A importância da seguridade social para a sociedade

0

Resumo: O presente artigo propõe uma discussão a respeito do importante papel exercido pelas garantias trazidas pela atual Carta Magna no que tange aos Direitos Sociais e sua esfera de proteção da Dignidade Humana.

Palavras Chave: Direitos Sociais – Dignidade da Pessoa Humana – Evolução Histórica – Seguridade Social.

Abstract: This article starts a discussion about the important role played by the guarantees brought by the current Constitution when it comes to social rights and their protection sphere of human dignity.

Key words: Social Rights – Human Dignity – Historical Evolution – Social Security

Sumário: 1. Introdução. 2. Análise histórica. 3. Conceito de seguridade social. 4. Da assistência social. 5. Os benefícios assistenciais e suas principais características e impactos sociais. Conclusão. Referencia.

1 INTRODUÇÃO

A cidadania e a dignidade da pessoa humana estão elencados na Constituição como fundamentos da República Federativa do Brasil, dispostos no art. 1º, incisos  II e III da CF de 1.988. Tais fundamentos são colocados em prática, dentre outras disposições, através das normas de direitos sociais. Nesse estudo explanaremos a respeito da importância social dessas normas para a efetivação da dignidade da pessoa humana em sua plenitude.

O Brasil possui como característica de Estado Social a efetivação de políticas sociais inclusivas e inseriu a saúde e outras prestações positivas para a efetivação da dignidade da pessoa humana no rol da seguridade social.

A característica basilar da seguridade social se expressa pela gratuidade e universalidade do atendimento. Fato que faz com que a seguridade social seja expressamente interligada à cidadania para a efetivação da dignidade da pessoa humana, vez que toda sociedade possui o dever de custear projetos de direitos sociais.

Ao longo de nosso estudo destacaremos a importância desse custeio social na formação de uma sociedade justa e solidária conforme determina nossa Constituição no art. 2o em que destaca como objetivo da República Federativa do Brasil, em seu inciso I, a construção de uma sociedade livre, justa e solidária.

2  ANÁLISE HISTÓRICA

A evolução histórica e a conquista social no que tange aos direitos sociais trouxe um importante marco com a elaboração da Carta Magna de 1.988. Segundo NOVELINO E CUNHA JR.:

“A declaração de direitos sociais nas diversas Constituições se fortaleceu a partir do século XX. Com o fim da 1a Grande Guerra Mundial, nasce um novo modelo de Estado, resultante de uma transformação superestrutural do Estado Liberal, o qual se mostrou incapaz de atender às demandas sociais do século anterior. O estado social buscava superar o antagonismo existente entre a igualdade política e a desigualdade social, por meio da consagração de direitos sociais, econômicos e culturais (direitos fundamentais de 2a dimensão), voltados à redução das desigualdades existentes (NOVELINO, Marcelo; CUNHA JR., Dirley. Pág. 169, 2015).”

Porém, conforme destacado por Filoppo, a Constituição do Brasil de 1.824 já se preocupava com os socorros públicos e destaca que a primeira entidade de socorro privado a funcionar no Brasil foi o Mongeral – Monte pio Geral dos Servidores do Estado, fundado em 1.835.

O professor Filipe Filippo destaca ainda que a expressão “aposentadoria” foi inserida pela primeira vez na Constituição de 1.891, mas que, no entanto, somente era utilizada para os servidores públicos.

Outra lei de suma importância para a evolução histórica da Seguridade Social no Brasil foi a Lei Eloy Chaves, que foi de fato o start legal na previdência social no país. Ela criou a Caixa de Aposentadoria e Pensão para os empregados das empresas de estrada de ferro.

Posteriormente surgiram as Caixas de Aposentadoria, que eram organizadas em categorias profissionais, das quais surgiram os Institutos de Aposentadoria e Pensão, destaca-se o IAPI.

A Constituição Federal de 1.988 constitui-se marco histórico em defesa de garantias sociais. Através dela elaborou-se o conceito moderno de Seguridade Social, cuja proteção se estende às esferas da Saúde, Assistência e Previdência. Cabe ainda destacar a regulamentação trazida pelas Leis 8.212 – denominada como Plano de Custeio da Seguridade Social –  Lei 8.213 (Plano de Benefícios da Previdência Social), lei 8.080 (Lei da Saúde) e pela Lei 8.742/93 (Lei Orgânica da Seguridade Social.

Vale destacar que a atuação direcionada à proteção dos direitos sociais se caracteriza por meio de prestações positivas dos Poderes Públicos, destacam-se por ser uma obrigação de fazer imposta aos órgãos públicos.

A Constituição Brasileira de 1.988 dedica um título VIII inteiro aos direitos sociais – Da Ordem Social, entre os artigos 194 a 204 – quais sejam: Educação, saúde, alimentação, trabalho, moradia, lazer, segurança, previdência social, proteção à maternidade, à infância e assistência aos desamparados. Atearemos-nos à seguridade social no que tange à assistência aos desamparados.

3  CONCEITO DE SEGURIDADE SOCIAL

O título VIII da CF/88 se encarrega em elucidar a respeito da Ordem Social e dispõe a respeito da Seguridade Social inclusive a conceituando:

“Art. 194 – A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência social (CONSTITUIÇÃO FEDERAL, 1.988).”

O ilustre professor Filipe Filippo destaca o conceito trazido por Wladimir Novaes Martinez sustenta que:

“A seguridade social é técnica de proteção social, custeada solidariamente por toda a sociedade segundo o potencial de cada um, propiciando universalmente a todos o bem-estar das ações de saúde e dos serviços assistenciários em nível mutável, conforme a realidade sócio-econômica, e os das prestações previdenciárias (MARTINEZ, 2.001 apoud FILIPPO).”

A Seguridade Social é composta de três pilares, a Saúde e a Assistência Social que constituem prestações não contributivas; e por último, a Previdência Social, essencialmente contributiva.

A Saúde tem por característica ser direito de todos e dever do Estado, está elencado no art. 196 CF, “é garantida mediante política sociais e econômicas que visem à redução de doenças do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para a promoção, proteção e recuperação”. Fato que engloba os serviços públicos destinados à saúde como as campanhas de vacinação e prevenção de doenças, bem como as consultas, internações, cirurgias e demais procedimentos hospitalares e concessão de medicamentos de alto custo e uso prolongado para o tratamento de doenças.

A Assistência Social, como pilar não contributivo da seguridade social “será prestada a quem dela necessitar, independentemente de contribuição à seguridade social” (art. 203 CF/88). Esse pilar destina-se a amparar gratuitamente as camadas desprovidas de recursos financeiros, através de através de programas e ações de proteção à família, à maternidade, à infância, à adolescência e à velhice, bem como promoção de integração ao trabalho, habilitação e reabilitação e integração na vida social de pessoas portadoras de necessidades especiais.

E por último, e não menos importante, a Previdência Social. Ao contrário dos demais pilares anteriores, a Previdência possui como característica principal a contributividade obrigatória a todos aqueles que exercem atividade remunerada. O rol do art. 201 traz expressamente as coberturas dadas pela previdência social – a cobertura dos riscos doença, invalidez, morte, idade avançada, proteção à maternidade e à família.

Ainda cabe destacar que a Seguridade Social elenca no art. 194 da Magna Carta os objetivos da Seguridade Social Pelo Poder Público, quais sejam:

“Artigo 194, parágrafo único:

I – universalidade da cobertura e do atendimento;

II – uniformidade e equivalência dos benefícios e serviços às populações urbanas e rurais;

III – seletividade e distributividade na prestação dos benefícios e serviços;

IV – irredutibilidade do valor dos benefícios;

V – eqüidade na forma de participação no custeio;

VI – diversidade da base de financiamento;

VII – caráter democrático e descentralizado da administração, mediante gestão quadripartite, com participação dos trabalhadores, dos empregadores, dos aposentados e do Governo nos órgãos colegiados (Constituição do Brasil, 1.988).”

A Constituição de 1.988 foi um avanço na conquista de direitos e garantias sociais. Sendo uma ferramenta concretizadora na melhoria da qualidade de vida dos cidadãos, principalmente dos mais necessitados e desamparados. Estudaremos de maneira pormenorizada os reflexos da Assistência Social para a sociedade.

4  DA ASSISTÊNCIA SOCIAL

Dirley da Cunha Júnior (2010, p 726) resume o direito à assistência social da seguinte forma:

“ O direito à assistência social foi outorgado pela Constituição a quem dela necessitar, independentemente de contribuição à seguridade social, e compreende: a proteção à família, à maternidade, à infância, à adolescência e à velhice; o amparo às crianças e adolescentes carentes; a promoção da integração ao mercado de trabalho; a habilitação e reabilitação das pessoas portadoras de deficiência e a promoção de sua integração à vida comunitária; a garantia de um salário mínimo de benefício mensal à pessoa portadora de deficiência e ao idoso que comprovem não possuir meios de prover à própria manutenção ou de tê-la provida por sua família, conforme dispuser a lei.”

O benefício assistencial citado pelo ilustre doutrinador é regulamentado pela Lei 8.742/1.993 – conhecida como Lei Orgânica da Assistência Social – LOAS. Tal benefício é concedido àquele que possua como característica a miserabilidade. Observa-se através de tal benefício a garantia do mínimo existencial para os indivíduos.

 Além do benefício assistencial elencado na lei do LOAS, o artigo 203 da CF/88 elucida:

“Art. 203. A assistência social será prestada a quem dela necessitar, independentemente de contribuição à seguridade social, e tem por objetivos:

I – a proteção à família, à maternidade, à infância, à adolescência e à velhice;

II – o amparo às crianças e adolescentes carentes;

III – a promoção da integração ao mercado de trabalho;

IV – a habilitação e reabilitação das pessoas portadoras de deficiência e a promoção de sua integração à vida comunitária;

V – a garantia de um salário mínimo de benefício mensal à pessoa portadora de deficiência e ao idoso que comprovem não possuir meios de prover à própria manutenção ou de tê-la provida por sua família, conforme dispuser a lei (CF/1.988).”

A partir da característica da gratuidade do benefício, bem como, da garantia do mínimo existencial, devemos destacar o Princípio da Solidariedade Social que foi muito bem conceituada por Wladimir Novaes Martinez “a solidariedade significa a contribuição de certos segurados, com capacidade contributiva, em benefício dos despossuídos” (MARTINEZ, apoud FILIPPO).

O conceito de princípio trazido por Filippo é citado por Sérgio Pinto Martins, “princípio é a base que irá informar e inspirar as normas jurídicas”. Filippo ainda destaca o conceito de princípio trazido por Wladimir Novaes Martinez:

“Os princípios são enunciados juridicamente válidos, conforme a sua proposição, aproveitando-se a sua razão de ser. Condensação de ideias experimentadas no decurso do tempo, eles devem comunicar rapidamente o seu conteúdo (MARTINEZ, apoud FILIPPO).”

O financiamento desses benefícios é feito em observância ao Princípio da Solidariedade e em conformidade com o comando Constitucional do Art. 195, segundo o qual toda a sociedade, direta ou indiretamente, deverá financiar a seguridade social, mediante recursos provenientes dos orçamentos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, bem como das contribuições sociais dos empregadores, trabalhadores, sobre receita de concursos de prognósticos e do importador.

O art. 195,  parágrafo 4o da CF/88 ainda delimita a possibilidade de criação de novas fontes de custeio, porém deve-se atentar para o aspecto legal dessa nova fonte de custeio, isto é, somente poderá ser criada por meio de Lei Complementar (art. 154, I CF/88).

Outra delimitação feita para o custeio da Seguridade Social é expressa pelo artigo 195 em seu parágrafo 5o:  “Nenhum benefício ou serviço da seguridade social poderá ser criado, majorado ou estendido sem a correspondente fonte de custeio total”. Tal característica é denominada como principio da Precedência da Fonte de Custeio.

Como bem destacado pelo professor Filippo é marcante a solidariedade social no financiamento da seguridade social. Se assim não fosse, não existira um sistema de seguridade social, mas um sistema individual em que cada um contribuiria tão somente para o seu benefício, excluindo todos aqueles impossibilitados de contribuir diretamente.

 Filippo destaca ainda as palavras do Professor Wladimir Novaes Martinez em sua magnífica obra Princípios De Direito Previdenciário, assim aborda o tema:

“No momento da contribuição é a sociedade quem contribui. No instante da percepção da prestação, é o ser humano a usufruir. Embora no ato da contribuição seja possível individualizar o contribuinte, não é possível vincular cada uma das contribuições a cada um dos percipientes, pois há um fundo anônimo de recursos e um número determinável de beneficiários (MARTINEZ, apoud FILIPPO).”

Após elucidar sobre a contribuição e o custeio dos benefícios assistenciais passemos à análise das características mais importantes desses benefícios.

5  OS BENEFÍCIOS ASSISTENCIAIS E SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS E IMPACTOS SOCIAIS

Destaca-se o conceito trazido por Correa em que descreve que:

“A assistência social visa garantir meios de subsistência às pessoas que não tenham condições de suprir o próprio sustento, dando especial atenção às crianças, velhos e deficientes, independentemente de contribuição à seguridade social (CORREA, 2005).”

A Lei Orgânica da Assistência Social – Lei 8.742/1.993 – tem como objetivo a proteção ao deficientes e idosos carentes com o pagamentos de uma renda continuada.  Esse benefício está elencado na Magna Carta no art. 203

Conforme destacado pelo Procurador Federal Antônio Pedro Ferreira da Silva:

“Em nível Federal, o Programa Bolsa Família e a concessão do benefício assistencial se revelam como ações de assistência social de amplitude territorial, que tem provocado grandes transformações nas classes menos favorecidas e fragilizadas.”

Ainda de acordo com o raciocínio elencado pelo Procurador Federal, o programa Bolsa Família é muito criticado pelo fato de que essas políticas seriam desencorajadoras dos beneficiários na inserção no mercado de trabalho. Críticas à parte, tais políticas de inclusão e promoção da dignidade social são importantíssimas para a efetivação do princípio da Solidariedade e da dignidade da pessoa humana.

Ainda segundo o entendimento do ilustre Procurador Federal Antônio Pedro Ferreira da Silva, o programa de combate a miserabilidade social poderia ser aperfeiçoado primeiramente pelo requisito que já é feito, isto é, pela imposição da necessidade de matrícula dos filhos na escola regular, como requisito inicial para o recebimento do benefício; e, em um segundo momento, poderia se exigir que também que os pais frequentassem escolas públicas ordinárias ou técnicas. Fato que poderia influenciar diretamente na erradicação do analfabetismo, bem como suprir a carência de mão de obra especializada no mercado de trabalho formal.

CONCLUSÃO

O presente artigo não teve por pretensão esgotar o tema proposto, mas sim, realizar uma breve elucidação da importância das garantias constitucionais no que diz respeito aos direitos sociais como forma prática de se efetivar a dignidade da pessoa humana por meio do Estado Social.

A partir desse aspecto, cabe ressaltar a mudança da postura do Estado garantindo-se o mínimo existencial em momentos de certa contingência, a fim de manter a dignidade da pessoa humana para o individuo e a promoção do sustento da família, principalmente àqueles em situação de miserabilidade.

O objetivo do presente trabalho foi analisar o Sistema de Seguridade Social de forma panorâmica e promover uma reflexão a respeito do tema que toca a vida de todo brasileiro.

Ao longo do estudo foi possível identificar o sistema e sua tripartição conforme destacado pela Constituição Federal de 1.988 – Seguridade Social – é composta pelos pilares : saúde, assistência social e previdência. Foi possível identificar que tal aspecto é característico do atual regime, e sua importância na integração conceitual e normativa no que tange à Seguridade Social.

 Podemos também destacar a preocupação Constitucional com o equilíbrio financeiro e atuarial da Seguridade Social, mesmo sob a égide do Princípio da Solidariedade Social. E sua indiscutível importância na construção de uma sociedade Livre, Justa e Solidária bem como que defende a Construção da Dignidade da Pessoa Humana para todos os indivíduos indistintamente.

Nada mais atual do que a discussão a respeito de até que ponto as políticas sociais são efetivas e fieis ao que o nosso Legislador Constitucional elucidou a partir da criação de normas de proteção à dignidade da pessoa humana, e como tal norma pode ser utilizada para escopos meramente políticos e eleitoreiros.

 

Referencia
BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm, acesso em março de 2.016.
BRASIL, Poliana Gomez; SIMõES, Alexandre Gazetta. A conformação constitucional da Seguridade Social – a importância da Seguridade Social na constituição dirigente. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XVI, n. 113, jun 2013. Disponível em: <http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=12927&revista_caderno=20>. Acesso em mar 2016.
CORRÊA, Wilson Leite. Seguridade e Previdência Social na Constituição de 1988. Revista Jus Navigandi, Teresina, ano 4, n. 34, 1 ago. 1999. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/1431>. Acesso em: 25 mar. 2016.
CUNHA JÚNIOR, Dirley da. Curso de Direito Constitucional. Editora Juspodivm, 2009.
FILIPPO, Filipe de. Os princípios e objetivos da Seguridade Social, à luz da Constituição Federal. Disponível em: http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=2012. Acesso em março de 2016.
NOVELINO, Marcelo; CUNHA JR., Dirley. Constituição Federal para Concursos – Doutrina, jurisprudência e Questões de Concursos. Editora Jus Podivm, 6 º Edição. Salvador, BA, 2015.
SILVA, Antonio Pedro Ferreira da. Sistema de seguridade social. Revista Jus Navigandi, Teresina, ano 19, n. 3938, 13 abr. 2014. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/27644>. Acesso em: 25 mar. 2016.

Informações Sobre o Autor

Priscilla Cristhine de Souza Sena

Pós-graduada em Direito Civil pela Universidade Anhanguera em 2013, graduada pelo Centro Universitário Monsenhor Messias em 2011 (UNIFEMM). Atualmente exerce a profissão de bancária atuante na prospecção e venda de Planos de Previdência Privada


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais