Aplicação das disposições sobre ações civis públicas em matéria eleitoral, considerando o disposto no art. 105-A da Lei das Eleições e a jurisprudência do TSE

0

Resumo: Este trabalho tem como meta analisar a aplicabilidade das disposições sobre ações civis públicas em matéria eleitoral, considerando o disposto no art. 105-A da Lei das Eleições e a jurisprudência do TSE.

Palavras-chave: Aplicabilidade. Ações civis públicas. Matéria Eleitoral.

Abstract: This work aims to analyze the applicability of the provisions on class actions in electoral matters, considering the provisions of art. 105-A of the Law on Elections and the TSE's jurisprudence.

Keywords: Applicability. Class actions. Electoral Matter.

Sumário: 1. Introdução. 2. Análise da legislação aplicável e da jurisprudência. 3. Conclusão. 4. Referências.

Introdução

Em 2009 foi sancionada por meio da Lei n. 12.034 a chamada “Minirreforma Eleitoral”, que alterou, dentre outras leis, a Lei n. 9.504/1997, também conhecida por Lei das Eleições.

Uma das principais alterações promovidas foi a inclusão do art. 105-A ao texto da Lei n. 9.504/1997, que assim passou a dispor: litteris:

“Art. 105-A.  Em matéria eleitoral, não são aplicáveis os procedimentos previstos na Lei n. 7.347, de 24 de julho de 1985.  (Incluído pela Lei nº 12.034, de 2009)”

Análise da legislação aplicável e da jurisprudência

Percebe-se, desde logo, que a norma então inclusa refere-se à não aplicação, em material eleitoral, dos procedimentos previstos na Lei da Ação Civil Pública (Lei n. 7.347/85).

Com isso, basicamente, tanto o inquérito civil quanto a ação civil pública, objetos notoriamente fundamentais para a regular atuação do Ministério Público em defesa da ordem democrática e do regime jurídico, previstos nos arts. 127 e 129 da Constituição Federal, tiveram seu uso obstado pela nova legislação no que pertine à matéria eleitoral.

Sendo assim, o Ministério Público Eleitoral não poderia, em princípio, fazer uso do inquérito civil para a promoção de investigações e posteriormente o ajuizamento da ação civil pública perante a Justiça Eleitoral.

Trata-se, assim, de uma verdadeira forma de restrição do uso de determinadas ferramentas jurídicas e de atuação por parte do Parquet.

A Lei de Ação Civil Pública tem por escopo a proteção do patrimônio público e social, do meio ambiente e de outros interesses difusos e coletivos. Para isso, prevê termos de ajustamento de conduta e manejo de inquérito civil.

O inquérito civil é uma peça inquisitorial que tem por fim colher subsídios aptos a lastrear uma ação civil pública (Lei n. 7.347/85, especificamente no artigo 8º, § 1º).

Trata-se de um procedimento administrativo cuja finalidade é permitir ao Ministério Público obter elementos e subsídios para o ajuizamento de uma ação civil pública, com o fito de zelar pela probidade administrativa e patrimônio público1.

A peça foi originariamente criada para a ação civil pública, mas, segundo alguns doutrinadores, ganhou vôo, e pode ser alçada para outros procedimentos. Não raro, há a utilização do inquérito civil aos ilícitos eleitorais sob o argumento de se garantir uma maior transparência na investigação.

Em outras palavras, instaura-se um inquérito civil, inato às ações civis Públicas, para subsidiar ações eleitorais (Ação de Captação Ilícita de Sufrágio, de Cassação de Mandato Eletivo, Investigação Judicial Eleitoral), que não têm a natureza jurídica de ação civil pública.

Segundo os que defendem tal posicionamento, trata-se de uma ferramenta com função instrumental de possível manejo sempre que a situação concreta possibilitar a atuação institucional do Ministério Público.

Apesar de tudo isso, o Tribunal Superior Eleitoral vem firmando sua jurisprudência no entendimento de que as provas produzidas em inquérito civil, ainda que visem a subsidiar ações de natureza eleitoral, configuram vícios de procedimento que não podem ser superados.

Em outras palavras, realmente, com base no art. 105-A da Lei n. 9.504/1997, o MPE não pode instaurar inquérito civil para colher provas para futuro ajuizamento de ação eleitoral, sob pena de nulidade, senão vejamos o seguinte precedente:

"ELEIÇÕES 2012. AGRAVO REGIMENTAL. RECURSO ESPECIAL. AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO JUDICIAL ELEITORAL (AIJE). ABUSO DE PODER ECONÔMICO, POLÍTICO/AUTORIDADE E CONDUTA VEDADA A AGENTE PÚBLICO. PREFEITO. INQUÉRITO CIVIL PÚBLICO. PROVA ILÍCITA. ART. 105-A DA LEI Nº 9.504/97. DEMAIS PROVAS. ILICITUDE POR DERIVAÇÃO. AGRAVOS REGIMENTAIS DESPROVIDOS. 1. O art. 105-A da Lei nº 9.504/97 estabelece que, para a instrução de ações eleitorais, o Ministério Público não pode lançar mão, exclusivamente, de meios probantes obtidos no bojo de inquérito civil público. 2. Ilícitas as provas obtidas no inquérito civil público e sendo essas o alicerce inicial para ambas as AIJEs, inarredável o reconhecimento da ilicitude por derivação quanto aos demais meios probantes, ante a aplicação da Teoria dos Frutos da Árvore Envenenada. 3. Agravos regimentais desprovidos." (TSE – AgR-REspe: 89842 RN , Relator: Min. LAURITA HILÁRIO VAZ, Data de Julgamento: 28/08/2014, Data de Publicação: DJE – Diário de justiça eletrônico, Tomo 173, Data 16/09/2014, Página 129/130) (grifos acrescidos)

Citam-se outros arestos: AgR-RO 502965-AM,  AgR-RO 499408-AM, AgR-RO 488761-AM , etc.

No entendimento do TSE, portanto, deveria o MPE se valer não do inquérito civil, e sim de outros instrumentos jurídicos à disposição, notadamente a investigação judicial eleitoral disciplinada pelo art. 22 da LC n. 64/1990.

Apesar disso, importante ressaltar que em 2009, o Partido Democrático Trabalhista (PDT) ajuizou a ADI n. 4352 perante o STF, cuja relatoria é do Ministro Luiz Fux, questionando a constitucionalidade da Lei n. 12.034/2009, e um dos artigos impugnados é exatamente o art. 105-A da Lei de Eleições. Referida ação direta está ainda pendente de julgamento.

Em relação à ADI n. 4352, um fato relevante  nos chamou a atenção e se refere ao parecer dado pela Procuradoria-Geral da República. Em suas manifestações apresentadas em 31/3/2013, o Parquet, atuando como fiscal da lei opinou pela procedência parcial do pedido. Na visão ministerial, de fato, o art. 105-A da Lei n. 9.504/97 é inconstitucional, mormente o fato de que a partir de 1988, a legitimação do Parquet para promover o inquérito civil e a ação civil pública passou a constituir prerrogativa constitucional da Instituição, assegurada pelo art. 129, III, da CR.

Conclusão

Ante o exposto, ao meu ver, ao restringir indevidamente o exercício de funções institucionais do Ministério Público, o art. 105-A da Lei n. 9.504/1997 viola não só as disposições do art. 129, III, da CR, como também os princípios da moralidade, da probidade e da coibição ao abuso do poder político e econômico, além de também ferir de morte o art. 5º, XXXV, da Constituição Federal, que dispõe sobre a inafastabilidade da jurisdição.

Referências
GONÇALVES, Marcus Vinícius Rios. Tutela de interesses difusos e coletivos. São Paulo: Saraiva, 2010. p. 139.

Informações Sobre o Autor

Vinicius de Freitas Escobar

Pós-graduando em Direito e Processo do Trabalho pela UNIDERP-Anhanguera


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais