Fato gerador e hipótese de incidência tributação de atos jurídicos ilícitos

0

Resumo: Artigo elaborado como requisito de avaliação no curso de especialização em Direito Público na instituição Anhanguera em parceira com a rede de ensino LFG. Abordagem sobre o tema com análise acerca da distinção entre os institutos jurídicos sob o enfoque normativo jurisprudencial e doutrinário. Inserção de discussões e decisões atuais sobre a temática.

Sumário: 1 – Introdução. 2 – Desenvolvimento. 3 – Conclusão.

1. INTRODUÇÃO

Será abordada a natureza jurídica do fato gerador e da hipótese de incidência no Direito Tributário, a distinção e/ou semelhanças entre ambos os institutos; e a existência ou não de tributação nas relações jurídicas ilícitas.

2. DESENVOLVIMENTO

Deve-se esclarecer que fato gerador e hipótese de incidência são institutos do Direito Tributário que não se confundem. Apesar da discussão acadêmica existente a cerca de eventual identidade é pacifico esse entendimento na doutrina e jurisprudência.

O fenômeno da incidência tributária é vislumbrado, em dois momentos, conforme se extrai da doutrina, a hipótese de incidência e o fato gerador.

Hipótese de incidência é a previsão legal, abstrata e geral capaz de deflagrar àquele fenômeno. Este é o marco inicial do processo de tributação, ou seja, o primeiro requisito para que a Administração tenha legitimidade na exigibilidade de determinado tributo.

Nas palavras de Eduardo Sabbag “a hipótese de incidência tributária representa o momento abstrato, previsto em lei, hábil a deflagrar a relação jurídico-tributária”.

Fato gerador é a ocorrência no mundo concreto, a materialização da hipótese de incidência previamente prevista em lei. É assim considerado, o consequente da hipótese geral e abstrata, sendo a prática dele o momento do nascimento da obrigação tributária, hábil a produzir consequências no mundo jurídico. Eduardo Sabbag define fato gerador como sendo “a materialização da hipótese de incidência, representando o momento concreto de sua realização, que se opõe à abstração do paradigma legal que o antecede”.

Para a configuração da relação jurídico-tributária deve o contribuinte praticar o fato gerador, ou seja, concretizar a hipótese de incidência. Desse modo é possível a tributação de atos jurídicos ilícitos desde que o contribuinte haja daquela forma.

O sistema tributário brasileiro não se preocupa com a origem da riqueza arrecadada, se oriunda ou não de atividade contrária ao ordenamento jurídico vigente, de modo que, materializada a hipótese de incidência no mundo jurídico estará configurado o fato gerador, devendo ensejar normalmente a tributação conforme disposição legal, prevalecendo no sistema jurídico nacional o Princípio do pecúnia non olet (o dinheiro não tem cheiro).

O legislador infraconstitucional previu expressamente a irrelevância da origem da renda tributável, determinado a abstração da natureza do objeto ou dos efeitos do fato gerador, assim elencado no art. 118 do CTN:

“Art. 118. A definição legal do fato gerador é interpretada abstraindo-se:

I – da validade jurídica dos atos efetivamente praticados pelos contribuintes, responsáveis, ou terceiros, bem como da natureza do seu objeto ou dos seus efeitos;

II – dos efeitos dos fatos efetivamente ocorridos”.

A possibilidade de tributação de rendimentos auferidos ilicitamente também já foi enfrentada pela Suprema Corte do país, assim disposto no Informativo n. 637 do Colendo STF, referente a hipótese de tributação de renda oriunda do jogo do bicho, sendo este considerado um ilícito penal, conforme se extrai:

“É possível a incidência de tributação sobre valores arrecadados em virtude de atividade ilícita, consoante o art. 118 do CTN […] o paciente fora condenado pelo crime previsto no art. 1º, I, da Lei 8.137/1990 […] e sustentava a atipicidade de sua conduta, porque inexistiria obrigação tributária derivada da contravenção penal do jogo do bicho (Decreto-Lei 6.259/44, art. 58). O Min. Dias Toffoli, relator, assinalou que a definição legal do fato gerador deveria ser interpretada com abstração da validade jurídica da atividade efetivamente praticada, bem como da natureza do seu objeto ou dos seus efeitos. Ressaltou que a possibilidade de tributação da renda obtida em razão de conduta ilícita consubstanciar-se-ia no princípio do non olet. […] seria contraditório o não-pagamento do imposto proveniente de ato ilegal, pois haveria locupletamento da própria torpeza em detrimento do interesse público da satisfação das necessidades coletivas, a qual se daria por meio da exação tributária”.

Nesse sentido, é assegurada a observância dos princípios constitucionais da isonomia e da razoabilidade. Segundo o jurista Ricardo Lobo Torres:

“Se o cidadão pratica atividades ilícitas com consistência econômica, deve pagar o tributo sobre o lucro obtido, para não ser agraciado com tratamento desigual frente às pessoas que sofrem a incidência tributária sobre os ganhos provenientes do trabalho honesto ou da propriedade legítima.”

3. CONCLUSÃO

A hipótese de incidência e fato gerador são etapas distintas dentro do processo que deflagra a tributação. Sendo a primeira, prévia e abstrata, e a segunda, concreta e consequente.

Basta que o sujeito pratique a hipótese de incidência, configurando o fato gerador para que a obrigação tributária exista, sendo irrelevante para o direito tributário a licitude ou não do ato praticado.

 

Referências
ALEXANDRE, Ricardo. Direito Tributário Esquematizado. 3ª ed. atual. ampl. São Paulo: Método, 2009.
Átila Da Rold Roesler (09/2009.). A cláusula "pecunia non olet" em Direito Tributário.
Código Tributário Nacional. Disponível em: <http://presrepublica.jusbrasil.com.br>. Acessado em: 01 de maio de 2014.
Revista Artigos. Disponível em: <http://www.ambito-juridico.com.br>. Acessado em: 05 de maio de 2014.
Ricardo Torres. Tratado de direito constitucional, financeiro e tributário. Rio de Janeiro: Renovar, 2005. p. 372. vol. 2.
SABBAG, Eduardo. Manual de Direito Tributário. 6ª ed. São Paulo: Saraiva, 2014.
Sérgio Baalbaki (09/2006). Tributação Oriunda de Atos Ilícitos.
Supremo Tribunal Federal. Disponível em: <www.stf.jus.br>. Acesso em: 24 de abril de 2014.
Superior Tribunal de Justiça. Disponível em: <www.stj.jus.br>. Acesso em: 24 de abril de 2014.

Informações Sobre o Autor

Sofia Miranda Orsini

Advogada em Brasília. Ex-assessora parlamentar na Câmara dos Deputados e no Senado Federal. Pós graduanda em Direito Publico pela Universidade Anhanguera


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais