A prescrição das ações individuais na pendência de ações coletivas sobre o mesmo objeto

0

Resumo: O instituto da prescrição não encontra amparo legal nas leis que formam o microssistema processual coletivo, obrigando o legislador a aplicar de forma residual o Código de Processo Civil, o que pode causar sérios prejuízos a esses direitos. O presente trabalho, utilizando da pesquisa bibliográfica doutrinária em revistas e livros jurídicos, além da inclusão de material jurisprudencial, busca a melhor interpretação para que a solução seja coerente com o sistema coletivo.

Palavras-Chave: Prescrição. Código de Processo Civil. Microssistema Processual Coletivo

A palavra prescrição vem do vocábulo latino praescriptio, derivado do verbo praescribere forma de prae e scribire, com o significado de escrever antes ou no começo.[1]

São requisitos necessários para que ocorra a prescrição: a existência de uma pretensão por parte do titular do direito violado; a inércia do titular, caracterizada pelo não exercício da pretensão; e o decurso do prazo extintivo estipulado em lei.

Prescrição, portanto,  é a perda da pretensão atribuída a um direito, e de toda a sua capacidade defensiva, em consequência do seu não uso, durante um determinado espaço de tempo.

Ao analisar o tema, Silvio Rodrigues afirma que o tempo é fator determinante para a aquisição ou perda de direitos:

Aqui encontramos a influência do elemento tempo no âmbito do direito. Nessa matéria, mais do que em qualquer outra relação jurídica, a interferência desse elemento é substancial, pois existe um interesse da sociedade em atribuir juridicidade àquelas situações que se prolongaram no tempo. De fato, dentro do instituto da prescrição, o personagem principal é o tempo.

Por dois modos ele vai interferir nas relações jurídicas. De um lado, o legislador vai deferir, à pessoa que desfruta de um direito por extenso período de tempo, a prerrogativa de incorporá-lo ao seu patrimônio; neste caso, temos a prescrição aquisitiva, ou seja, o usucapião. De outro, vai determinar que o indivíduo que longamente deixou de exercer uma ação que resguardava um direito subjetivo seu, perca a prerrogativa de utilizá-la; nesta hipótese, temos a prescrição extintiva. Num e noutro caso encontramos o elemento tempo a interferir na esfera das relações individuais, quer corroborando para que se consuma prerrogativa.

Entretanto, embora a prescrição aquisitiva e a extintiva se alimentem desse mesmo elemento, são institutos de natureza diversa. E tanto o são que o legislador pátrio tratou da segunda na Parte Geral do Código Civil, e da primeira, na Parte Especial, dentro do Direito das coisas, sob  a rubrica de usucapião.”[2]

Feito essas considerações, passemos para a análise da prescrição das ações Individuais na pendência de ações Coletivas sobre o mesmo objeto.

O artigo 104 do Código de Defesa do Consumidor prevê que não haverá litispendência entre ações individuais e coletivas fundadas no mesmo objeto, facultando aos litigantes individuais optarem por suspender seus feitos na esperança de serem beneficiados pela coisa julgada obtida na ação coletiva. Entretanto, a lei é omissa sobre o prazo prescricional das ações individuais ainda não propostas. Nesse sentido leciona Elton Venturi:

“Se é certo que não flui qualquer prazo prescricional durante todo o período de suspensão das ações individuais já propostas, requerida por seus autores nos termos do art. 104 do CDC, há dúvidas a respeito da incidência do regime prescricional no que diz respeito às pretensões que não foram formalmente judicializadas, sem a obtenção da citação do réu na específica via da ação individual.”[3]

Essa omissão causa celeuma na doutrina e na jurisprudência, principalmente porque a lacuna no âmbito coletivo, por vezes, é solucionada com a aplicação subsidiária do código de processo civil, conforme estabelece o microssistema de tutela coletiva. Nesse caso, a solução estaria no artigo 219 do código de processo civil que diz: “Art. 219. A citação válida torna prevento o juízo, induz litispendência e faz litigiosa a coisa; e, ainda quando ordenada por juiz incompetente, constitui em mora o devedor e interrompe a prescrição”.

Todavia, a aplicação subsidiaria desse dispositivo ensejaria a virtual prescrição das pretensões individuais ainda não proposta, o que demonstra incompatibilidade com os princípios e objetivos regentes do específico sistema coletivo. É nesse sentido a lição de Elton Venturi:

“Resta claro que em relação a determinados institutos processuais, tais como a legitimação para agir, a intervenção de terceiros, os poderes do juiz, os limites subjetivos da coisa julgada e a liquidação e execução das sentenças, o código de Defesa do consumidor ou estabelece expressamente ou induz a um regime processual que há de ser apreendido e aplicado corretamente a tarefa a ser executada gradativamente. Entretanto, no que diz respeito a matérias outras de ordem instrumental, não reguladas textualmente pelo Código de Defesa do Consumidor, e deixas, pois, à integração pelas legislações supramencionadas, surgem sérias dúvidas quanto à idoneidade da aplicação de dispositivos que, não sendo idealizados originariamente para instrumentar pretensões coletivas, poderiam mesmo se revelar inadequados, segundo uma ótica sistemática do processo coletivo.”[4]

Assim, para que a aplicação subsidiária seja coerente com o sistema coletivo, é necessário entender que o termo “citação válida” exposto no aludido artigo, abrange a citação do réu obtida na ação individual ou em qualquer outra com o mesmo fundamento, ainda que coletiva. Nesse sentido há o seguinte julgado:

“PROCESSUAL CIVIL. AÇÃO ORDINÁRIA – RECOMPOSIÇÃO DE SALDO DE CADERNETA DE POUPANÇA – EXPURGO DE JUNHO/87 – PRESCRIÇÃO INOCORRENTE. SÚMULA Nº 37, DESTA CORTE – INCIDÊNCIA À ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA DO QUANTUM DEBEATUR. NEGATIVA DE SEGUIMENTO À APELAÇÃO DA CEF EM SEDE MONOCRÁTICA. AGRAVO – INSUFICIENTE COMBATE AOS FUNDAMENTOS DECISÓRIOS. PREQUESTIONAMENTO.1. A Ação Civil Pública ajuizada a modo precedente pelo Ministério Público Federal com objeto símile ao processo sub examine – recomposição de saldo de poupança pelo expurgo de junho/87 – e com sentença de procedência à época do ajuizamento da demanda individual produz efeitos erga omnes sobre essa lide individual, incluso à interrupção do curso da prescrição.2. Os índices reconhecidos pela súmula 37, desta Corte incidem à atualização monetária dos débitos judiciais decorrentes de diferenças de correção em saldo de poupança. 3. O acolhimento de agravo contra a decisão monocrática que nega seguimento a recurso, reputado manifestamente improcedente (CPC, art. 557, § 1º), pressupõe vigoroso combate aos fundamentos do decisum anterior, sob pena de malogro. 4. Solucionada a lide com espeque no direito aplicável, tem-se por afastada a incidência da legislação em confronto, senão pela total abstração, com as adequações de mister, resultando, assim, prequestionada, sem que isso importe sua violação”.[5]

De igual modo, também foi decidido pelo mesmo tribunal que a citação em processo coletivo interrompe a prescrição para as ações individuais, mesmo que seja julgada posteriormente extinta sem resolução do mérito:

“SALÁRIOS-DE-CONTRIBUIÇÃO. REGIME PRECEDENTE À LEI Nº 8.213, DE 1991. ATUALIZAÇÃO PELAS ORTN/OTN. SÚMULA 02 DO TRF DA 4ª REGIÃO. No regime precedente à Lei nº 8.213, de 1991, os salários-de-contribuição, anteriores aos doze últimos, deviam ser corrigidos pela variação das ORTN/OTN. PROCESSO COLETIVO. CITAÇÃO. EFEITO INTERRUPTIVO DA PRESCRIÇÃO. EXTINÇÃO SEM RESOLUÇÃO DO MÉRITO. AÇÕES INDIVIDUAIS DOS SUBSTITUÍDOS. A citação realizada em processo coletivo interrompe a prescrição para as ações individuais dos substituídos, ainda que venha ele a ser julgado extinto sem resolução do mérito”.[6]

Portanto, a melhor interpretação, de forma a integrar o microssistema de tutela coletiva, é considerar que a citação válida para as ações de cunho coletivo interrompe o prazo prescricional das ações individuais que veiculam a mesma controvérsia, retroagindo seus efeitos a data da propositura da ação.

 

Referências
Leal, Antônio Luís da câmara. Da prescrição e da decadência. 4. Ed. Rio de Janeiro: Forense, 1982. P. 3, 99.
Rodrigues, Silvio. Direito civil. V. I. São Paulo:saraiva, 2004.
Venturi, Elton. Processo civil coletivo: a tutela jurisdicional dos direitos  difusos,  coletivos  e  individuais homogêneos no brasil. Perspectivas de um código brasileiro  de processos coletivos. São Paulo: Malheiros, 2007.

Notas:
[1] LEAL, Antônio Luís da Câmara. Da prescrição e da decadência. 4. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1982. p. 399.
[2] RODRIGUES, Silvio. Direito civil. V. I. São Paulo:Saraiva, p. 323-324.
[3] VENTURI, Elton. Processo civil coletivo: A tutela jurisdicional dos  direitos  difusos,  coletivos  e  individuais homogêneos no Brasil. Perspectivas de um Código Brasileiro  de Processos Coletivos. São Paulo: Malheiros, 2007, p. 369.
[4]  VENTURI, Elton. Processo civil coletivo: A tutela jurisdicional dos direitos  difusos,  coletivos  eindividuais homogêneos no Brasil. Perspectivas de um Código Brasileiro de ProcessosColetivos. São Paulo: Malheiros, 2007, p. 371.
[5]  TRF 4 Região.   AC 2009.71.07.000493-2,  RS,  TERCEIRA  TURMA,  Rel.  CARLOS  EDUARDO THOMPSON FLORES LENZ, D.E. 24/02/2010.
[6] TRF 4º APELAÇÃO CIVEL nº 2007.70.01.005360-5, QUINTA TURMA, Rel RÔMULO PIZZOLATTI, D.E. 12/08/2008.


Informações Sobre o Autor

Marcelo Henrique Matos Oliveira

Mestre em Direito Coletivo, Cidadania e Função Social pela Universidade de Ribeirão Preto/SP. Membro do Instituto Brasileiro de Direito Processual. Advogado


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais