O direito do aposentado por invalidez ao adicional de 25% sobre o valor da aposentadoria

0

Resumo: O artigo demonstra, com colações doutrinárias, a existência de um adicional à aposentadoria por invalidez, a todos os aposentados que necessitarem de auxílio permanente de outra pessoa. Trata-se de um “plus”, que visa a compensar o aposentado pelos gastos com a contratação de profissionais. O texto aborda as questões relativas ao tema.


Abstract: This paper demonstrates, with collations of doctrine, the existence of an additional retirement due to disability, to all pensioners who require permanent assistance of another person.This is a “plus”, which aims to offset the retiree for the cost of hiring professionals. This paper addresses issues relating to thesubject.


Palavras-chave: aposentadoria por invalidez – adicional de 25% – casos em que o aposentado necessite de assistência permanente de outra pessoa – anexo i do decreto 3048/99 meramente exemplificativo – adicional que não se restringe ao valor-teto pago pela previdência social – recálculo do adicional – cessação do adicional


Keywords: retirement or disability – additional 25% -cases in which the retired permanent need ofassistance of another person – annex i to thedecree 3048/99 of example – further that does notrestrict the amount paid-ceiling of social security – Recalculation of additional – termination ofadditional


I – INTRODUÇÃO


A Constituição da República garante que a Previdência Social resguarde os seus segurados em casos de invalidez.


Com efeito, assim o prescreve em seu artigo 201, inciso I:


“Art. 201. A previdência social será organizada sob a forma de regime geral, de caráter contributivo e de filiação obrigatória, observados critérios que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial, e atenderá, nos termos da lei, a:


I – cobertura dos eventos de doença, invalidez, morte e idade avançada;” (grifos nossos)


Estabelecida, assim, a invalidez como uma das contingências sociais (“… acontecimento que causa diminuição ou eliminação da capacidade de auto-sustento do trabalhador e/ou de seus dependentes”[1] ) –   a serem cobertas pela Previdência Social, a lei 8.213/91, a atender o comando constitucional, assegurou, no artigo 42, o direito à aposentadoria por invalidez, assim o fazendo:


“Art. 42. A aposentadoria por invalidez, uma vez cumprida, quando for o caso, a carência exigida, será devida ao segurado que, estando ou não em gozo de auxílio-doença, for considerado incapaz e insusceptível de reabilitação para o exercício de atividade que lhe garanta a subsistência, e ser-lhe-á paga enquanto permanecer nesta condição.


§ 1º A concessão de aposentadoria por invalidez dependerá da verificação da condição de incapacidade mediante exame médico-pericial a cargo da Previdência Social, podendo o segurado, às suas expensas, fazer-se acompanhar de médico de sua confiança.


§ 2º A doença ou lesão de que o segurado já era portador ao filiar-se ao Regime Geral de Previdência Social não lhe conferirá direito à aposentadoria por invalidez, salvo quando a incapacidade sobrevier por motivo de progressão ou agravamento dessa doença ou lesão.


A análise da norma supracitada demonstra que a aposentadoria por invalidez é o benefício concedido pela Previdência Social aos segurados que, acometidos por doença ou acidente, ficarem incapacitados para o seu trabalho, sendo o caso insuscetível de reabilitação profissional.


Daí que essa prestação previdenciária substituirá a renda desse segurado, e lhe garantirá a sobrevivência, bem assim a de seus dependentes.


II – DESENVOLVIMENTO


Não obstante a concessão desse benefício, a lei 8.213/91 (que dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências), consagra, no artigo 45, o direito de todos os aposentados por invalidez que necessitem de assistência permanente de terceiros ao adicional de 25% sobre o valor da aposentadoria que percebem.


Assim determina o artigo 45 da lei 8.213/91:


Art. 45. O valor da aposentadoria por invalidez do segurado que necessitar da assistência permanente de outra pessoa será acrescido de 25% (vinte e cinco por cento).”


O intuito do legislador foi justamente o de compensar os gastos do segurado com a contratação de uma pessoa que lhe garanta essa assistência permanente, ou até mesmo o impedimento do exercício de atividade laborativa pelo familiar que lhe faça às vezes.


Em que pese a norma legal não restringir o direito a casos específicos de incapacidade, o Anexo I do Decreto 3.048/99, apontou os casos em que o acréscimo seria devido, assim o fazendo:


“REGULAMENTO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL


ANEXO   I


RELAÇÃO DAS SITUAÇÕES EM QUE O APOSENTADO POR INVALIDEZ TERÁ DIREITO À MAJORAÇÃO DE VINTE E CINCO POR CENTO PREVISTA NO ART. 45 DESTE REGULAMENTO


1 – Cegueira total.


2 – Perda de nove dedos das mãos ou superior a esta.


3 – Paralisia dos dois membros superiores ou inferiores.


4 – Perda dos membros inferiores, acima dos pés, quando a prótese for impossível.


5 – Perda de uma das mãos e de dois pés, ainda que a prótese seja possível.


6 – Perda de um membro superior e outro inferior, quando a prótese for impossível.


7 – Alteração das faculdades mentais com grave perturbação da vida orgânica e social.


8 – Doença que exija permanência contínua no leito.


9 – Incapacidade permanente para as atividades da vida diária.”


Ora, não tendo a lei restringido o direito ao adicional a casos específicos de incapacidade, como dito, essa restrição pelo Decreto exorbita o seu poder regulamentar, o que é vedado, constituindo, assim, em nosso sentir, um rol meramente exemplificativo.


Esse também o entendimento de Carlos Alberto Pereira de Castro e João Batista Lazzari, para quem Essa relação não pode ser considerada como exaustiva, pois outras situações podem levar o aposentado a necessitar de assistência permanente, o que pode ser comprovado por meio de perícia médica”[2].


Consoante esclarece a Instrução Normativa 45/2010 INSS/PRES, o valor do acréscimo é devido desde a data do seu requerimento administrativo, sendo que é dever da autarquia previdenciária (INSS) averiguar, quando da perícia médica, se a assistência permanente do segurado inválido é exigida desde a concessão da aposentadoria. Em sendo o caso, a aposentadoria já deve ser concedida com o acréscimo. Confiramos da Instrução Normativa citada:


Art. 204. O aposentado por invalidez a partir de 5 de abril de 1991, que necessitar da assistência permanente de outra pessoa, terá direito ao acréscimo de vinte e cinco por cento sobre o valor da renda mensal de seu benefício, a partir da data do pedido do acréscimo, ainda que a soma ultrapasse o limite máximo do salário-de-contribuição, independentemente da data do início da aposentadoria.


§ 1º Constatado por ocasião da perícia médica que o segurado faz jus à aposentadoria por invalidez deverá, de imediato, verificar se este necessita da assistência permanente de outra pessoa, fixando-se, se for o caso, o início do pagamento na data do início da aposentadoria por invalidez.”


Visto isso, importante ressaltar que o adicional em comento é devido mesmo que o valor da aposentadoria já atinja o limite máximo pago pela Previdência Social.


Isso porque a redação do artigo 45, parágrafo único, alínea “a”, assim autoriza:


“Parágrafo único: O acréscimo de que trata este artigo:


a)será devido ainda que o valor da aposentadoria atinja o limite máximo legal;”


Vale lembrar, não obstante, a regra do artigo 33 da lei 8.213/91, a qual, igualmente, excepciona o adicional de 25%, ora em estudo, à regra geral do teto dos valores pagos em benefícios pela Previdência. Vejamos:


“Art. 33: “A renda mensal do benefício de prestação continuada que substituir o salário-de-contribuição ou o rendimento do trabalho do segurado não terá valor inferior ao do salário-mínimo, nem superior ao do limite máximo do salário-de-contribuição, ressalvado o disposto no art. 45 desta Lei.”


Nesse sentido, as palavras de Wladimir Novaes Martinez: “Conforme se colhe do parágrafo único, alínea a, resulta a renda mensal inicial do titular desse direito poder atingir 125% do limite do salário-de-contribuição fixado no art. 29, parágrafo segundo, do PBPS.[3]


Como esse adicional representa uma porcentagem do valor da aposentadoria por invalidez, toda vez que houver reajuste na aposentadoria, o adicional será automaticamente recalculado, consoante determina a alínea “b” do parágrafo único do artigo 45 da lei 8213/91, “in verbis”:


“Parágrafo único: O acréscimo de que trata este artigo:


b) será recalculado quando o benefício que lhe deu origem for reajustado;”


Por fim, compete demonstrar que a cessação do adicional se dará com a morte do aposentado, não incorporando esse adicional ao valor de eventual pensão por morte concedida ao dependente do segurado falecido.


Essa, aliás, a prescrição da alínea “c” do parágrafo único do artigo 45 da Lei 8213/91. Confira-se:


“Parágrafo único: O acréscimo de que trata este artigo:


c) cessará com a morte do aposentado, não sendo incorporável ao valor da pensão.”


Embora não se encontre disposto na lei, o adicional também deixará de ser devido se, durante a aposentadoria por invalidez, o aposentado tiver uma melhor tal que dispense a exigência da assistência permanente de terceiros, que deu origem ao adicional.


Nesse sentido, Wladimir Novaes Martinez: “Evidentemente (embora a lei ou o regulamento silenciem sobre a matéria), o direito é do carente de atendimento pessoal de um auxiliar, não se justificando, desse modo, se o titular, no curso da percepção da aposentadoria, melhora suas condições a ponto de dispensar a referida ajuda.”[4]


III – CONCLUSÃO


Posto isso, o texto demonstrou a existência do adicional inominado à aposentadoria por invalidez, sua hipótese de cabimento, recálculo, cessação e outras importantes questões que envolvem o tema, permitindo que o leitor possa, com essas informações, fazer valer, para si, ou para outrem, esse direito junto à Previdência Social.


 


Referências Bibliográficas:

Dias, Eduardo Rocha, in Curso de Direito Previdenciário / Eduardo Rocha Dias, José Leandro Monteiro de Macêdo – São Paulo : Método, 2008;

CASTRO, Carlos Alberto Pereira de. Manual de Direito Previdenciário/Carlos Alberto Pereira de Castro, João Batista Lazzari. – 7. Ed. São Paulo, LTR, 2006;

Martinez, Wladimir Novaes. Comentários à lei básica da previdência social – 7. Ed. – São Paulo : LTr, 2006.

 

Notas:

[1] Dias, Eduardo Rocha, in Curso de Direito Previdenciário / Eduardo Rocha Dias, José Leandro Monteiro de Macêdo – São Paulo : Método, 2008 – pág. 29.

[2] CASTRO, Carlos Alberto Pereira de. Manual de Direito Previdenciário/Carlos Alberto Pereira de Castro, João Batista Lazzari. – 7. Ed. São Paulo, LTR, 2006 – pág. 558. 

[3] Martinez, Wladimir Novaes. Comentários à lei básica da previdência social – 7. Ed. – São Paulo : LTr, 2006, pág. 293 2006, pág. 293

[4] Martinez, Wladimir Novaes. Comentários à lei básica da previdência social – 7. Ed. – São Paulo : LTr, 2006, pág. 293”.­­­­­­­­­­­­­­­­­es relativasR DA APOSENTADORIAEXEMPLIFICATIVO – ADICIONAL raçepçor que nido se, na constasalez que houver reajuste na aposentad

Informações Sobre o Autor

Fabio Camacho Dell’Amore Torres

Procurador Federal/AGU. Formado no curso de Direito pela Universidade Católica de Santos


Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais