/noticia/6335-cnmp-decide-que-prf-pode-lavrar-termos-circunstanciados-de-ocorrencia.
[2] FERGITZ, Andréia Cristina. Policial Militar: autoridade competente para lavratura do termo circunstanciado. Disponível em: http://www.pm.sc.gov.br/artigos/2193.html. Acesso em 12/07/2016.
[3] Servem de exemplo o Provimento 04/99 do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (http://cgj.tjsc.jus.br/consultas/provcirc/provimento/a1999/p19990004.pdf) e a Ação direta de Inconstitucionalidade nº. 70014426563 que correu no Tribunal de Justiça do RS contra a Portaria SJS nº172/2000, proposta pela Associação dos Delegados de Polícia do RS e que foi julgada improcedente, ambas compreendendo que não somente o delegado de polícia é considerado autoridade policial para a Lei 9.099.
[4] FERGITZ, Andréia Cristina. Policial Militar: autoridade competente para lavratura do termo circunstanciado. Disponível em: http://www.pm.sc.gov.br/artigos/2193.html. Acesso em 12/07/2016.
[5] Instituto previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) que será utilizado em caso de envolvimento de adolescente em atos infracionais sem violência ou grave ameaça à pessoa (parágrafo único do artigo 173 do ECA).
[6] Ministério Público do Estado de Santa Catarina. Disponível em: http://mp-sc.jusbrasil.com.br/noticias/1991769/mpsc-e-prf-firmam-nova-cooperacao-para-agilizar-encaminhamento-de-infracoes-de-transito-e-crimes-nas-brs.
[7] http://www.agu.gov.br/page/content/detail/id_conteudo/283549.
[8] http://www.cnmp.gov.br/portal/noticia/6335-cnmp-decide-que-prf-pode-lavrar-termos-circunstanciados-de-ocorrencia.
[9] GRINOVER apud FERGITZ, Andréia Cristina. Policial Militar: autoridade competente para lavratura do termo circunstanciado. Disponível em: http://www.pm.sc.gov.br/artigos/2193.html.
[10] http://asof.com.br/index.php/publicacoes/item/264-o-ciclo-completo-de-policia.html.

Informações Sobre o Autor

Rodrigo Vaz Silva

Mestre em Ciências Criminais pela PUC/RS Pós-Graduado em Direito Constitucional pela Anhanguera-Uniderp Graduado em Direito pela Furg Professor de Direito na Universidade do Contestado Campus Concórdia Policial Rodoviário Federal.


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais