Direito, Cabeça e Corpo


O direito nasce…


… na sua cabeça,


na minha e de uns poucos,


mas é apenas idéia,


e direito só será


se, de cabeça em cabeça,


ganhar corpo.


É da criatividade


que vem da cabeça


que a linguagem


se utilizará


para, com bom argumento, transmitir


a certeza de que aquele direito


deve existir.


Mas, para ele não sucumbir


Do corpo, se deve nutrir


Com o alimento da perseverança


De que…


quem labora sempre alcança.


E, saciado o corpo,


Os pés com energia


Fazem caminhar, por entre muitos,


A ideologia do direito proposto.


E, com muito gosto,


Verá o direito erigir


Ideal – Reconhecido na Justiça


Genial – Defendido na doutrina


Legal – Impresso na lei.


O que importa não é o


Orgulho da criação,


Mas de que servirá


a toda uma nação.


A paternidade será incerta,


A notoriedade ficará com o obstetra.


O direito poderá ser seu filho,


Mas dele você não será pai,


E o verá crescer,


Embalado por tantos outros,


E, quando maduro,


Verá frutificar seus netos,


dos quais você não será avô.


Em algum momento pensará…


…De que vale tanto empenho,


se reconhecimento não tenho?


Após maturar, sereno,


Perceberá…


Meu esforço criador


não foi para ser pai do Direito,


Mas para zelar


pela minha filha


JUSTIÇA!


E ela evidenciará


alguns traços do seu DNA.


Assim, entenderá


que, para cuidar da Justiça


sobre o Direito, deverá pensar


e, muitas vezes, criar, transformar,


evoluir…


porque o Direito deve servir


como fiel escudeiro da JUSTIÇA.



Informações Sobre o Autor

Asdrubal Junior

Advogado, sócio da Asdrubal Júnior Advocacia e Consultoria S/C, pós-graduado em Direito Público pelo ICAT/UniDF, Mestre em Direito Privado pela UFPE, Professor Universitário, Presidente do IINAJUR, organizador do Novo Código Civil da Editora Debates, Coordenador do Curso de Direito da UniDF, Diretor da Faculdade de Ciências Jurídicas da UniDF, Consultor das Nações Unidas – PNUD, Editor da Revista Justilex, integrante da BRALAW – Aliança Brasil de Advogados.


O Inferno São os Outros

Se fizéssemos uma lista das pessoas que odiamos a nossa volta qual seria o tamanho dessa lista? A verdade é que muitas vezes não...
MariaEduarda
2 min read

Da Negação da Alteridade a Violência: Uma Reflexão Sobre…

Luiz Tiago Vieira Santos   “As condições sob as quais sou compreendido, sob as quais sou necessariamente compreendido – conheço-as muito bem. Para suportar...
MariaEduarda
7 min read

A “cacocracia” brasileira e os “vinte centavos” indignação democrática:…

"Puedes engañar a todo el mundo algún tiempo. Puedes engañar a algunos todo el tiempo. Pero no puedes engañar a todo el mundo todo...
AmbitoJuridicoOld
8 min read

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *