Fraternidade nos processos: solidariedade, cultura dialógica e dignidade da pessoa humana

0

Resumo: É fato que, no território nacional, o sistema jurídico estabelecido privilegia, sobremaneira, o enfrentamento entre as partes envolvidas no litígio, agravando, comumente, conflitos inúteis, alongando as batalhas e fomentando o confronto entre os envolvidos no dissenso causador da lide. Há uma ofuscante valoração do dualismo ganhador-perdedor que permeia o sistema processual adotado, no qual, imperiosamente, existe a imprescindibilidade de se estabelecer uma vítima e um responsável pelo acontecimento do conflito. Não bastasse a ótica adversarial que torna os limites do caderno processual um verdadeiro campo de batalhas, a morosidade do desenvolvimento da marcha do processo tem o condão de desencadear nefastos desgastes, comprometendo, por vezes, o discernimento dos envolvidos no que toca à administração do conflito. No sistema vigente, cuida reconhecer que a conflituosidade tende a emoldurar os procedimentos judiciais. Os litigantes, em decorrência dos mecanismos processuais agasalhados na legislação processual, são obrigados, comumente, a apresentar motivos justificadores a existência do dissenso, buscando se colocar em situação de vítima e a parte ex-adversa como culpada pela ocorrência do conflito, utilizando, por vezes, de argumentos que são hipertrofiados e que não refletem, em razão do grau de comprometimento psicológico dos envolvidos, a realidade existente, aguçando, ainda mais, a beligerância entre os envolvidos. Diante de tal cenário, o escopo do presente artigo está assentado em promover um exame a respeito do diálogo como importante mecanismo condutor da administração do conflito, pautando-se, para tanto, nas balizas sustentadoras da Mediação e do Direito Fraterno, importantes instrumentos no fomento da cidadania ativa e no empoderamento dos atores para o alcance de um consenso capaz de refletir os anseios dos envolvidos. [1]

Palavras-chave: Direito Fraterno. Princípio da Dignidade da Pessoa Humana. Solidariedade.

Sumário: 1. Introdução; 2. Solidariedade e fraternidade como terceira dimensão dos direitos humano; 3. Cultura adversarial versus cultura dialógica; 4. Direito fraterno e cultura dialógica; 5. Conclusão.

1 INTRODUÇÃO

Ao longo da formação da sociedade, influências marcantes, foram pilares sustentadores da civilização, dentre elas a Revolução Francesa que trouxe conceitos necessários para a confecção de uma ordem social, pautada na liberdade, igualdade e fraternidade. As duas primeiras dimensões do direito tiveram notáveis avanços, a liberdade e igualdade são conceitos positivados claros para a sociedade, no entanto a fraternidade, apesar de haver dispositivos que a asseguram, tem sido ofuscada.

A Constituição Cidadã reuni uma gama de direitos fundamentais com o intuito de promovê-los e torna-los pilares sociais, traz basicamente a positivação de direito inatos, naturais, vislumbrando a consolidação de uma sociedade humanitária. Com isso tangendo os direitos da terceira dimensão, a fraternidade, no entanto o poder imperativo da lei exige o respeito que é o princípio, mas o fraterno ou solidário é amplo e se remete ao amor ao próximo.

A visão fraternal é uma ferramenta promissora para a reversão da cultura adversarial em juízo, que prejudica tanto as partes quanto o andamento do processo, por isso implantar o diálogo nos casos é uma inovação promissora. Nesse viés o diálogo constrói um ambiente litigioso com menor teor de rivalidade e permite que as partes se vejam como iguais para a promoção de uma justiça devida e mais harmônica.

 Encadeando o pensamento anterior, o diálogo viabiliza ainda a maturidade dos envolvidos, a exposição de pensamentos mediadas por uma autoridade jurídica, fornece a oportunidade da reavaliação dos atos que os levaram até o conflito. Logo, permite a autoconsciência, a reaproximação dos litigantes, soluções consensuais e a solidificação de atitudes fraternas, que devem transcender ao ambiente litigioso.

O Direito Fraterno, portanto, é capaz de evoluir as relações sociais dando-as um significado majoritário, que vai além do conflito imediato, sendo capaz de inserir nos indivíduos o respeito à dignidade do próximo. Então inserir a solidariedade no ambiente litigioso é um chamado para as pessoas valorizarem a humanidade.

2 SOLIDARIEDADE E FRATERNIDADE COMO TERCEIRA DIMENSÃO DOS DIREITOS HUMANO

A ciência do Direito traz princípios para a efetivação de uma vida digna, são eles chamados de Direitos Fundamentais, inatos ao ser humano, que está presente na Declaração dos Direitos Humanos e positivadas na CF/88. Dentro desta ótica são delineadas três dimensões a priori; liberdade, igualdade e fraternidade, e com a globalização foi instaurada uma quarta que é a informação.

“E nessa indagação avultam os direitos humanos como principal contributivo para o estabelecimento da fraternidade como postulado, categoria Jurídico-Constitucional, cujo despontar veio a projetar-se muito tardiamente, em relação e proporção às suas duas companheiras, a liberdade e a igualdade” (MAIA, 2010, p. 6).

Apesar de todas as dimensões serem de suma importância para a humanidade o enfoque presente é a terceira que trata da Fraternidade, no entanto cada uma é complementada pela outra. Principalmente ao tratar das três primeiras, pois liberdade sem fraternidade é libertinagem, e igualdade sem fraternidade se perde o ideal do respeito, e a fraternidade sem a liberdade e igualdade não cumpre seu propósito.

“Não temos dúvidas de que, ou o Direito tout court se regenera e se adapta (não aos novos tempos, sociologicamente entendidos, mas à nova respiração da Humanidade ao desnublar do seu pensamento, ao seu caminho para a maioridade), ou acabará enquanto tal. Pode haver muitos nomes para essa nova etapa do Direito, mas ele terá sempre que ser humano, solidário, altruísta, fraterno, como antes foi objetivo e hoje ainda é, mesmo que confusamente subjetivo” (CUNHA, 2009, p. 85).

Após as referências conceituais de cada dimensão é possível notar que existe uma maior facilidade em legislar e aplicar certas diretrizes. Como a da liberdade, do indivíduo sendo possibilitado de exercer o livre arbítrio, ir e vir, mas se responsabilizando pelos próprios atos. Proporcionalmente a igualdade, pois no âmbito jurídico existe os aplicadores da lei para consolida-la de maneira devida. Diferente é o que ocorre com a Fraternidade que por ser algo tão subjetivo a sua aplicabilidade é variável, sendo muitas vezes ofuscada.

“Assim, a fraternidade não considera a técnica como algo que se “abre” ou se “fecha”, mas como algo que alcança a philia das contradições e da ambivalência. Por exemplo, o corpo humano: a técnica pode reduzir (e reduz) o corpo humano em mercadoria, mas pode também, ao mesmo tempo, desvelar novas dimensões de solidariedade. Podese observar esse fato quando se descobre, graças à pesquisa científica, a compatibilidade de medula, viabilizando-se, assim, o transplante; a questão, agora, é: pode-se falar em “dever doar”? Esse nível de solidariedade, antes impensável, torna-se possível e factível nos dias de hoje por meio da técnica. Ela é uma nova philia e um novo desafio para a co-divisão. Porém, essa co-divisão tem seu caráter de ambivalência, que faz pensar se é possível ser proprietário do próprio corpo ou se é necessário colocá-lo à disposição da humanidade” (VIAL, 2007, p.130).

O bem solidário não consegue ser objetivo, por isso, não é presente de modo tão imperativo como os direitos anteriores. Apesar de haver muitas passagens que remetem ao Fraternal, não é possível a definição direta, pois não cabe a Lei ensinar a amar ou respeitar o próximo, ela apenas diz que tal conduta deve existir. Porque, dessa forma, a relações humanas se tornam mais fluidas no momento em que uma pessoa antes de repreender outra a olha nos olhos e reconhece a sua humanidade.

“Ao logo de inúmeras mudanças na legislação, bem como em toda dogmática jurídica empregada e defendida no mundo, os princípios da liberdade e da igualdade abrem caminho para aos princípios da terceira geração, dentre eles o da fraternidade e solidariedade, para a reconstrução de toda uma nova forma de dogmática jurídica. Com a incisiva efetividade de tais princípios, certamente teríamos a curto espaço de tempo significativas mudanças no quadro social, político e jurídico das sociedades, reacendendo as correntes iluministas, e dando guarida a uma maior interpretação dos institutos, sempre com vistas a uma maior integração entre os povos e nações” (HURTADO, POZZOLI, [2010?], p.6).

Analisando a ideia da Solidariedade, pode-se aludir que é ter pena do outro, mas está acima disso, é ser capaz de ouvir uma realidade diferente e por mais conturbado tentar entender e respeitar. No entanto, não é praticar a impunidade, é paradoxo a isso, é punir e concomitantemente acolher e conduzir o indivíduo a não errar novamente. Logo quando essa conduta parte dos próprios envolvidos em um litígio mostra a real fraternidade.

“[…] os Direitos Humanos, foram concebidos como proposta de um sistema de vida integral que abarcasse todos os âmbitos, o cultural, o econômico, o político e o social, tanto a nível individual como coletivo, e aplicável a todos, sem qualquer discriminação. Este um desejo de sobrevivência cada vez mais profundo à medida que cresce a ameaça. Não se contentam em proclamar a sede da vida dos seres humanos, mas tentam permitir concretamente a sobrevivência. Enfim, o exercício da cidadania pode intensificar o processo de discussão de um projeto de desenvolvimento que aponta para o bem comum, coisa salutar desde que seja observado o respeito à dignidade da pessoa humana a todos, sem distinção” (CRUZ, POZZOLI, 2010, p.5550).

Como a terceira dimensão do Direito a fraternidade está disposta na Constituição Cidadã e de modo universal na Declaração dos Direitos Humanos. Logo ao remeter a recente dimensão da informação, como ideia de complementariedade, que globaliza facilitando a agilidade da interação entre as nações. É possível delinear a capacidade de instaurar a Fraternidade em âmbito global, com força de promover a unificação fraternal das nações.

“A expressão globalização tem revelado primazia em relação às demais, uma vez que se trata de uma das expressões mais utilizadas e difundidas nas últimas décadas. Outrossim, o adjetivo ‘global’ passou a ser frequentemente utilizado, para fazer qualificar àquilo que diz respeito a seres humanos, processos e instituições quanto coletividade potencialmente afetadas pelos efeitos, por exemplo, comunidade global, segurança global, mercados globais, aquecimento global, Estado global entre outros” (FERRERA, 2008, p. 18-19).

Portanto, o Direito Fraterno é um princípio que está sempre em expansão, buscando constantemente a melhoria da vida em civilização, com o objetivo de ampliar direitos que concedam uma convivência social cada vez mais aprimorada.

3 CULTURA ADVERSARIAL VERSUS CULTURA DIALÓGICA

A conjuntura Jurídica atual construiu gradativamente a cultura adversarial, em seu berço litigioso a conservação dessa pratica prejudica o andamento do processo e desgasta ainda mais os indivíduos. Diante dessa realidade os legisladores se viram responsáveis por modifica-la, então aderiram a Cultura Dialógica para a reestruturação do processo de maneira mais harmônica.

“Esse indvidualismo é resultado da sociedade regulada pelo mercado, do captalismo extremo, onde a lei de sobrevivencia é do mais forte ou poderoso, o ser humano acaba se afastando do sentimento de coletividade e solidariedade para viver o sentimento do Eu em relação ao resto” (FERRERA, 2008, p. 32).

O processo atualmente é sinônimo de rivalidade, desse modo, ao mover uma ação contra a outra parte o objetivo do autor e até mesmo do réu é vencer, ou seja, utilizar de qualquer estratégia para prejudicar o outro. Essas atitudes inumanas são características do individualismo, que não permite a compaixão, pois a valorização do material ultrapassa a essência humanitária.

“Por fim, com relação à sustentação dos direitos humanos e o direito fraterno; os direitos humanos podem ser ameaçados pela própria humanidade, é graças a esta que entram em vigor, e o direito fraterno pode ser a forma mediante a qual pode crescer um processo de auto responsabilização, desde que o reconhecimento do compartilhamento se libere da rivalidade destrutiva típica do modelo de inimigos” (REINAS, [2013?], s.p).

Diante disso nota-se a Cultura Adversarial onde o ambiente fica desgastante, a comunicação prejudicada entre as partes envolvidas, os laços afetivos rompidos. São inúmeras as consequências advindas dessa ação egoísta, ainda, prejudicando o andamento processual, pois existem casos que a ação jurídica é objetiva, mas muitas vezes é comprometida pelo fato de haver desentendimentos emocionais.

“Sustenta sua alegação com a indagação: se efetivamente o vínculo social é um vínculo trágico, como seria resolvida (no Direito fraterno) a questão da violência interna do grupo? Para ele, enquanto um grupo possui inimigos para combater sua coesão está reforçada, mas quando os adversários desaparecem a violência precisa buscar um novo lugar de expressão. Salienta, por outro lado, que a vontade coletiva precisa ser representada pela maioria ou por seus representantes, e precisa prever a aceitação incondicional das diferenças, uma forte capacidade de comunicação e, finalmente, uma certa comunidade de cultura” (SPLENGLER, 2006, p 49).

Os desentendimentos emocionais são um item peculiar na justiça, ao se tratar de pessoa é claro que vai haver sentimento, mas o sistema Judiciário não possui a delicadeza de tanger esses níveis tão abstratos. Por isso, acaba sendo frequente a insatisfação jurídica até mesmo para o vencedor, principalmente nos casos familiares, pois com a utilização de munições emocionais os indivíduos sentem mais as perdas do que os ganhos.

“Os sentimentos como o amor, a fraternidade e a igualdade são possíveis porque são altamente improváveis. Esta é uma sociedade de risco e, como alternativa, tem-se sempre outro risco. Em outras palavras, embora se tenha construído várias instâncias para reduzir a complexidade, a cada vez que se pretende a redução desta mesma complexidade, se está incrementando-a” (ROCHA, STURZA, [2014?],s.p).

Em oposição a isso a Cultura Dialógica é capaz de reformular todo o processo, pois levando em consideração a fala das próprias partes e conduzindo-as a compreender que ambas sentem o peso emocional, proporciona a oportunidade de que conduzam com mais fluidez o processo. Logo a implementação do Diálogo no meio jurídico permite de forma sutil a observância dos traços psicológicos e beneficia a resolução do processo.

“Cada vez mais acredito que oamor é a nossa única chance. Se pudermos nos respeitar como semelhantes que precisam uns dos outros e que decidem dedicar-se à criação do bem-estar comum, o potencial para o bem é ilimitado. Se fracassarmos nessa realização, perderemos nossa dignidade e usaremos os avanços tecnológicos para nos destruir. Se quisermos solucionar os problemas em nossa sociedade global, precisamos do respeito e do diálogo significativos que brotam do amor” (CHAPMAN, [2010?], p.20).

Observar os traços psicológicos, portanto, é notar o subjetivo, o que os fizeram chegar a esse ponto para a conclusão devida do caso. Então deixar com que as partes conversem, com a orientação apropriada, delimitando o momento de falar e de ouvir é importante, porque dessa forma, eles podem por si concretizarem uma solução. Logo, agilizar a resolução do caso, utilizando o princípio da vontade das partes que, via de regra, é autônoma e capaz de findar a lide, promovendo emancipação e empoderamento.

“Estas observações estudadas à luz do Direito Fraterno podem indicar novos horizontes, novas perspectivas e até colaborar com a elaboração de propostas conjuntas para a solução de antigos problemas relativos ao binômio inclusão/ exclusão. Mais do que isso, o Direito Fraterno propõe mediação e pactuação constantes, fundamentais para uma sociedade em transformação como a nossa” (VIAL, 2007, p.136,).

Em paralelo, a Cultura Dialógica é uma adesão benéfica ao processo, visto que proporciona uma solução mutuamente concordada e desenvolve o processo de maneira mais célere. Desse modo prevenindo que os participantes tenham desgastes desnecessários, ajudando a tramitação do caso e por fim consolidando a solidariedade, no passo em que os indivíduos passam a ter uma ligação direta.

“Cremos que será bom que, de um lado e do outro, se façam esforços de compreensão e diálogo. E que, se não possa alguém reclamar do jusnaturalismo com as mãos mentais tintas do sangue de justos, porque se trata de uma perspectiva também profundamente ética, com implicações de vivência, e não simplesmente uma abstracção a que se possa aderir apenas mentalmente, de igual modo, também se devem apartar, neste âmbito, os que confundem Direito Natural com os seus conceitos e preconceitos, designadamente, de uma cosmovisão, muito religiosa e ideológic”a (CUNHA, 2009, p.82).

Então a comunhão do Direito Fraterno com a Cultura Dialógica é, para o processo, a inovação ideal para o amadurecimento humanitário e a promoção de práticas menos adversariais nos casos, promovendo não apenas soluções menos agressiva, mas também a pacificação social.

4 DIREITO FRATERNO E CULTURA DIALÓGICA

Na verdade, o que ocorre é consequencial, a inserção do diálogo é uma forma sutil de fazer as partes notarem a humanidade do outro, levando-as a praticar o ato solidário. Dessa forma, começando de maneira particular em processos e fazendo os participantes levarem isso para a conivência em civilização, compreendendo o intuito do Direito Fraterno que é a ampliação universal.

“O estabelecimento de uma democracia global justa exige um liame comum que possa fazer convergir todos os ideais políticos a partir de um senso comum básico o qual é justificado no universalismo dos direitos humanos. Isto é, a construção de uma nova ordem política e jurídica de caráter global legitima dos direitos humanos” (FERREIRA, 2008, p.11-12).

Através desses aspectos o Direito Fraterno busca a contemplação devida dos Direitos Fundamentais, que são clausula pétrea da CF vigente, para a promoção de uma vida digna a todos. Assim revelando o quão importante é a efetividade prática do diálogo em função da Fraternidade promovendo a compaixão ao próximo e dando a oportunidade de disseminar em sociedade.

“Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos: […]

III – a dignidade da pessoa humana”; (BRASIL, 1988)

Diante da sociedade atual é notável a individualização que projeta o egoísmo, sendo contrário à ideia de viver em comunidade. Essa atitude é proveniente do capitalismo, que passou a ser a exacerbado levando os indivíduos a quererem sempre mais e não pensarem no próximo. Logo consolidando o desprezo ao em vez de buscar o crescimento em conjunto para uma melhor civilização.

“A emergência do neoconstitucionalismo conduziu a uma nova forma de se interpretar o Direito Constitucional, redefinindo o primordial lugar da Constituição, e tornando mais efetiva a relação amorosa entre Democracia e Constitucionalismo.

O que, provavelmente, culminou com a abertura do sistema jurídico, tornando-o mais dinâmico, e em constante construção e reconstrução” (MAIA, 2010, p.47).

Para a desconstrução da cultura adversarial o Direito Fraterno traz a Lei da Amizade como instrumento primordial para a formação de uma vida harmônica (REINAS,2012). Ao destrinchar a essência da Lei da Amizade é delinear a forma como tratar o outro, sem julgamentos, com acolhimento, disposto a ajudar, enfim é agir como um amigo. No entanto esse novo comportamento exige uma abertura que advém do diálogo, principalmente no cenário litigioso, que é comum a tensão. Então como meio de instalação da harmonia e ainda amenizador da tensão o diálogo é fundamental.

“Conseqüentemente, de todos esses sentimentos, nascidos a partir do Estado de Direito, um deles merece especial atenção, pois, se o Direito fraterno é convencional e não violento, torna-se importante pensá-lo perpassado pela lei da amizade, que encontra “nos processos de codificação moderna a fórmula do imperativo da fraternidade diante de um jogo político, construído em cima da contraposição, conhecida, do amigo-inimigo.” A amizade no, entanto, não desenvolve um percurso linear entre virtude coletiva e qualidade, que “definha na relação e que oscila do plano da vida pública àquela da mais íntima esfera privada.” Quanto mais a amizade perde “seu caráter de argamassa espontânea da sociedade”, mais tem necessidade de ser prescrita por uma lei que contenha imperativos ético-religiosos, mas principalmente jurídicos” (SPENGLER, 2006, p.45-46).

Perante aos aspectos traçados para a efetivação de um ambiente solidário que tem como base a Cultura Dialógica, temos os métodos extrajudiciais tratamento de conflitos como a mediação. Essa tem por princípio individualizar as ações de acordo com o processo levando em consideração a subjetividade das partes e conduzindo-as, sem pressa, a estabelecer uma conversa com a finalidade de um acordo mutuamente benéfico.

“Acreditamos que o caráter relacional e intersubjetivo do direito receberá novos contornos, a partir desse novo paradigma, onde poderemos compreender o Direito como um instrumento que regulamenta algumas condutas, facilitando a concretização da justiça que será alcançada mais adequadamente através da inter-relação jurídica com o exercício de relações fraternas, buscando-se a mediação e a conciliação como institutos jurídicos que tornem o Direito e a justiça efetivamente ao alcance de todos os seres humanos que vivam com os outros, e não apesar e contra o outro” (MAIA, 2010, p.69).

Levando em consideração os aspectos citados, portanto, é possível notar que o Direito Fraterno é a chave para abrir uma dimensão jurídica que estava obsoleta. Logo em paralelo a essa inovação jurídica ampliar o sentimento solidário de modo que atinja a sociedade em sua plenitude para assim concretizar o anseio da universalização.

5 CONCLUSÃO

Como previamente dito a Fraternidade e a Solidariedade são princípios que geram uma harmonia social, mas o principal objetivo é a maneira como efetiva-las na civilização. Por ser um conceito abstrato que leva em conta o sentimento de compaixão é difícil impor em Leis, por isso é importante que parta dos próprios indivíduos.

Para que esse sentimento brote é preciso, portanto, a implantação do diálogo como método que conduza as pessoas a enxergarem o próximo como iguais e faze-las compreender que existe algo maior que o bem material. Então disseminando a harmonia, não apenas no cenário litigioso, mas também quando estiverem em âmbito social.

A associação do diálogo com o ideal fraterno e solidário é um princípio que pretende harmonizar tanto o cenário litigioso como a sociedade em sua totalidade. Então construir um novo conceito que descarte a ideia adversarial para a construção gradativa de um sentimento mais amoroso que acate a Lei da Amizade e promova para a civilização a melhoria necessitada.

Logo evidenciar o ideal fraterno através do Judiciário é uma necessidade da atual sociedade individualizada, por isso, a cada passo que o egoísmo é mais presente mais se tem a necessidade de legislar sobre como tratar o próximo. Portanto, o Direito Fraterno é a terceira dimensão que busca disseminar um tratamento acolhedor para com o outro, de maneira a fundamentar uma sociedade harmônica e solidária, na qual primeiro se estabelece o respeito e consolide assim a Dignidade da Pessoa Humana.

 

Referências
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Câmara dos Deputados: Centro de Documentação e Informação. 2015.
FERREIRE, Rafael Fonseca. O Estado e o Direito entre pós-modernidade e globalização: Limites e possibilidade do Direito Fraterno na sociedade cosmopolita. 2008. Disponível em: <file:///C:/Users/thain/Downloads/O%20Estado%20e%20o%20Direito%20entre%20Pós-Modernidade%20e%20Globalização%20-%20Rafael%20Ferreira.pdf>. Acesso em 17 mar. 2017.
MAIA, Marieta Izabel Martins. Direito Fraterno: em busca de um novo paradigma jurídico. 2010. Disponível em:
<file:///C:/Users/thain/Desktop/Direito%20Fraterno%20-%20Marieta%20Izabel%20Martins%20Maia.pdf>. Acesso em 18 de mar. 2017.
VIAL, Sandra Regina Martini. Direito Fraterno na Sociedade Cosmopolita. 2007. Disponível em: <file:///C:/Users/thain/Desktop/Direito%20Fraterno%20na%20Sociedade%20Cosmopolita%20-%20Sandra%20Regina%20Martini%20Vial.pdf>. Acesso em 19 mar. 2017.
CUNHA, Paulo Ferreira da. Do Direito Natural ao Direito Fraterno. 2009. Disponível em: <file:///C:/Users/thain/Downloads/Do%20Direito%20Natural%20ao%20Direito%20Fraterno%20-%20Paulo%20Ferreira%20da%20Cunha.pdf>. Acesso em 30 abr. 2017.
HURTADO, André Watanabe. POZOLLI, Lafayette. O princípio da fraternidade na pratica jurídica. Disponível em: <file:///C:/Users/thain/Downloads/O%20Princípio%20da%20Fraternidade%20na%20Prática%20Jurídica%20-%20Lafayette%20Pozzoli%20e%20André%20Watanabe%20Hurtado.pdf>. Acesso em 31 abr. 2017.
REINAS, Cássia Cristina Hakamada. O resgate do direito fraterno nas mediações no juizado especial cível. Disponível em: <file:///C:/Users/thain/Downloads/O%20Resgate%20do%20Direito%20Fraterno%20nas%20Mediações%20-%20Cássia%20Cristina%20Hakamada%20Reinas.pdf>. Acesso em 1 abr. 2017.
CRUZ, Alvaro Algusto Fernandes da. POZZOLI, Lafayette. Princípio constitucional da dignidade humana e o direito fraterno. Jun.2010. Disponível em:
<file:///C:/Users/thain/Downloads/Princípio%20Constitucional%20da%20Dignidade%20Humana%20e%20o%20Direito%20Fraterno%20-%20Álvaro%20Augusto%20Fernandes%20da%20Cruz%20e%20La.pdf>. Acesso em 2 abr. 2017.
SPENGLER, Fabiana Marion. Uma nova abordagem dos conflitos sociojurídicos por meio do direito fraterno. Disponível em: <https://www.revistas.unijui.edu.br/index.php/revistadireitoemdebate/article/viewFile/676/393>. Acesso em 3 abr. 2017.
ROCHA, Claudine Rodembusch; STURZA, Janaína Machado. Direito e fraternidade: paradigmas para a construção de uma nova sociedade. Disponível em: <http://publicadireito.com.br/artigos/?cod=601c6bc71c748001>. Acesso em 4 abr. 2017.
 
Nota
[1] Artigo vinculado ao Grupo de Pesquisa “Direito e Direitos Revisitados: Fundamentalidade e Interdisciplinaridade dos Direitos em pauta”.

Informações Sobre os Autores

Thainá Coelho Fonseca

Acadêmica de Direito da Multivix – Unidade de Cachoeiro de Itapemirim-ES

Tauã Lima Verdan Rangel

Doutorando vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Direito da Universidade Federal Fluminense (UFF), linha de Pesquisa Conflitos Urbanos, Rurais e Socioambientais. Mestre em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade Federal Fluminense. Especializando em Práticas Processuais – Processo Civil, Processo Penal e Processo do Trabalho pelo Centro Universitário São Camilo-ES. Bacharel em Direito pelo Centro Universitário São Camilo-ES


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais