A obrigação de motivação e publicação nos concursos públicos

0

Todos os atos que praticamos são conseqüência de aprendizados que tivemos, de heranças culturais acumuladas desde o início dos tempos (por exemplo, a ditadura). Por outro prisma, nós somos o produto criado pelo paradigma de uma época. O ser humano, por natureza, tem interesses ilimitados frente aos insumos limitados. Nós, desde o início dos tempos, disputamos o poder em todos os setores e aspectos da vida.

Para buscar equilíbrio nos fins estatais, assim como nas relações humanas em geral, os Estados criaram as leis e Constituição. O Brasil aprovou a Constituição Federal de 1988 visando a instauração definitiva da democracia, na qual o poder dos representantes está limitado ao que almeja os donos do poder (o povo), e ainda nos direitos e garantias fundamentais dos administrados. Isto tudo, somada à tripartição dos Poderes, tem a intenção concreta de se evitar a concentração de poder e atos arbitrários dos representantes do povo (administração pública).

Todos os atos administrativos têm como fundamento o poder do povo e o bem comum da sociedade. Sendo assim, o concurso público, assim como os demais atos administrativos e procedimentos estão sujeito ao ordenamento jurídico brasileiro. Vejam que a Constituição, nossas leis e os direitos contidos nelas representam a evolução e luta de muitos anos, muitas vezes, conquistados à custa de guerra e sofrimento humano. Estes direitos devem ser respeitados por toda sociedade, especialmente, pelos representantes da mesma (administração pública).

Para se garantir o equilíbrio e bem comum e concretizar os direitos dos administrados, o Poder Legislativo aprovou a Lei 9.784/99, que regulamenta todos os procedimentos administrativos federais que não tenham regramento próprio, e ainda em seu artigo 50 inciso V determina que o ato administrativo deve ser motivado. O que reforça isto é a posição do doutrinador Hely Lopes às folhas 151 do livro de Direito Administrativo Brasileiro.

A Súmula n° 684 do Suprimo Tribunal Federal determina ser inconstitucional o veto não-motivado à participação de candidato em concurso público; logo, a não-motivação ao resultado dos recursos é inconstitucional, pois veta a participação do candidato nas fases seguintes do concurso público.

Já o artigo 3° inciso II da Lei 9.784/99 garante aos administrados que obtenham cópia de todos os atos nos processos administrativos. Desta feita, proibir cópia dos atos do concurso público viola o princípio da publicidade, positivado no artigo 37 da Constituição Federal de 1988 e artigo 3° inciso II da Lei 9.784/99; e ainda, dificulta a ampla defesa ao candidato, pois sem os fundamentos das respostas aos recursos, não tem como defender amplamente seus direitos na esfera administrativa e jurídica.

Outra questão importante é a obrigatoriedade de banca revisora nos concursos públicos. O professor Hely Lopes Meirelles quando trata do assunto recursos administrativos em concurso público assim se expressa: "… como atos administrativos, os concursos públicos, devem ser realizados através de bancas examinadoras regularmente constituídas com elementos capazes e idôneos dos quadros do funcionalismo ou não, e com recursos para órgãos superiores, visto que o regime democrático é contrário a decisões únicas, soberanas e irrecorríveis". MEIRELLES, Hely Lopes. Direito administrativo brasileiro, 23ª ed, São Paulo, Malheiros, 1998, página 362.

Importante complementar que a Lei 9.784/99 é de aplicação federal, todavia outro ente estatal pode determinar sua aplicação como o fez o Distrito Federal por meio da Lei 2.834/01.

Por fim, os organizadores e bancas dos concursos públicos devem respeitar os mesmos limites impostos aos procedimentos administrativos em geral, especialmente obrigação de motivação, publicação, banca revisora, definição de critérios prévios, além de seguir a finalidade pública, razoabilidade, proporcionalidade e todos os princípios legais e constitucionais da administração pública. Ao contrário, estarão violando a real noção de democracia, e ainda a tripartição de poderes, assim como os limites constitucionais e legais de atuação da administração pública. Ou seja, pode-se tratar de ato arbitrário.


Informações Sobre o Autor

Brenno Guimarães Alves da Mata

Consultor Jurídico em Brasília/DF


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais