Dispensa do pagamento das custas nas execuções judiciais contra o estado do Rio Grande do Sul e suas autarquias

0

Não é de agora que o renomado processualista italiano MAURO CAPPELLETI sustenta que o processo civil contemporâneo vivencia grave crise no que diz com o importante tema do acesso à Justiça, em especial em decorrência dos obstáculos econômicos, culturais, sociais e políticos que se interpõem entre o cidadão que pede Justiça e os instrumentos predispostos à chancela-la.

Os problemas relativos à pobreza da grande maioria da população, igualmente, sob a perspectiva atual de que o cidadão que busca a Justiça é consumidor – destinatário da Justiça, constituem fato juridicamente relevante, eis que a pobreza afigura-se como obstáculo ao acesso ao direito e às instituições encarregadas de administrar a Justiça.

Daí porque nosso ordenamento mereceu por parte do legislador regramento voltado à ampla assistência jurídica, não só compreendida como o patrocínio gratuito e a dispensa das custas processuais, mas assistência, orientação e informação  pré-processual.

A questão dos custos com o processo assume altíssima relevância na atual realidade, sendo obstáculo por vezes intransponível para os destinatários da Justiça. Já no umbral do processo declaratório de qualquer direito o cidadão se depara com a necessidade de arcar com as custas decorrentes da distribuição do processo. Durante o trâmite do processo, muitas vezes, deve ele prover as despesas dos atos que realiza ou que requer no processo. Após a decisão final proferida pelo juízo de primeiro grau, por vezes, o cidadão é compelido a recorrer ao juízo de segundo grau, o que, igualmente, lhe obriga ao pagamento de novas custas, agora por força de sua irresignação recursal voluntária.  Eventualmente, novas despesas na hipótese de outros recursos, até ultimar com o pronunciamento final e definitivo, podendo ser, inclusive, nos tribunais extraordinários.  A via crucius do destinatário da Justiça não termina aí: de posse do título judicial que lhe outorgou a posição de sujeito titular de um direito deve o cidadão buscar a realização deste direito, o que exige por parte do mesmo seja manejada a competente execução forçada.   Para tanto, novas custas com a distribuição da ação executiva. 

Pois bem, esta situação, a partir do dia 18 de maio de 2005, foi parcialmente alterada[1], ao menos no Estado do Rio Grande do Sul.  Os credores do Estado do Rio Grande do Sul e de suas autarquias têm uma feliz novidade:  a Lei Estadual n.º 12.266, de 17 de maio de 2005, alterou  disposições do Regimento de Custas Judiciais a que se refere a Lei n.º 8.951, de 28 de dezembro de 1989, disciplinando que nos processos de execução de sentença contra o Estado do Rio Grande do Sul e suas autarquias, as custas judiciais iniciais deverão ser pagas, ao final, pelo credor, se vencido[2].

A Justificativa ao Projeto de Lei n.º 154/2004 tem o seguinte teor, verbis:  A alteração proposta é pertinente, visto não ser razoável exigir-se de quem obteve uma sentença condenatória contra o Estado ou uma de suas autarquias, que, ao mover a execução da respectiva sentença, tenha que adiantar as custas judiciais relacionadas à execução, já que, nesse caso, estaria o credor sendo compelido a adiantar custas ao próprio devedor, no caso, o Estado.  Acrescente-se que milita em favor desta justificativa o fato de que a decisão judicial proferida contra o Estado e suas autarquias, via de regra, está sujeita ao duplo grau de jurisdição, não produzindo efeito senão depois de confirmada pelo tribunal[3], bem como ao fato de que eventuais embargos à execução fundada em título executivo judicial têm cognição sumária e limitada, haja vista que o decisum foi recoberto pela autoridade da coisa julgada[4].

Cabe a nós o reconhecimento desta louvável iniciativa e homenagem ao que a moderna doutrina denomina de acesso à ordem jurídica justa, iniciativa esta que teve origem no mês de maio do ano de 2004 em proposição feita à Assembléia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul pelo Poder Judiciário Gaúcho do Projeto de Lei n.º 154/2004, Projeto que por sua vez não teve nenhuma emenda e que recebeu pareceres favoráveis por parte da Comissão de Constituição e Justiça[5] e da Comissão de Planejamento, Finanças e Controle[6], ao final tendo obtido quorum de votação de 35 (trinta e cinco) a 0 (zero).

 
Notas

[1]Cf. dispõe o  art. 2º da Lei n.º 12.266/2005, verbis:  Art. 2.º  – Esta Lei entra em vigor na a de sua publicação.
[2] Cf. a observação 6ª, do item nº 1, da Tabela I, Dos Escrivães, constante no Anexo à Lei n.º 8.951, de 28 de dezembro de 1989, com a nova redação que lhe foi dada pela Lei n.º 12.266, de 17 de maio de 2005.
[3] Cf. dispõe o art. 475 do Código de Processo Civil.
[4] Cf. dispõe o art. 741 do Código de Processo Civil.
[5] Cf. Parecer da Comissão n.º 114/04, unânime.
[6] Cf. Parecer  n.º 33/04, unânime.

Informações Sobre o Autor

Danilo Alejandro Mognoni Costalunga

Advogado em Porto Alegre – RS, professor de Direito no UniRitter, Membro Efetivo do IBDP – Instituto Brasileiro de Direito Processual, Membro Honorário da ABDPC – Associação Brasileira de Direito Processual Civil, Especialista em Direito Processual Civil, Mestrando em Direito pela PUCRS.


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais