Seguro Defeso e Importância de Garantia de Renda Mínima para os pescadores artesanais do Estuário da Lagoa dos Patos

Resumo: O artigo trata da importncia do seguro-desemprego para os pescadores durante o período de reprodução dos cardumes para si e suas famílias já que não têm outra fonte de renda nem possibilidade de exercer outra profissão.

Palavras-chave: Seguro-defeso–Renda-mínima – Estuário da Lagoa dos Patos

Sumário: 1 Introdução 2 Histórico 3 Direitos fundamentais e o Mundo Globalizado 4 Direitos Fundamentais e Democracia 5Novas tendências 6 Desafios Atuais 7 Considerações Finais 8 Referências

1 Introdução

Há um período na cadeia produtiva da pesca, em que existe uma proibição para se efetuar a pesca, tendo em vista proteger a necessidade de renovação dos cardumes.

Neste período, ficam vetadas ou controladas as atividades de caça, captura e coleta de peixes em determinadas áreas, em períodos estabelecidos pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente.

Essa medida visa proteger a fauna, tendo em vista que ocorre no período de reprodução dos peixes, de molde que haja sustentabilidade na pesca.

Nesse período, em nossa Cidade, especialmente, os pescadores artesanais e suas famílias ficam impedidos de pescar no estuário da Lagoa dos Patos, sendo que precisam prover a sua família.

Em razão disso, há um benefício oferecido pelo Governo Federal para os pescadores, por causa da proibição de exercer a sua atividade.

Tal benefício é pago como auxílio assistencial, no importe de 1 (um) salário-mínimo, nos meses em que durar a proibição e visa a garantia de sobrevivência do pescador.

É importante o auxílio não só para a dignidade do pescador, como também de sua esposa, que lhe ajuda no emalhe das redes, na filetagem do peixe etc.

O objetivo deste trabalho é analisar a importância desse benefício não só para o pescador, como também para sua companheira.

2 Histórico

A pesca é uma das atividades mais antigas feitas pelo ser humano. O ato de extração de organismos aquáticos da água, remonta desde a Antiguidade.

Na própria Bíblia encontramos diversas passagens, relatando que os apóstolos pescavam, talvez a mais importante sendo a de João, 21:

“João 21

1 Depois disso Jesus apareceu novamente aos seus discípulos, à margem do mar de Tiberíades. Foi assim:

2 Estavam juntos Simão Pedro; Tomé, chamado Dídimo; Natanael, de Caná da Galileia; os filhos de Zebedeu; e dois outros discípulos.

3 "Vou pescar", disse-lhes Simão Pedro. E eles disseram: "Nós vamos com você". Eles foram e entraram no barco, mas naquela noite não pegaram nada.

4 Ao amanhecer, Jesus estava na praia, mas os discípulos não o reconheceram.

5 Ele lhes perguntou: "Filhos, vocês têm algo para comer?"

Eles responderam que não.

6 Ele disse: "Lancem a rede do lado direito do barco e vocês encontrarão". Eles a lançaram e não conseguiam recolher a rede, tal era a quantidade de peixes.

7 O discípulo a quem Jesus amava disse a Pedro: "É o Senhor!" Simão Pedro, ouvindo-o dizer isso, vestiu a capa, pois a havia tirado, e lançou-se ao mar.

8 Os outros discípulos vieram no barco, arrastando a rede cheia de peixes, pois estavam apenas a cerca de noventa metros da praia.

9 Quando desembarcaram, viram ali uma fogueira, peixe sobre brasas e um pouco de pão.

10 Disse-lhes Jesus: "Tragam alguns dos peixes que acabaram de pescar".

11 Simão Pedro entrou no barco e arrastou a rede para a praia. Ela estava cheia: tinha cento e cinquenta e três grandes peixes. Embora houvesse tantos peixes, a rede não se rompeu.

12 Jesus lhes disse: "Venham comer". Nenhum dos discípulos tinha coragem de lhe perguntar: "Quem és tu?" Sabiam que era o Senhor.

13 Jesus aproximou-se, tomou o pão e o deu a eles, fazendo o mesmo com o peixe.

14 Esta foi a terceira vez que Jesus apareceu aos seus discípulos, depois que ressuscitou dos mortos”.

É, portanto, uma atividade antiga, histórica e que vem sendo desenvolvida desde a Antiguidade, mesmo ainda antes da invenção da agricultura.

No Brasil a pesca é importante desde o seu descobrimento, sendo praticada em todo o litoral por pescadores artesanais, em parceria, ou individualmente, com a ajuda de sua família.

Em nossa região, especificamente, é praticada desde longos tempos, extensivamente, devido à dimensão do nosso litoral.

O Rio Grande do Sul é um dos Estados mais importantes no segmento pesqueiro no País, sendo o quarto estado brasileiro mais importante na produção artesanal de pescado, sendo o Estrado maior produtor de camarão-rosa, sendo que esse tipo de pesca é realizado exclusivamente por pescadores artesanais.

São cerca de 5 mil pescadores artesanais na região do Rio Grande, que dependem exclusivamente da atividade para seu sustento e de sua família (GARCEZ e SANCHEZ-BOTERO, 2005).

3. Importância do auxílio para o pescador e sua mulher

O auxílio era deferido apenas para o homem, conforme orientação do Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador – CODEFAT, com base na sua resolução n° 657/2010, de 16/12/2010, que em seu art. 3º estabeleceu os requisitos:

“Art. 3º O benefício do Seguro-Desemprego será requerido pelo pescador profissional,

categoria artesanal, nas unidades de atendimento autorizadas pelo Ministério do Trabalho e

Emprego – MTE, vedada a intervenção de agenciadores/despachantes no processo de

habilitação, mediante a apresentação dos seguintes documentos:

I – documento de identificação oficial;

II – comprovante de inscrição no Programa de Integração Social – PIS ou Programa

de Formação do Patrimônio do Servidor Público – PASEP;

III – comprovante de inscrição no Cadastro de Pessoa Física – CPF;

IV – Carteira de Pescador Profissional, categoria artesanal, emitida e atualizada pelo

MPA, cuja data do primeiro registro comprove a antecedência mínima de um ano da data do

início do defeso;

V – comprovante de venda de pescado ou comprovante de recolhimento ao INSS,

conforme disposto nos incisos III e IV do art. 2º, desta Resolução;

VI – comprovante do Número de Inscrição do Trabalhador – NIT como segurado

especial na Previdência Social;

VII – comprovante de inscrição no Cadastro Específico do INSS – CEI, quando

necessário;

VIII – comprovante de domicílio.”

Conforme ação civil pública intentada pelo Ministério Público Federal, de número 5002559-10.2012.4.04.7101,através de liminar, depois confirmada na sentença, foi estendido o benefício às mulheres dos pescadores.

O objetivo é evitar a pobreza, garantir uma renda mínima para a família durante o período de reprodução dos cardumes.

Para YUNUS (2000, p. 133) “a pobreza é uma doença crônica. Não pode ser curada com medidas improvisadas.”

Daí a importância de se garantir um mínimo existencial para os pescadores artesanais, que durante o período do defeso, ficam impedidos de exercer a sua atividade.

Mormente que são pessoas humildes com pouca ou nenhuma instrução, que aprenderam o ofício desde criança e não têm outros meios de subsistência.

A renda mínima seria devida, conforme a ideia de SINGER (2002, p. 36), resgatando a ideia de redistribuição de renda de Fourier, para quem “todos teriam uma renda mínima, ‘modesta’ mas muito decente’, mesmo que não trabalhem”.

É necessário proteger esses personagens da cadeia produtiva, pois, conforme CATTANI, apud BOURDAIS (p. 74), “ o trabalho precário e, sobretudo, o desemprego são vistos como uma perda de qualificação social que antes respaldava os contatos com parentes, amigos e vizinhos, respaldando a ´miséria da situação´”.

Prossegue o mesmo autor afirmando que (p. 76) “poucos meses de precariedade ou de desemprego são suficientes para apagar os registros de valores, das práticas, dos engajamentos e da dignidade anteriores. Resta ainda uma visão nostálgica da identidade profissional, mas desconectada de princípios de solidariedade ou de engajamento das ações coletivas”.

4 Considerações finais

É extremamente relavante se garantir um mínimo existencial para os pescadores artesanais, que durante o período do defeso, ficam impedidos de exercer a sua atividade.

Veja-se que os pescadores são pessoas humildes com poucos anos de estudo, sendo, no mais das vezes, apenas alfabetizados, que aprenderam o ofício desde criança e não têm outros meios de subsistência.

Além disso, não têm qualificação ou instrução para exercer qualquer outro tipo de atividade, razão pela qual o benefício é muito bem-vindo para as famílias, que devotaram a vida na atividade e não sabem fazer outra coisa.

Em tempos de tantos programas assistencialistas do governo federal, parece acertada a decisão da Justiça Federal ao reconhecer o benefício assistencial também para a mulher do pescador.

Ela ajuda o marido filetando os peixes, limpando-os, ajudando no emalhe e conserto das redes, sendo também importante garantir-lhe um mínimo existencial durante o período de defeso, que refletirá no bem-estar de toda a família.

Se não se reconhecesse esse benefício, os pescadores estariam sujeitos à marginalidade e exclusão social, visto que ficariam sem dignidade e sem perspectiva de sua mantença durante os meses de pesca proibida.

Referências:
BÍBLIA. Português. Bíblia Sagrada. Tradução de Padre Antônio Pereira de Figueredo. Rio de Janeiro: Encyclopaedia Britannica, 1980. Edição Ecumênica.
BRASIL. CODEFAT. Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador. Resolução n° 657/2010, de 16 de dezembro de 2010. Diário Oficial: Brasília, de 17/12/2010.
CATTANI, Antonio D. Trabalho e Autonomia,1ª. Ed, São Paulo: Vozes, 1996.
SINGER, Paul. Introdução à Economia Solidária. 1ª. Ed., São Paulo, Fundação Perseu Abramo, 2002.
YUNUS, Muhammad. O Banqueiro dos Pobres. 1ª. Ed., São Paulo, Ática, 2000.

Informações Sobre o Autor

Guilherme Hommerding Alt

Bacharel em Direito pela Universidade Católica de Pelotas. Especialista em Direito Público pelo IMED , e em Civil e Processual Civil pela Anhanguera. Advogado em Rio Grande/RS


A Constituição Federal e o Pacto Para o Desenvolvimento…

Autor: Fábio Gutierres Kanashiro – Graduado em Direito (2010), pela Universidade Católica Dom Bosco – UCDB. Advogado atuante em Direito Civil e Direito Bancário....
MariaEduarda
12 min read

A Realidade e os Desafios para a Inserção de…

Vanessa Andriani Maria – Advogada, pós-graduanda em Advocacia Cível e Direito do Trabalho. Membro da Comissão de Direitos Humanos e do Grupo de Violência...
MariaEduarda
20 min read

Direitos Humanos e Refugiados: sua aplicação no ordenamento jurídico…

Rodrigo Freire de Moraes – Acadêmico do Curso de Direito do Centro Universitário UNINOVAFAPI- Teresina, 2020. Thiago Moita Carneiro – Acadêmico do Curso de...
MariaEduarda
29 min read

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo protegido !!