Insulfilm de controle solar pode proteger contra câncer de pele

0

O câncer de pele é uma das doenças que mais preocupa no Brasil. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), esperam-se 625 mil novos casos entre 2020 e 2022. Os dados ressaltam, ainda mais, a necessidade de aumentar os cuidados.

A exposição excessiva ao sol é um dos fatores de maior risco para o desenvolvimento do câncer de pele. Por isso mesmo, o Insulfilm de controle solar tem sido uma alternativa para a prevenção da doença.

Insulfilm é uma maneira de se referir às películas de proteção instaladas nos vidros de casas, edifícios, fachadas e veículos.

Neste artigo, veja como o Insulfilm de controle solar pode proteger contra câncer de pele e quais são as normas de trânsito para a sua instalação em veículos.

Boa leitura!

Como o Insulfilm de controle solar pode proteger contra câncer de pele?

Ao contrário do que muitos imaginam, as películas, incluindo as películas automotivas, não têm apenas uma função estética: elas desempenham papeis importantes para a segurança, saúde e bem-estar das pessoas.

Quanto à proteção contra o câncer de pele especificamente, os Insulfilm bloqueiam a entrada de raios ultravioleta em até 99% e esses raios UV são os principais causadores das doenças de pele, incluindo o câncer.

Veja 3 funções principais das películas automotivas:

– Bloqueio de raios UV

Como você viu, as películas conseguem bloquear em até 99% a entrada de raios ultravioleta, associados a doenças de pele, como o câncer. Com isso, aumenta-se a proteção, principalmente para quem usa o veículo por muito tempo.

– Controle solar

O Insulfilm também bloqueia a entrada de calor, contribuindo para um ambiente mais equilibrado termicamente e diminuindo a necessidade do uso de ar-condicionado.

– Aumento da resistência dos vidros

Vidros do veículo estão propensos a se estilhaçarem em caso de acidentes. As películas aumentam a resistência desses vidros, prevenindo esse problema.

Insulfilm automotivo: o que diz o CTB?

Para os insulfilm automotivos, existem normas que os proprietários do veículo devem seguir. Caso contrário, podem ser penalizados com multas e terem pontos gerados em sua Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

O Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN) é o órgão que regulamenta o uso de Insulfilm nos vidros dos veículos automotivos. Em sua Resolução 254/2007, estabelece os níveis de transparência que o Insulfilm automotivo deve ter. São eles:

– Para-brisas: o grau de transparência deve ser de, pelo menos, 75%

Vidros laterais dianteiros: o mínimo transparência deve ser de 70%

Demais vidros: mínimo de 28% de transparência

Já o art. 230 do CTB estabelece que trafegar com veículos nos quais as películas automotivas não estão de acordo com os níveis de transparência definidos pelo CONTRAN é uma infração de trânsito grave.

A penalidade é a multa no valor de R$ 195,23. Além disso, o condutor terá 5 pontos gerados na sua CNH. Também está prevista a retenção do veículo para regularização, que, geralmente, é a remoção do insulfilm ali mesmo, no local da abordagem.

Como prevenir o câncer de pele?

Alguns cuidados são importantes para a prevenção do câncer de pele, incluindo mudanças de hábitos, confira:

– Evitar exposição prolongada ao sol entre 10h e 16h

– Se exposto ao sol, usar proteção adequada: óculos de sol, roupas, bonés…

– Usar filtro solar com fator de proteção 30, no mínimo, e retocar o filtro a cada duas horas ou após mergulhos

– Instalar películas de proteção em janelas, fachadas e vidros dos veículos

Quem utiliza o veículo para exercer algum tipo de atividade remunerada, como taxistas, motoristas de aplicativo, caminhoneiros e deliverys deve ter um cuidado ainda maior, já que passam mais horas expostos ao sol e aos raios UV.

Considerar a instalação de Insulfilm nos vidros do veículo é, portanto, uma ação necessária, mas mantendo a atenção quanto as normas de trânsito e respeitando os níveis de transparência exigidos pelo CONTRAN.

Ainda tem dúvidas sobre este assunto? Entre em contato com a nossa equipe de especialistas!

Julgamento Caso Kiss: para Promotor aposentado não houve dolo no caso da boate Kiss
Clique Aqui e Saiba Mais!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais