Direito Penal na Atualidade: Justiça ou Vingança?

0

Infelizmente nosso país vive nos dias de hoje uma mentalidade, por hora parcialmente compreendida, de um espírito materialmente enraizado em nossa sociedade, onde o “fazer Justiça” é imediatamente reportado para o sentido mais profundo de Vingança.

Quase como inquisidores, nossos advogado, governantes, legisladores, promotores e o que é pior, nosso Juízes, se contaminam com este espírito impregnante. E na sede desta vingança, não se respeitam mais princípios fundamentais, resguardados por nossa Constituição. A presunção de inocência, a não perpetuidade das penas, o direito a ampla defesa e contraditório, entre tantos, são hoje tratados como benefícios, dado aleatoriamente por méritos duvidosos e subjetivos; quando nos esquecemos que se tratam de Direitos, e mais, Direitos Fundamentais.

Como mencionado anteriormente, este espírito se justifica, parcialmente, pelo caos instalado na segurança pública de nosso país. Sem dúvida a primeira reação de defesa do cidadão comum, que só quer a segurança de sua família, é exigir penas mais severas e prisões mais energéticas aos infratores. Mas é aí que tocamos no ponto fundamental desta discussão: será que a segurança pública se faz com mais punição? Será que é esta a solução definitiva do nosso problema?

Muitos irão nesta hora responder que não, mas que isto se faz necessário e é a única ferramenta ao nosso alcance. E nesta visão as novas leis penais se tornam mais duras, mais enérgicas, mais violentadoras da nossa constituição e mais assustadoras, ferindo princípios invioláveis de nossa Carta Magna. Na mesma onda de pensamento seguem nossos atores do legislativo, executivo e judiciário; e então, temos um Estado onde o que se busca é a vingança e não a justiça.

Justiça não é buscar a punição adequada a cada pessoa, justiça é criadora de harmonia e paz social. Harmonia e paz social só teremos no momento em que nossos programas de segurança pública investirem em educação, saúde e trabalho para todos. Esse é o verdadeiro programa de segurança pública, e não a instalação da vingança social. Porque na realidade é isto que acontece quando agimos desta forma, a condição social, econômica e racial é que vai determinar quem vai sofrer a vingança e quem são os vingadores. Isto é Justiça? Não, isto é vingança.

Este sistema instalado, por hora, serve para alguns, até chegado o momento em que o direito penal, inflexível e brutal, bate a sua porta; e então a constituição é lembrada, lá, jogada num canto, quase destruída e mofada, mas que ainda tem tempo de ser recuperada e posta em seu devido lugar.

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Andrei Bittencourt D`angelis

 

Aluno de Direito. Faculdade Dom Bosco, Curitiba

 


 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais